Tatiana Maebuchi

Nascida na cidade de São Paulo, é brasileira descendente de japoneses de terceira geração por parte de mãe e de quarta geração por parte de pai. É jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e blogueira de viagens. Trabalhou em redação de revistas, sites e assessoria de imprensa. Fez parte da equipe de Comunicação da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (Bunkyo), contribuindo para a divulgação da cultura japonesa.

Atualizado em julho de 2015

community pt

O ensino atual da língua japonesa no Brasil

O Brasil possui a maior comunidade de descendentes fora do Japão. Hoje existem cerca de 1 milhão e 600 mil descendentes de japoneses, com maior concentração nos estados de São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul e Pará. Em termos de ensino da língua japonesa, iniciado com os imigrantes, são mais de 300 escolas e cerca de 20 mil estudantes no país.


O ensino no Brasil: cultura, identidade e valores

Segundo dados de pesquisa realizada em 2012 pela Fundação Japão – organização vinculada ao Ministério das Relações Exteriores do Japão –, há 325 escolas de língua japonesa no território brasileiro, …

continue a ler

community pt

Ser nikkei brasileira: ontem e hoje

Da infância até a vida adulta, posso dizer que como brasileira nikkei vivi e vi alguns aspectos da convivência entre descendentes. Observei também que a cultura japonesa tem se popularizado aos poucos e isto com certeza influenciou, junto com outras mudanças – por exemplo, a visão que tenho de minhas raízes – a forma como vivo hoje em relação à comunidade nipo-brasileira e a de não descendentes.


Raízes nipônicas

Lembro que durante minha infância diversas vezes me perguntavam se era sansei (descendente de terceira geração, neto de japoneses) ou yonsei (descendente de quarta geração, bisneto de japoneses), mas não entendia …

continue a ler

community pt

A importância histórica das cidades de meus avós

Meus bisavós vieram do Japão e foram viver no interior de São Paulo, nas cidades de Registro, no Vale do Ribeira, e Álvares Machado, no oeste paulista. Curiosamente, minha família se estabeleceu nessas cidades que têm uma grande importância na história da comunidade nipo-brasileira.

Registro, apoio à imigração japonesa no Brasil

Maior cidade do Vale do Ribeira, Registro é conhecida como a “Capital do Vale” ou “Capital do Chá”. Tornou-se o Marco da Colonização Japonesa no Estado de São Paulo, de acordo com o Decreto nº 50.652, de 30 de março de 2006, por ter sido a primeira localidade a …

continue a ler

community pt

Um Ano Novo no Japão e o Ano Novo japonês no Brasil

Até um ano atrás, eu tinha uma ideia de como é a tradição de Ano Novo no Japão (shogatsu). A data é importante no país por ser religiosa. E quando viajei para lá, vi um pouco desta celebração de perto.

Foi uma experiência interessante e diferente, porque assim percebi que os nipo-brasileiros mantêm apenas alguns costumes que são fortes no país de origem de suas famílias.


Bonenkai e shinnenkai, as festas de final de ano

No Japão, existe a tradição das festas de fim de ano. O bonenkai é um evento para reunir famílias, amigos, funcionários de uma …

continue a ler

community pt

Brilho nikkei

Londrina, cidade no norte do estado do Paraná, é a segunda comunidade com maior número de descendentes de japoneses do Brasil, com cerca de 30 mil nikkeis, sendo uma das maiores do mundo fora do Japão. É lá onde surgiu e atua o Grupo Hikari, que neste ano completa 10 anos.

Como o grupo foi criado

Antigos integrantes do grupo de jovens do Templo Budista Nishi Hongwanji de Londrina que estavam afastados há mais de 30 anos se mobilizaram a partir de 2003 para criar uma associação de amigos para treinar o bon odori. Esta foi uma tradição …

continue a ler