Discover Nikkei Logo

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2024/4/18/nikkei-uncovered-89/

Esperando por um arco-íris

Estamos muito felizes em apresentar novamente o Dr. Curtiss Takada Rooks nesta edição de primavera da coluna de poesia Nikkei Uncovered. Professor e criativo baseado em Los Angeles, Dr. Takada Rooks nos oferece duas peças maravilhosas e pessoais de memória, homenagem e esperança - convidando-nos a relembrar as canções de nossas famílias, aprender as de outra pessoa e nos apoiar no amor que às vezes é oferecido a nós por um simples e histórico amassamento de massa. Aproveitar...

—traci kato-kiriyama

* * * * *

Curtiss Takada Rooks é Coordenador do Programa de Estudos Asiático-Pacífico-Americanos e Professor Assistente na Loyola Marymount University, cuja pesquisa aborda comunidades e identidades étnicas e multirraciais. Ele também atua no Conselho de Diretores do Conselho do Japão dos EUA, no Conselho de Diretores da US Japan Bridging Foundation, na Sociedade Japonesa do Sul da Califórnia, no Conselho de Governadores e é membro da Igreja Metodista Unida Nipo-Americana de West Los Angeles e do Budista Adulto do Templo Senshin. Associação (SABA).

 

Esperando por um arco-íris

Justo quando parece que o Sol não vai mais brilhar
Deus colocou um arco-íris no céu

Justo quando parece que o Sol não vai mais brilhar
Deus colocou um arco-íris no céu

Enquanto canto este Espiritual…

não sei o nome da música
Ou, mesmo que existam outros versus
Nunca vi as notas ou palavras em uma página…

No entanto, estas linhas melódicas vivem cantadas na minha mente, vivem nas minhas cordas vocais…
Eu os ouvi pela primeira vez quando Maya Angelou usou essa música para abrir um discurso principal
Usá-lo como prelúdio para uma mensagem de resiliência, de esperança…

E, então eu peço emprestado... quando solicitado a falar...

Abro minha boca. Alcance tons profundos de barítono…
Esforçando-se por uma riqueza tão brilhante quanto as cores extraídas da umidade do ar
Assim como a energia do sol, sua luz busca a expressão da beleza que está por vir.

Hoje eu canto para mim mesmo. Sem audiência. Nenhuma sala de aula de estudante, nenhuma congregação da igreja.

Mas, a esperança me escapa…
Sem raios de luz, sem cores…

Hoje, hoje está escuro
Roubado da descoberta de alegrias
Perdido na inocência roubada da infância…
Meu corpo traído pelo trauma. Preso ontem.
Dor lancinante incorporada em cada respiração…
Gritando, gritando, gritando…
Eu grito, SAIA!!!

Amanhã, amanhã cantarei…
Inspire o hoje de amanhã…
Esperando que a chuva pare,
Esperando que as nuvens se separem,
Esperando por um arco-íris….

*Este poema é protegido por direitos autorais de Curtiss Takada Rooks (2024)

 

Mãos da vovó

Não tenho certeza do que me acordou enquanto eu limpava o sono dos meus olhos.

Talvez fosse o som distante da lenha crepitando na lareira. Ou talvez os rangidos de uma velha casa de madeira ganhando vida ao receber o sol quente da manhã. Ou talvez apenas o arrastar dos lençóis enquanto meu irmão mais velho, Tami, rolava na cama e mergulhava mais profundamente em seus sonhos.

Talvez. Talvez fosse hora de eu acordar e meu corpo obedecer.

De alguma forma, o frio matinal em nosso quarto, aquele que eu compartilhava com meu irmão, me cumprimentou gentilmente, em vez do habitual tapinha nas costas.

Silenciosamente, saio da cama e coloco as cobertas de volta no lugar. Cuidado para não fazer muito barulho. Na ponta dos pés, chinelos na mão, entro no corredor, afastando-me o suficiente para que, quando os coloco, o som das solas arrastando no chão de madeira não incomode ninguém.

