Discover Nikkei Logo

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2023/3/24/masaki-gaja/

Masaki Gaja, o sansei do equilíbrio

comentários

Masaki Gaja passou parte de sua infância no Japão e foi dekasegi durante sua juventude. (Fotos: arquivo pessoal)

O caso do designer gráfico Masaki Gaja é inusitado. Ele viveu a experiência do Japão em duas etapas: a primeira, como filho e filho de um dekasegi, e a segunda, como jovem dekasegi.

Foram, no total, nove anos no Japão. A primeira vez, aos seis anos, não foi um destino escolhido. O segundo, aos 20 anos, foi, embora forçado por uma circunstância dolorosa.


JAPÃO: IJIME E FUTEBOL

1990 foi um dos anos do boom do kasegi no Peru. Masaki tinha seis anos, estava na primeira série, e viajou com a mãe para o Japão, para onde um ano antes seu pai havia migrado para trabalhar.

Masaki teve que voltar a estudar a primeira série num contexto adverso, numa língua que não conhecia e numa sociedade com outros costumes e códigos culturais. Ele imediatamente soube o que era ijime . Ninguém lhe explicou, ele viveu em primeira mão. Para se defender, às vezes ele tinha que lutar.

A família mudou quando o pai conseguiu um novo emprego. O que isso significa para Masaki? Outra escola. E mais ijime .

Em ambas as escolas ele foi o primeiro estrangeiro, por isso não estavam habituados a lidar com estrangeiros. Isso incluiu alguns professores, de quem Masaki lembra como pessoas racistas que o chamavam de “rebelde” por se defender do bullying.

Porém, na segunda escola ele conseguiu derrotar o ijime graças a um aliado inesperado.

Seu pai tentou levá-lo ao treino de beisebol, mas ele não gostou. Masaki experimentou futebol e se saiu tão bem que se tornou seu veículo de entrada na escola.

“O futebol foi meu elo com os japoneses para que eu pudesse me integrar”, diz.

A partir daí tudo foi para melhor. Ele aprendeu japonês e criou raízes em sua comunidade. “Me senti estrangeiro, mas integrado”, diz ele.

PERU: IJIME E FUTEBOL, DE NOVO

Aos 12 anos, Masaki voltou ao Peru com seus pais e sua irmã japonesa. Uma oportunidade de trabalho em Lima para seu pai mobilizou novamente toda a família Gaja.

Masaki foi matriculado na escola La Unión Nikkei e a experiência no Japão se repetiu no Peru.

Na escola eu era o “japonês”, o “importado”. Os recém-chegados do Japão eram vistos como “nerds, estúpidos; “As ponjas são assim, ou seja, indiferentes”, lembra ele.

Em contraste com eles, os “inocentes” Ponjas, os peruanos eram os “vivos”. “Eu também lutei, você tinha que ser respeitado”, diz o sansei.

Tal como no Japão, o futebol veio em seu auxílio. Viram-no jogar durante as férias escolares e, por ter se saído bem, o chamaram para ingressar na equipe da Associação do Estádio La Unión (AELU).

Além de contribuir para sua reintegração no Peru, jogar futebol conferiu-lhe um certo status que lhe rendeu o respeito dos outros.

“O futebol me salvou”, enfatiza. “Sou sempre fiel ao futebol. Conectar-se com as pessoas, é um esporte coletivo, você precisa se comunicar com outras pessoas”, completa.

O bullying não parou completamente, mas pelo menos diminuiu. “Consegui acalmar as águas do ijime ”, lembra. No entanto, ele diz que assim como foi vítima de bullying, ele também o infligiu a outras pessoas. “Eu também fiz ijime , admito que deu errado”, confessa.

O bullying não foi o único grande obstáculo que ele teve que superar. A linguagem era diferente.

Masaki entendia espanhol, mas teve que aprender a escrevê-lo praticamente do zero. “Foi um choque total”, diz ele. Demorou cerca de um ano para se aclimatar ao espanhol.

