Descubra Nikkei

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2024/2/9/nikkei-wo-megutte-44/

Nº 44: Aceitando todas as dificuldades – O mundo do romance “Escuridão”

“Literatura japonesa” única

Para escritores nipo-americanos ou canadenses de segunda e terceira geração, a tragédia provocada pela Guerra do Pacífico, incluindo a política de internamento do estado para nipo-americanos, é um tema importante em suas obras. Exemplos incluem “No-No Boy” de John Okada, “Obasan” de Joy Kogawa e “When the Emperor Was a God” de Julie Otsuka.

Em particular, as obras relacionadas com os campos de concentração têm sido chamadas de “literatura de campo de concentração”, e algumas destas obras literárias retratam a luta contra a discriminação racial e o preconceito do ponto de vista das vítimas, como pessoas que foram privadas da sua dignidade. são algumas obras que transmitem uma forte mensagem social.

Deste ponto de vista, "Darkness" (traduzido por Ippei Maeda, Akebi Shobo) de Juliet S. Kono, uma nipo-americana de terceira geração, cuja tradução foi publicada recentemente no Japão, é um livro escrito por Juliet S. Kono, uma Nipo-americano de terceira geração, que foi um nipo-americano de segunda geração durante a Guerra do Pacífico. Embora retrate a vida, pode-se dizer que é uma obra única. Os ataques aéreos de Tóquio mataram 100 mil pessoas numa noite, e o bombardeamento atómico de Hiroshima matou cerca de 140 mil pessoas. Discriminação, ciúme, bullying, traição, pobreza. Embora a história da vida do personagem principal enquanto ele sobrevive à dura realidade seja contada, as mensagens sociais e políticas não são ouvidas imediatamente.

O título original é "Anshu: Dark Sorrow". Embora não seja uma palavra muito familiar, pode-se dizer que “sombrio” é o tema deste trabalho. De acordo com o dicionário que possuo, “escuridão” é definida como “luto com uma sombra escura” (Daijirin). A história está envolta em nuvens escuras que aparecem ao longo da história. É uma tristeza que cobre os tempos sombrios da guerra e, ao mesmo tempo, é uma tristeza que habita no coração das pessoas.

À medida que a guerra se aprofunda, a personagem principal Himiko e a família de seu tio, que foi incendiada nos ataques aéreos de Tóquio, refugiam-se temporariamente em um templo em Kyoto. Numa conversa com o monge de lá, Hoshi Hara, ele fala sobre “escuridão”. Hara Hoshi disse:

"...O Japão realmente entrou em um ``vale das trevas''. Para nós, este é agora um momento de ``tristeza'' - em outras palavras, um momento de escuridão.'' (omitido)

Por outro lado, ao fugir de um ataque aéreo, Himiko se sente responsável pela morte de sua prima, Sa-chan, que a via como uma inimiga.

--Escuridão. Escuridão. Eu murmurei. Hara Hoshi fala sobre guerra, mas fui atraído por algo mais pessoal. Algo tão profundamente triste. Os sentimentos que tenho por todas as ações que fiz aos outros, especialmente ao Senhor. A escuridão é minha, do jeito que sou, a tristeza e a culpa pela pessoa que corrói meu coração. Eu havia encontrado um nome para alguma coisa. ——

Após uma estadia temporária em Kyoto, Himiko e seus amigos mudam-se para a cidade natal de seu tio, Hiroshima, onde também se abrigam em um templo, onde são tratados com carinho pelo sacerdote principal, Seki. Na história, expressões que parecem baseadas na perspectiva budista de coisas como impermanência e nada aparecem ao longo da história, incluindo conversas com monges, mas o coração do protagonista está enraizado nos ensinamentos do budismo (Jodo Shinshu). eles se movem e crescem.


Havaí—Tóquio—Quioto—Hiroshima

A história começa com uma comunidade de japoneses trabalhando nos campos de cana-de-açúcar do Havaí antes da guerra, e depois se muda para o centro de Tóquio, também antes da guerra. Depois mudou-se para Kyoto e Hiroshima.

Nascida e criada como segunda filha de uma família japonesa pobre que imigrou para o Havaí, Himiko engravida ainda jovem e é enviada para morar com a família de seu tio no Japão. Ela consegue dar à luz em uma vida difícil onde nunca é bem-vinda, mas depois foge de Tóquio, que é incendiada por um ataque aéreo, e vai para Kyoto e Hiroshima. Lá, ele foi exposto à bomba atômica e sobreviveu, mas muitas pessoas próximas a ele morreram durante esse período.

