Descubra Nikkei

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2024/2/12/presidente-de-la-apj/

Presidente da Associação Peruano-Japonesa em um ano para história

2024 será um grande ano para a comunidade Nikkei no Peru porque comemora o 125º aniversário da imigração japonesa no país.

Mas antes de chegar lá, vale a pena parar um pouco em 2023, cujos ecos ainda podem ser ouvidos, um ano especial para a instituição governante do Nikkei Peruano, a Associação Japonesa Peruana (APJ).

Seu presidente, Juan Carlos Nakasone, relembra para compartilhar suas memórias e impressões sobre um período repleto de experiências para enquadrar.

VISITA REAL

Em 2023, o Peru e o Japão celebraram 150 anos de relações diplomáticas. Ambos os governos foram responsáveis ​​pelos eventos comemorativos, contando com o apoio da APJ sempre que esta foi convocada.

Seu presidente lembra com carinho a visita ao Peru, em novembro, da princesa Kako, filha do príncipe herdeiro Fumihito, para participar de atividades relacionadas ao aniversário.

“Foi uma bela surpresa”, afirma, aludindo ao facto de a sua presença no país ter sido confirmada à última hora.

Na sua agenda lotada, que incluiu um encontro com o presidente do Peru, a comunidade Nikkei ocupou um espaço relevante.

A princesa visitou o Centro Cultural Japonês Peruano (CCPJ), onde interagiu com líderes nikkeis e teve um agradável intercâmbio com Issei Kamado Arakaki, de 104 anos. Kako agachou-se para facilitar a comunicação com a obaachan e ela – com as mãos entrelaçadas com as da jovem – contou-lhe em linhas gerais sobre a sua vida como imigrante.

  La comunidad nikkei agasaja a la princesa Kako durante su visita a Perú. Fotos: Asociación Peruano Japonesa.

Kako também plantou um pinheiro no jardim do CCPJ, mantendo uma tradição que foi inaugurada pelos então príncipes herdeiros Akihito e Michiko (seus avós) em 1967, ano de inauguração do centro cultural, e que foi continuada várias décadas depois pelos seus pais e sua irmã, Mako.

A Ponte da Amizade Peruano-Japonesa é uma parada inevitável quando se trata de lembrar ou homenagear os imigrantes japoneses (tem inscritos os nomes dos 790 Issei com quem a história da comunidade começou em 1899) e a princesa também a visitou, deixando um floral oferecendo como testemunho de sua presença.

Na verdade, Juan Carlos Nakasone já conhecia a princesa. Seu primeiro encontro com ela foi em outubro, quando liderou uma delegação da APJ que viajou ao Japão para receber, em nome da instituição, o prêmio Japan Foundation, outro grande evento que marcou seu mandato.


PRÊMIO EM TÓQUIO

Uma combinação de “prazer, surpresa e orgulho” fez com que a APJ – explica o seu principal executivo – recebesse o prémio da Fundação Japão por méritos como a divulgação da língua japonesa no Peru, a transmissão e promoção da cultura japonesa, os seus serviços de saúde, suas atividades sociais e sua contribuição para o fortalecimento das relações entre os dois países.

Juan Carlos Nakasone (tercero desde la derecha) recibe el premio de la Fundación Japón. En la foto aparecen la ministra de Asuntos Exteriores de Japón, Yoko Kamikawa, y la escritora Yoko Ogawa, también galardonada. Fotos: Asociación Peruano Japonesa.        

A Fundação Japão também reconheceu o trabalho editorial da APJ, materializado, para citar um caso, na primeira tradução direta do japonês para o espanhol da obra clássica The Tale of Genji , obra que tem sido procurada por outros países, incluindo Espanha .

Quando uma instituição recebe uma distinção, quem costuma aparecer nas fotos e usar as medalhas são os diretores. No caso da APJ, porém, um grupo de trabalhadores com muitos anos de experiência na instituição e plenamente identificados com ela foi mobilizado ao Japão para que também pudessem receber aplausos.

Juan Carlos Nakasone sempre os pondera. São “aqueles que se posicionam e oferecem os serviços que a instituição presta à comunidade em geral, nas áreas cultural, educacional, assistencial e sanitária”.

Durante sua estada no Japão, o presidente da APJ ofereceu uma conferência sobre a instituição e a história da imigração japonesa no Peru.