DE VOLTA AO JAPÃO

Aos 20 anos, a vida de Masaki Gaja deu um novo rumo. Seu pai, que estava no Japão (para onde retornou após o fracasso de seu emprego no Peru), ficou gravemente doente.

Masaki, que estudava design gráfico, viajou ao Japão para cuidar de seu pai e cuidar de toda a papelada relacionada à sua repatriação.

Essa foi a primeira parte da sua tarefa no Japão; a segunda, para aliviar o pai na manutenção da família.

De repente, Masaki, o filho que vivia das remessas do pai, tornou-se efetivamente o chefe da família.

Durante seu estágio dekasegi, ele descobriu o quão importante foi seu processo educacional dos seis aos doze anos no Japão, especialmente no aprendizado do japonês.

"As coisas acontecem por uma razão. “A vida prepara você”, diz ele.

Trabalhar abriu seus olhos para uma nova realidade. Masaki percebeu que “dinheiro não é fácil”. “Isso me fez amadurecer um pouco”, diz ele.

O então jovem de vinte e poucos anos resistiu às tentações do seu ambiente e da sua idade: carros novos, festas, vivendo a vida como se não houvesse futuro além do fim de semana.

Não se enclausurou, mas também não descarrilou. Ele sabia como salvar. Além de enviar dinheiro para sua família no Peru, ele arrecadou dinheiro para seus estudos em Lima. (paralisado temporariamente: havia estudado dois anos de faculdade e faltavam mais dois).

Masaki estava relacionado aos ambientes japonês e peruano. Curiosamente, apesar de ter sofrido ijime nos dois países, conseguiu se sentir confortável em ambos.

Ele ficou no Japão por três anos.


SEUS DOIS PAIS

Masaki diferencia claramente suas duas etapas no Japão.

No primeiro, ainda criança, o sistema japonês formou-o com disciplina, ordem e limpeza, entre outros valores. É o que ele chama de “base”. O Japão deu-lhe as bases.

Na segunda, ele aprendeu “o valor do trabalho”. Se manteve a determinação de poupar para concluir os estudos de design gráfico (em vez de desperdiçar dinheiro), foi graças à disciplina que lhe foi incutida quando criança no Japão.

Trabalho com o qual participou do Salão de Arte Jovem Nikkei. (Fotos: arquivo pessoal)

Por isso agradece continuamente a formação que o Japão lhe proporcionou e que aplica até hoje na sua vida pessoal e profissional. Claro que com equilíbrio, palavra que ele menciona diversas vezes ao longo da entrevista. É fundamental em sua vida. Para ele significa não ir a extremos e tentar abraçar o melhor de ambas as culturas.

Equilíbrio significa, por exemplo, ser pontual e ordeiro, como os japoneses, mas não se prender à rigidez hierárquica que os caracteriza, mas sim gerir com flexibilidade como os peruanos.

Agora, apesar de tudo o que o Japão lhe deu, Masaki deixa claro que se sente “puramente peruano”.

O Japão, diz ele, é o pai dos genes, das raízes, o progenitor íntegro, enquanto o Peru é o pai dos afetos, do florescimento como ser humano.

No Peru ele desfruta de uma “ligação afetiva” ausente no Japão.

“Lá eles te abraçam com as pessoas certas. Por outro lado, aqui é um abraço, um beijo. Aprendi a me abrir para os comportamentos que gosto. Gosto de ser carinhoso. Finalmente, isso é ser humano, não somos tão robôs como lá. Lá (eles são) muito robóticos, muito distantes. É por isso que tenho esse equilíbrio.”

© 2023 Enrique Higa

dekasegi trabalhadores estrangeiros gerações identidade Japão Masaki Gaja migração Nikkeis no Japão Peru Sansei futebol (soccer) esportes
About the Author

Enrique Higa é peruano sansei (da terceira geração, ou neto de japoneses), jornalista e correspondente em Lima da International Press, semanário publicado em espanhol no Japão.

Atualizado em agosto de 2009

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Discover Nikkei brandmark Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVA CONTA DE MÍDIA SOCIAL
Estamos no Instagram!
Siga-nos @descubranikkei para novos conteúdos do site, anúncios de programas e muito mais!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!