Select a primary language to get the most out of our Journal pages:
English 日本語 Español Português

We have made a lot of improvements to our Journal section pages. Please send your feedback to editor@DiscoverNikkei.org!

Nikkei Chronicles #10—Nikkei Generations: Connecting Families & Communities

Os japoneses na agricultura brasiliense

Realizar o sonho de ter uma moradia própria e nela poder criar e educar os filhos em segurança e alimentá-los talvez tenha sido uma das maiores destrezas do ser humano. Hoje, com tanta inovação e mudança repentina na vida das pessoas, provocadas principalmente pela pandemia do novo coronavírus, muitos valores podem ter mudado, tais quais, viver em um meio ambiente mais seguro, ter a liberdade de locomoção, a necessidade de expressão, a necessidade de estar junto, mas mantendo a segurança sanitária. 

Bem, não é sobre a atualidade que quero escrever. Quero expressar a minha gratidão ao governo brasileiro que enxergou a necessidade de expandir a agricultura no Cerrado brasileiro, principalmente no Distrito Federal, com a proposta inicial de alimentar os candangos e os futuros moradores de Brasília.

Os primeiros imigrantes japoneses vieram a convite do ex-presidente Juscelino Kubitschek, pois ele acreditava que só os japoneses dominavam a técnica para produzir alimentos em um solo seco e arenoso. A família Kanegae, vindos de Goiânia, foram os primeiros a enfrentar a dificuldade em criar novas técnicas de produção. Tentaram. Erraram. Mas não desistiram. Neste período, diversas outras famílias vieram tentar uma nova vida na Capital Federal, e juntos, experimentaram, erraram e aprimoraram até dominar a produção de verduras e hortaliças.

A região em que resido se chama Núcleo Rural Alexandre de Gusmão, localizada na zona rural da Região Administrativa de Brazlândia. Aqui, a expansão da agricultura familiar começou na década de 70. Diversos imigrantes japoneses do interior de São Paulo, de Minas Gerais e principalmente do Paraná vieram comprar a tão sonhada terra própria para iniciar uma nova jornada.

Meus pais se conheceram na cidade de Assaí, no Paraná, casaram-se e vieram para Brazlândia junto com meus avós. Aqui já estavam instalados meus avós maternos.

Meu pai foi um grande produtor de goiaba na década de 80, ganhando reconhecimentos e prêmios. Ele guarda este momento com grande orgulho até os dias de hoje. Cultivamos também batata inglesa, alho, cenoura, beterraba, morango, alface e mandioca.

Barraca da ARCAG crédito: Deliane Takaki

Por termos uma grande colônia de japoneses na região, foi fundada a Associação Rural e Cultural Alexandre de Gusmão, a ARCAG que, à época era o local de encontro e reuniões dos associados para manter a cultura e as tradições. Temos ainda, a escola de língua japonesa.

Na escola, tínhamos o bunkasai, o undoukai, as comemorações de datas comemorativas, passeio e até o jigyou sankanbi. Eu adorava todas as atividades, era o meu momento de estar com amigos e me divertir muito.

Com o passar do tempo, a ARCAG viu a necessidade de valorizar a produção dos associados e à época, a produção de morango estava no topo da produtividade na região. De forma tímida, foi realizada a primeira edição da Festa do Morango de Brasília. E ao passar dos anos e com o aumento de visitantes e interessados na fruta, a festa foi crescendo e começamos a ter o apoio do governo local para a realização do evento, que acontece no mês de agosto, quando está no pico da produtividade da fruta.

João Fukushi planta morango em Brazlândia, no Distrito Federal, desde 1975 — Crédito: Letícia Carvalho/G1. Fonte: Globo.com G1

Por causa da pandemia, em 2020 e 2021, a festa foi realizada de forma simbólica, para preservar a tradição e lembrar a todos que os produtores rurais não baixaram a bola para a pandemia. Infelizmente, por sempre pensar na realização (todos os associados e familiares trabalham de forma voluntária), poucos se lembram de registrar em foto ou por escrito a memória das atividades. Mas garanto a todos que é uma festa alegre e todos os associados têm um orgulho em fazer parte da realização deste evento.

Visão geral da barraca da ARCAG crédito: Rosa Takematsu

Minha cidade se destaca também pela produção de goiaba. E, igualmente a festa do morango, realizamos também a festa da goiaba no mês de março, com o apoio do governo local. Já são cinco edições! Sinto um grande orgulho em fazer parte desta comunidade!

Muitos filhos de emigrantes já não pensam em herdar os trabalhos braçais na roça. Muitos são servidores públicos e empresários. Mas sempre que podem, dão aquela força para a Associação, para podermos manter viva a cultura e a raiz dos nossos ancestrais. Temos outras atividades na ARCAG, mas isso, conto em uma outra página.

Desejo que em 2022 a realização da 26ª edição da Festa do Morango seja com muitos abraços, sorrisos e poder estar próximo de pessoas que estimamos, sem medo de contrair a Covid-19.

Preparativo do tempurá, na barraca da ARCAG crédito: Rosa Takematsu

 

© 2021 Clarice Satiko Aoto

7 Stars

Nima-kai Favorites

Do you like this story? Login or register to give it a star! The stories with the most stars will be translated into our other site languages! You have to be logged in to your Nima account to vote.

agriculture ARCAG Brasilia brazil strawberries

About this series

Submissions for Nikkei Generations closed on September 30. Thank you very much to everyone who submitted stories!

Read the Nikkei Generations stories and help select the Nima-kai community favorite >>

The last day to vote is NOVEMBER 5.

Welcome to the 10th edition of Nikkei Chronicles! Nikkei Generations: Connecting Families & Communities takes a look at intergenerational relationships in Nikkei communities around the world, with a particular focus on the emerging younger generations of Nikkei and how they connect (or don’t) with their roots and with older generations. Through your stories, we hope to gain insight into how global Nikkei communities are evolving overall.

What are relations like among the generations in your community? How have things changed, and how have they not? Who are some fascinating younger Nikkei that you know, and what are they up to? How do you see your community evolving, and what kind of legacies do you want to leave? Personal stories, memoirs, interviews/Q&As, essays, research, reviews, and other forms of prose addressing these rich topics are all welcome.

Submissions will be accepted from May 1 until September 30, 2021, at 6 p.m. PDT.

For more information, visit 5dn.org/generations.

* This series is presented in partnership with: 

        ASEBEX