Entre o público ouvinte estava uma convidada ilustre, que estava incógnita numa sala contígua: a Princesa Kako.

A delegação peruana foi informada da sua presença, bem como do seu interesse em cumprimentar os membros da instituição.

"Ela se mostrou uma pessoa bastante jovial, simples. Estendeu a mão para todos nós, embora já nos tivessem dito que deveríamos guardar a saudação e apenas fazer a reverência, mas ela tomou a iniciativa e - com muito prazer - nós todos estenderam a mão para ela.” “Estendemos a mão”, lembra o presidente.

Kako cumprimentou cada membro da APJ, um por um, e perguntou sobre a tarefa que estavam realizando. Ele ficou surpreso ao saber que um deles, Justino Páucar, coordenador de eventos, trabalha na instituição há 47 anos.

Ele perguntou a Juan Carlos Nakasone sobre seu avô. Prestando atenção à sua apresentação, a princesa soube que seu ojiichan também presidiu a APJ quando esta se chamava Sociedade Central Japonesa.


VIAJAR PARA O JAPÃO PARA ATRAIR JOVENS

Outro fato de sua gestão a destacar foi a revelação de que a população Nikkei no Peru é muito maior do que o estimado. Graças a um acordo com o órgão público encarregado de identificar todos os peruanos, soube-se que no país existem cerca de 200 mil pessoas com ancestrais japoneses.

Existem pelo menos seis gerações de Nikkei.

Esta diversidade geracional implica, na opinião do presidente da APJ, um desafio.

“Nós Sansei ainda carregamos a cultura recebida dos Ojiichan, mas os Yonsei não tiveram, não usufruíram da transferência direta dos Issei”, alerta.

“É o sansei quem transmite a bagagem recebida, mas não é a totalidade, então estamos perdendo um pouco da identidade original e estamos nos identificando mais com a (identidade) nacional, onde convivemos e fazemos o nosso dia a dia, " ele adiciona.

“A ideia é justamente, na medida do possível, poder transferir o máximo da bagagem cultural que se recebe. Sempre disse que os Issei são luminares que nos transmitiram a sua cultura... E essa cultura até mudou em relação ao Japão, eles nem a vivem mais, mas nós continuamos a transmiti-la."

Aqui, o sansei, rindo, dá como exemplo o uso de palavras que os imigrantes japoneses passaram aos seus descendentes, como “obenyo” (banho), que não são mais usadas no Japão atual.

Na embaixada japonesa, diz ele, eles ficam surpresos ao saber que os nikkeis mantêm antigas expressões ou costumes japoneses que desapareceram no próprio Japão.

Em relação ao exposto, o presidente da APJ partilha uma experiência única que viveu em Okinawa, terra dos seus antepassados, em 2023.

Juan Carlos Nakasone foi recebido por funcionários da prefeitura do sul, liderados pelo vice-governador de Okinawa.

No meio da reunião, ele lhes disse que a comunidade Uchinanchu peruana precisava de “conselheiros espirituais” (yuta) para orientar seus membros sobre como realizar adequadamente o butsudan, já que aqueles que ela havia morrido.

No início, lembra ele, os okinawanos aceitaram seu pedido “de brincadeira”, mas depois refletiram e aceitaram.

A anedota serve para mostrar como existem nikkeis no Peru que mantêm com devoção as tradições herdadas de seus antepassados.

Voltando aos jovens, Juan Carlos Nakasone insiste na necessidade de fortalecer a Nikkeidad nas novas gerações, objetivo que exige um esforço constante para atraí-los para a vida comunitária.

Ele dá como exemplo a própria filha, a quem sempre procura persuadir a participar das atividades institucionais nikkeis.

O presidente da APJ está convencido de que uma forma eficaz de captar o interesse dos jovens é viajarem para o Japão.

Ela vivenciou isso em primeira mão com a filha, que teve a oportunidade de conhecer o Japão e se apaixonou pelo país, a ponto de expressar que gostaria de morar lá.

O Japão, diz ele, deve relaxar as restrições fronteiriças para facilitar a visita dos peruanos ao seu território; É um assunto que ele sempre levanta quando se reúne com funcionários da embaixada japonesa.

“Precisamos que nossos jovens possam ir para Nihon. É uma forma importante de eles adquirirem raízes, reconhecerem sua descendência e se identificarem”, afirma.