A guerra entre o Japão e os Estados Unidos lança uma sombra complicada na mente de Himiko, que tem raízes japonesas e parece japonesa, mas é americana nascida no Havaí. Como resultado, ele é magoado tanto pelo Japão quanto pela América, mas no final não demonstra raiva dos outros.

Depois de ser gravemente ferido pelo bombardeio atômico, senti-me satisfeito por ajudar outras pessoas. Após a guerra, médicos americanos visitam Hiroshima, e Himiko oferece seu corpo ferido a Hiroshima, embora entenda que eles tratam os sobreviventes como espécimes vivos dos danos da bomba atômica em nome do tratamento médico.

Ao aceitar tudo, incluindo os arrependimentos das ações passadas, a mente e o corpo tornam-se livres e podemos até sentir que alcançamos um estado de iluminação. Este ponto provavelmente está ligado aos ensinamentos de Jodo Shinshu.


Os esforços do tradutor dão frutos

A autora, Juliet S. Kono, é poetisa e romancista. Sou um nipo-americano de terceira geração que nasceu e foi criado em Hilo, Havaí, em 1943. Formou-se na Universidade do Havaí em Manoa e concluiu o mestrado lá. Enquanto frequentava a universidade, participou da campanha literária da revista literária havaiana Bamboo Ridge. Continuando a escrever como poeta, publicou as coletâneas de poesia “Hilo Rains” (1988) e “Tsunami Years” (1995). Anshu: Dark Sorrow, publicado em 2010, é seu primeiro romance completo. Ele recebeu vários prêmios, incluindo o Prêmio Literário do Havaí (2006). Ele mora em Honolulu e também é monge Jodo Shinshu.

O tradutor, Ippei Maeda, é pesquisador da literatura americana e escreveu o romance best-seller nos Estados Unidos, ``That Day at the Panama Hotel'' (escrito por Jamie Ford, publicado pela Shueisha), que se passa na história dos nipo-americanos durante a guerra. ) é responsável pela tradução. Nasceu em 1953 na cidade de Nakamura, província de Kochi (atual cidade de Shimanto), e completou o curso de doutorado na Escola de Pós-Graduação da Universidade de Hiroshima. Ele é professor visitante na Universidade Central de Washington, pesquisador visitante na Universidade de Washington e professor emérito na Universidade de Educação de Naruto. Seus livros incluem “Young Hemingway: Exploring Life and Sexuality” (Nanundo), e supervisionado e co-autor “Hemingway Criticism: Thirty Years of Tracks” (Kotoriyu Shobo).

Este livro também detalha a devastação sofrida pela cidade e seu povo devido aos ataques aéreos de Tóquio e ao bombardeio atômico de Hiroshima. Também aborda o tufão Makurazaki, que atingiu a região de Hiroshima mais de um mês depois do lançamento da bomba atómica, e os danos reais que causou. Segundo o tradutor Maeda, o autor passou 10 anos pesquisando e escrevendo o livro.

Falando em 10 anos, Maeda levou 10 anos desde o momento em que obteve o livro original até o momento em que conseguiu publicá-lo em japonês. Sem nenhuma editora confiável à vista, ele começou a tradução e, após concluir o trabalho, finalmente encontrou uma editora, e a versão japonesa de “Anshu” nasceu. Gostaria de apresentar o contexto e o significado deste livro na próxima entrevista com o Sr. Maeda.

*(Para o autor e tradutor, consulte o perfil no final deste livro)

© 2024 Ryusuke Kawai

Anshu (livro) sobreviventes da bomba atômica Havaí hibakusha Juliet S. Kono literatura Estados Unidos da América
Sobre esta série

O que é descendência japonesa? Ryusuke Kawai, um escritor de não-ficção que traduziu "No-No Boy", discute vários tópicos relacionados ao "Nikkei", como pessoas, história, livros, filmes e músicas relacionadas ao Nikkei, concentrando-se em seu próprio relacionamento com o Nikkei. Vou aguenta.

Mais informações
About the Author

Jornalista, escritor de não ficção. Nasceu na província de Kanagawa. Formou-se na Faculdade de Direito da Universidade Keio e trabalhou como repórter do Jornal Mainichi antes de se tornar independente. Seus livros incluem "Colônia Yamato: os homens que deixaram o 'Japão' na Flórida" (Junposha). Traduziu a obra monumental da literatura nipo-americana, ``No-No Boy'' (mesmo). A versão em inglês de "Yamato Colony" ganhou "o prêmio Harry T. e Harriette V. Moore de 2021 para o melhor livro sobre grupos étnicos ou questões sociais da Sociedade Histórica da Flórida".

(Atualizado em novembro de 2021)

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!