Discover Nikkei Logo

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2023/4/14/nikkei-wo-megutte-26/

26ª Entrevista com Tsuneo Enari, autor de “Noiva da América”

Como a história oculta do Japão do pós-guerra

Sra. Enari fala sobre “Noiva da América”

O fotógrafo Tsuneo Enari, que capturou o que o Japão esqueceu após a guerra, publicou “Bride of America”, uma coleção de retratos e entrevistas de mulheres que se casaram com soldados americanos e vieram para os Estados Unidos. 'foi publicado em 1981, e se tornou um tema quente ao informar o mundo sobre os tempos e as pessoas que haviam sido ignoradas pela mídia.

Após a guerra, Ensei lidou com pessoas que de alguma forma carregaram o legado negativo da guerra do Japão e, desde então, ele também cobriu órfãos japoneses deixados para trás na China após a guerra, assim como fez em "American Bride". viajou para a China e capturou a situação real e pós-guerra dessas pessoas através de entrevistas e fotografias, e expressou suas vozes através de suas obras.

20 anos após a primeira entrevista com noivas, nós as entrevistamos novamente e compilamos “Bride's Landscape of America 1978-1998”, que explora o que o Japão e o povo japonês são à medida que os tempos mudam e as gerações mudam. of America [Complete Edition],'' uma nova compilação de duas obras, ``Bride of America'' e ``Bride of America: Landscapes of the Years 1978-1998'', foi lançada. Publicado por Ronsosha (Chiyoda-ku , Tóquio).

Na Parte 22 , apresentei dois trabalhos relacionados a "Noiva" e seus mundos, mas visitei o Sr. Enari em sua casa na cidade de Sagamihara, província de Kanagawa, para falar sobre o histórico por trás desses trabalhos.

* * * * *

-Quando você começou a reportar, como você visitava noivas?

Enari: Em outubro de 1978, aluguei um apartamento de um cômodo em uma cidade chamada Gardena, nos arredores de Los Angeles, e usei-o como base para procurar e visitar noivas. Dirigi cerca de 35 mil quilômetros de São Francisco a San Diego em um ano e conheci cerca de 120 pessoas no total.

Quando visitei, algumas pessoas realmente não queriam falar comigo e às vezes eu era rejeitado na porta, mas nunca me arrependi do esforço. Eu queria saber com que tipo de pessoa poderia conversar, então aproveitei a experiência de conhecer uma noiva enquanto ia de porta em porta para ser apresentado a outra pessoa.

—O que você sentiu lá pela primeira vez?

Enari: A primeira coisa que me impressionou foi a religião. No final, as meninas que deixaram o Japão não têm com quem confiar, então não têm escolha a não ser confiar em alguma coisa. Isso era religião, e quase poderia dizer que confiei em algum tipo de religião 100% do tempo. Estava ligado à fé. A religião mais popular era a NSA (Soka Gakkai).

Alguns acreditavam em outras religiões, como o catolicismo, mas a maioria eram novas religiões. Às vezes fui apresentado a noivas por esse caminho.

——Em “American Bride”, as palavras dessas mulheres são escritas exatamente como elas as disseram, e acho que essa foi uma das coisas que atraiu os leitores.

Enari: A língua deles é uma mistura de inglês e japonês. Meu idioma básico é o japonês, mas falo inglês diariamente, então conjunções e outras palavras simples em inglês aparecem de vez em quando. Isso era novo para mim e também triste.

Mas, ao mesmo tempo, havia algo atraente nessas palavras. De qualquer forma, transmitiu a riqueza da humanidade e os sentimentos das mulheres que foram frequentemente discriminadas no Japão. Portanto, quando apresentei esta história tal como está no livro, sem acrescentar a minha própria subjetividade, parece ter tido o efeito de expressar honestamente os sentimentos da noiva.

——Qual foi a avaliação no momento da publicação?

Enari: Achei que seria melhor incluir palavras e também fotos, então resumi as palavras da noiva do jeito que eram e alinhei as fotos e as palavras, e foi indicado para o Prêmio de Não-Ficção Soichi Oya deste ano. Além disso, Hisashi Inoue foi destaque no jornal. Provavelmente havia valor em considerá-lo como informação.

--Quais eram seus pensamentos sobre o Japão?

Enari: O espírito e o patriotismo japoneses são fortes entre as pessoas que passaram por dificuldades. Nenhuma das pessoas que entrevistamos se sentiu abandonada ou nunca mais voltou ao Japão. Alguns deles fizeram sushi e outros pratos para mim quando cheguei. Tais ações estão ligadas ao orgulho de viverem bem como japoneses. O forte sentimento de serem japoneses também se refletiu na maneira como criaram os filhos.

Quando visitei a mesma pessoa (a noiva), 20 anos depois, percebi que as expectativas em relação às crianças estavam ligadas ao patriotismo, então eu definitivamente gostaria de ver como o filho deles (que é um nipo-americano de segunda geração) está crescendo. queria transmitir esta mensagem ao Japão, onde havia pessoas que a desprezavam.