Os seus mais de 20 anos na APJ em todos os seus níveis permitem-lhe afirmar com certeza que isto funciona: “Sou testemunha e atesto que os jovens quando vão ao Japão identificam-se plenamente com os seus descendentes”.

“Acho que a contribuição do Japão para as comunidades Nikkei no exterior é tornar mais fácil para os membros da nossa comunidade visitarem o Japão, identificarem-se, terem uma experiência, para que isso continue a fluir dentro das nossas comunidades, porque tem que haver um ponto de partida de identificação. Não temos mais o issei, não temos mais o obaachan. Nossa contribuição para a transferência cultural poderá ser aprofundada com a visita das crianças ao Japão”, enfatiza.

Delegación de la APJ que viajó a Japón para recibir el premio de la Fundación Japón. Fotos: Asociación Peruano Japonesa.  


OJIICHAN E OBAACHAN EM LEMBRANÇA

O ano do 150º aniversário foi seguido pelo 125º aniversário da imigração japonesa, uma ocasião como o grafite para lembrar os Issei.

O presidente da APJ não pôde conhecer o avô materno, mas conseguiu conhecer o avô paterno, que era presidente da Sociedade Central Japonesa. “Como todos os japoneses, duro, até ditatorial, mas todos lhe prestavam respeito, ninguém questionava suas ordens”, afirma.

Com seu ojiichan ele aprendeu o valor do trabalho. Os Nakasone tinham um bazar no centro de Lima, no primeiro andar de um prédio que funcionava como residência no segundo andar.

“Trabalhávamos de manhã, de tarde e de noite”, lembra. Graças a esse trabalho ele conseguiu financiar seus estudos universitários

Foi também o seu avô quem lhe incutiu a vocação para o serviço, o apego às instituições Nikkei. Jovem, com carteira de motorista nova, tornou-se motorista de seu ojiichan. Levei-o ao Centro Cultural Japonês Peruano para as atividades da Sociedade Central Japonesa, esperei por ele enquanto elas aconteciam e levei-o de volta para casa quando terminaram. Assim, aos poucos, começou a se familiarizar com a instituição.

Por outro lado, ele lembra do seu obaachan como “um pão de Deus”, com muito carinho. “Eu era Chonan, então acho que fui o arrogante”, ele ri.

“Sinto falta dos pratos okiwaneses que ele preparava, do ashitibichi, dos picles de daikon...”, lembra ele.

Sua avó tocava shamisen, instrumento que ele guarda, assim como seu ralador de daikon, seus tesouros pessoais.

Falar sobre seus avós – que se comunicavam em Nihongo e Uchinaguchi – ressuscita uma memória com a qual muitos nikkeis se identificarão:

“Antigamente em Lima era costume fechar negócios e fazer hirune. Como morávamos no segundo andar, todos os funcionários se reuniram e almoçamos juntos, lembro que à uma hora, acho, ligaram o rádio para ouvir a Rádio Inca e principalmente o obituário, para ver quem morreu. Apesar de o Peru Shimpo ter sido recebido, era tradição ligar a rádio, ouvir música e depois as mortes", recorda, aludindo a um programa de rádio onde era transmitida música japonesa, eram fornecidas informações sobre as atividades da comunidade e, como um ponto culminante, as pessoas que morreram.

Os obituários sempre foram importantes para os nikkeis, que até hoje mantêm o costume de levar envelopes com dinheiro para os funerais.


EPÍLOGO

Na reta final de seu mandato, Juan Carlos Nakasone diz que não imaginava que lideraria a APJ: “Sou sincero com vocês, não pensei em presidir a instituição porque, como dizem, nem todo mundo se torna general . Mas a oportunidade, o espaço, foi dado e, sem querer, tive que presidir a instituição em atividades comemorativas bastante importantes.”

Tem sido “um orgulho familiar e pessoal”, acrescenta. Último ponto para uma gestão que se despede após um ano histórico.

© 2024 Enrique Higa Sakuda

aniversários imigração Japão Associação Peruana Japonesa Peruanos japoneses Juan Carlos Nakasone Peru
About the Author

Enrique Higa é peruano sansei (da terceira geração, ou neto de japoneses), jornalista e correspondente em Lima da International Press, semanário publicado em espanhol no Japão.

Atualizado em agosto de 2009

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!