ジャーナルセクションを最大限にご活用いただくため、メインの言語をお選びください:
English 日本語 Español Português

ジャーナルセクションに新しい機能を追加しました。コメントなどeditor@DiscoverNikkei.orgまでお送りください。

ニッケイ物語 #10—ニッケイの世代:家族と コミュニティのつながり

Os japoneses na agricultura brasiliense

Realizar o sonho de ter uma moradia própria e nela poder criar e educar os filhos em segurança e alimentá-los talvez tenha sido uma das maiores destrezas do ser humano. Hoje, com tanta inovação e mudança repentina na vida das pessoas, provocadas principalmente pela pandemia do novo coronavírus, muitos valores podem ter mudado, tais quais, viver em um meio ambiente mais seguro, ter a liberdade de locomoção, a necessidade de expressão, a necessidade de estar junto, mas mantendo a segurança sanitária. 

Bem, não é sobre a atualidade que quero escrever. Quero expressar a minha gratidão ao governo brasileiro que enxergou a necessidade de expandir a agricultura no Cerrado brasileiro, principalmente no Distrito Federal, com a proposta inicial de alimentar os candangos e os futuros moradores de Brasília.

Os primeiros imigrantes japoneses vieram a convite do ex-presidente Juscelino Kubitschek, pois ele acreditava que só os japoneses dominavam a técnica para produzir alimentos em um solo seco e arenoso. A família Kanegae, vindos de Goiânia, foram os primeiros a enfrentar a dificuldade em criar novas técnicas de produção. Tentaram. Erraram. Mas não desistiram. Neste período, diversas outras famílias vieram tentar uma nova vida na Capital Federal, e juntos, experimentaram, erraram e aprimoraram até dominar a produção de verduras e hortaliças.

A região em que resido se chama Núcleo Rural Alexandre de Gusmão, localizada na zona rural da Região Administrativa de Brazlândia. Aqui, a expansão da agricultura familiar começou na década de 70. Diversos imigrantes japoneses do interior de São Paulo, de Minas Gerais e principalmente do Paraná vieram comprar a tão sonhada terra própria para iniciar uma nova jornada.

Meus pais se conheceram na cidade de Assaí, no Paraná, casaram-se e vieram para Brazlândia junto com meus avós. Aqui já estavam instalados meus avós maternos.

Meu pai foi um grande produtor de goiaba na década de 80, ganhando reconhecimentos e prêmios. Ele guarda este momento com grande orgulho até os dias de hoje. Cultivamos também batata inglesa, alho, cenoura, beterraba, morango, alface e mandioca.

Barraca da ARCAG crédito: Deliane Takaki

Por termos uma grande colônia de japoneses na região, foi fundada a Associação Rural e Cultural Alexandre de Gusmão, a ARCAG que, à época era o local de encontro e reuniões dos associados para manter a cultura e as tradições. Temos ainda, a escola de língua japonesa.

Na escola, tínhamos o bunkasai, o undoukai, as comemorações de datas comemorativas, passeio e até o jigyou sankanbi. Eu adorava todas as atividades, era o meu momento de estar com amigos e me divertir muito.

Com o passar do tempo, a ARCAG viu a necessidade de valorizar a produção dos associados e à época, a produção de morango estava no topo da produtividade na região. De forma tímida, foi realizada a primeira edição da Festa do Morango de Brasília. E ao passar dos anos e com o aumento de visitantes e interessados na fruta, a festa foi crescendo e começamos a ter o apoio do governo local para a realização do evento, que acontece no mês de agosto, quando está no pico da produtividade da fruta.

João Fukushi planta morango em Brazlândia, no Distrito Federal, desde 1975 — Crédito: Letícia Carvalho/G1. Fonte: Globo.com G1

Por causa da pandemia, em 2020 e 2021, a festa foi realizada de forma simbólica, para preservar a tradição e lembrar a todos que os produtores rurais não baixaram a bola para a pandemia. Infelizmente, por sempre pensar na realização (todos os associados e familiares trabalham de forma voluntária), poucos se lembram de registrar em foto ou por escrito a memória das atividades. Mas garanto a todos que é uma festa alegre e todos os associados têm um orgulho em fazer parte da realização deste evento.

Visão geral da barraca da ARCAG crédito: Rosa Takematsu

Minha cidade se destaca também pela produção de goiaba. E, igualmente a festa do morango, realizamos também a festa da goiaba no mês de março, com o apoio do governo local. Já são cinco edições! Sinto um grande orgulho em fazer parte desta comunidade!

Muitos filhos de emigrantes já não pensam em herdar os trabalhos braçais na roça. Muitos são servidores públicos e empresários. Mas sempre que podem, dão aquela força para a Associação, para podermos manter viva a cultura e a raiz dos nossos ancestrais. Temos outras atividades na ARCAG, mas isso, conto em uma outra página.

Desejo que em 2022 a realização da 26ª edição da Festa do Morango seja com muitos abraços, sorrisos e poder estar próximo de pessoas que estimamos, sem medo de contrair a Covid-19.

Preparativo do tempurá, na barraca da ARCAG crédito: Rosa Takematsu

 

© 2021 Clarice Satiko Aoto

星 7 個

ニマ会によるお気に入り

このストーリーが気に入りましたか?気に入ったら ログイン または アカウントの作成をして、星を投票しよう! ストーリーでは、最も多く星を獲得したストーリーをサイトの他の言語へ翻訳します。ニマアカウントへログインして、投票してください。

agriculture ARCAG Brasilia brazil strawberries

このシリーズについて

「ニッケイの世代」への投稿は、9月30日で締め切りました。投稿いただいた皆さん、どうもありがとうございました!

「ニッケイの世代」シリーズへの投稿作品を読み、ニマ会コミュニティのお気に入り作品の選択にご協力ください >>

投票の最終日は11月5日です。

第10回「ニッケイ物語」シリーズにようこそ!「ニッケイの世代:家族とコミュニティのつながり」は、世界中のニッケイ社会における世代間の関係に目を向け、特にニッケイの若い世代が自らのルーツや年配の世代とどのように結びついているのか(あるいは結びついていないのか)という点に焦点を当てます。その過程で、世界中のニッケイ社会がどのように進化しているのか、洞察を得ることができれば幸いです。

あなたのコミュニティの世代間の関係はどのようなものですか? どのように状況は変化し、どのように変化していないでしょうか? 魅力的なニッケイの若者をご存じですか?その若者は何をしている人ですか? あなた自身のニッケイ社会の未来はどうなっていくと思いますか? あなたのコミュニティにどのような遺産を残したいですか? 個人的な物語や回想録、インタビューやQ&A、エッセイ、リサーチ、批評など、さまざまなタイプの投稿をお待ちしています。

受付期間は2021年5月1日から9月30日18時(PDT)までです。

詳細はこちらをご参照ください: 5dn.org/sedai.

* このシリーズは、下記の団体の協力をもって行われています。 

        ASEBEX