Os órfãos de guerra na China são exactamente os mesmos, pois quanto mais oprimidas as pessoas são, mais se preocupam com o seu país de origem. Crianças que foram deixadas para trás depois que a União Soviética invadiu a Manchúria. Passei quatro anos visitando esses órfãos de guerra. Eles não conhecem seus pais, mas querem muito conhecer japoneses. Quando vou lá, as pessoas querem muito cartões de visita. Ele queria se conectar com os japoneses no Japão. Esta é uma expressão de seu desejo de retornar ao Japão.

•Como nipo-americano de segunda geração, como você se sente em relação ao relacionamento com seus filhos e à educação deles?

Em relação às crianças, senti que elas tinham orgulho de serem mães japonesas. Parece que ela está aprendendo uma etiqueta que os japoneses esqueceram, e ela parece ser disciplinada como mãe.

No Japão, parece que a cultura japonesa original do pós-guerra foi esquecida, mas por outro lado, os filhos da noiva pareciam ter sido bem criados. Também não há nada de servil nisso. Isto pode ser devido à influência da sociedade americana.

–Não foi difícil para estas mulheres envolverem-se com a comunidade porque os seus maridos eram militares e eram transferidos frequentemente?

Enari: Isso mesmo. Porém, havia uma conexão entre eles porque eram do mesmo lugar. Por exemplo, San Diego é um porto de escala da 7ª Frota e está ligada a Nagasaki e Sasebo, por isso muitas noivas são de Nagasaki. Lá, foi formada a Associação da Prefeitura de Nagasaki e as noivas trocaram informações entre si. Certa vez, fui convidado para uma festa e os maridos das mulheres também estavam lá, comendo comida japonesa.

Os navios de autodefesa japoneses fazem escala em San Diego, mas Naomi Campbell, cujo marido era da Marinha, nunca viu os navios de seu marido deixarem o porto em lágrimas, mas quando os navios de autodefesa japoneses fizeram escala em San Diego, ele disse que estava em lágrimas quando ele saiu do porto.

Tsuneo Enari

Nasceu em 1936 na cidade de Sagamihara, província de Kanagawa. Fotógrafo e professor emérito da Universidade Kyushu Sangyo. Ingressou no Mainichi Shimbun em 1962. Envolvido na reportagem sobre as Olimpíadas de Tóquio em 1964 e na assinatura do Acordo de Reversão de Okinawa em 1971. Aposentou-se em 1974 e tornou-se freelancer. Mudou-se para a América no mesmo ano. Enquanto estava em Nova York, ele conheceu “noivas de guerra” que cruzaram o oceano para se casar com soldados americanos e, em 1978, visitou-as na Califórnia e as filmou. Desde então, ele continuou a questionar a compreensão do povo japonês sobre a história moderna, usando fotografias para representar as vozes daqueles que estavam à mercê da Guerra Ásia-Pacífico e não tinham voz. Seus álbuns fotográficos incluem ``100 Portraits'' (Mainichi Shimbun, 1984, Domon Ken Award), ``Illusionary Land, Manchuria'' (Shinchosha, 1995, Mainichi Art Award) e ``Bride's America, Landscapes of the Years'. ' (Shueisha, 1995, Mainichi Art Award).2000), ``Hiroshima Bansho'' (Shinchosha, 2002), ``A Ilha dos Demônios'' (Asahi Shimbun Publishing, 2011), e ``Hiroshima bombardeada e Nagasaki: Evidência de Vida'' (Shogakukan, 2019). Seus livros incluem “Noiva da América” (Kodansha, 1981, Prêmio Kimura Ihei), “Shaohai's Manchuria” (Shueisha, 1984, Prêmio Domon Ken) e “Cenas de Memória: Dez Hiroshima” (Shinchosha, 1995). ), ``Showa refletido na lente'' (Shueisha Shinsho, 2005), etc. (Consulte o perfil de Ronsosha)

© 2023 Ryusuke Kawai

noivas migração fotógrafos fotografia Tsuneo Enari noivas de guerra esposas
Sobre esta série

O que é descendência japonesa? Ryusuke Kawai, um escritor de não-ficção que traduziu "No-No Boy", discute vários tópicos relacionados ao "Nikkei", como pessoas, história, livros, filmes e músicas relacionadas ao Nikkei, concentrando-se em seu próprio relacionamento com o Nikkei. Vou aguenta.

Mais informações
About the Author

Jornalista, escritor de não ficção. Nasceu na província de Kanagawa. Formou-se na Faculdade de Direito da Universidade Keio e trabalhou como repórter do Jornal Mainichi antes de se tornar independente. Seus livros incluem "Colônia Yamato: os homens que deixaram o 'Japão' na Flórida" (Junposha). Traduziu a obra monumental da literatura nipo-americana, ``No-No Boy'' (mesmo). A versão em inglês de "Yamato Colony" ganhou "o prêmio Harry T. e Harriette V. Moore de 2021 para o melhor livro sobre grupos étnicos ou questões sociais da Sociedade Histórica da Flórida".

(Atualizado em novembro de 2021)

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Discover Nikkei brandmark Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!