Quando levanto a cabeça, o cheiro dos biscoitos da vovó assando me envolve como o abraço dos cobertores que acabei de deixar. Atraída pela cozinha, paro para olhar para a sala de estar. Vovô está sentado em sua cadeira de balanço conversando baixinho com nosso cachorro Rusty, enquanto eles traçam seus planos para o dia. O brilho da lareira dança em seu rosto enquanto grandes olhos castanhos olham para cima obedientemente para não perder uma palavra.

O cheiro robusto do café em sua mão combina com o dos biscoitos, entrelaçando-se em uma harmonia perfumada provocando meu longo cochilo noturno com o estômago vazio, enquanto o ritmo dos sons da cozinha ancorados pelo cantarolar suave de um hino do coral dominical me puxa para mais perto. A voz grave da vovó é um canto de sereia de abraço reconfortante.

Espiando pelo canto da porta da cozinha. Eu assisto. Quieto. Audição. Aprendizado.

Vovó inicia um segundo lote. Sobre o balcão, o pote de farinha descansava tendo cumprido sua missão. O fermento em pó estava pronto, acompanhado de sal e açúcar. Manteiga e leite aguardam seu chamado. Na tigela. Cada um por sua vez.

De onde estou, as mãos da vovó desaparecem na tigela. Virando-se, ela me vê. Me acena com um aceno de cabeça.

Eu aceno de volta.

Rapidamente, subo no banco da cozinha bem a tempo de ver suas mãos quentes e marrom-escuras amassarem firmemente a manteiga na mistura seca, sua brancura se fundindo com ela, criando uma massa a partir do pó. Parando brevemente para limpar a testa com as costas do braço, a vovó se aproxima e pega um pedaço de massa, enrolando-o nas mãos.

Um por um os biscoitos aparecem. Formas ovais lindamente moldadas, nem muito grandes, nem muito pequenas. Não muito gordo. Não muito plano. Passado de sua mãe e da mãe de sua mãe. Legados aperfeiçoados todas as manhãs – monumentos moldados de suas vidas esculpidos em cada linha, cada fenda de suas mãos. Cada biscoito formado está ligado ao anterior, mas único para o momento. Esperando que eu chegue a minha vez.

Recém saído do forno, o aroma me provoca, convidando-me para a mesa do café da manhã. O mel clama pela suavidade branca e escamosa envolta em crostas marrons douradas adornadas por cristas e rachaduras. Perfeito, imperfeição. De triunfo e luta. De lágrimas e dor. Da vida e do amor. De lições aprendidas e ainda a serem aprendidas.

Olhando para a mesa diante de mim, vejo gravadas nas sombras douradas linhas de vida de gerações e gerações, nutrindo cada uma delas.

* Este poema é protegido por direitos autorais de Curtiss Takada Rooks (2022).

 

© 2024/2022 Curtiss Takada Rooks

famílias literatura poemas poesia
Sobre esta série

Nikkei a Descoberto: uma coluna de poesia é um espaço para a comunidade Nikkei compartilhar histórias através de diversos textos sobre cultura, história e experiências pessoais. A coluna conta com uma ampla variedade de formas poéticas e assuntos com temas que incluem história, raízes, identidade; história - passado no presente; comida como ritual, celebração e legado; ritual e suposições da tradição; lugar, localização e comunidade; e amor.

Convidamos a autora, artista e poeta Traci Kato-Kiriyama para ser curadora dessa coluna mensal de poesia, na qual publicaremos um ou dois poetas na terceira quinta-feira de cada mês - de escritores experientes ou jovens, novos na poesia, a autores publicados de todo o país. Esperamos revelar uma rede de vozes relacionadas por meio de inúmeras diferenças e experiências conectadas.

 

Mais informações
About the Authors

Curtiss Takada Rooks é Coordenador do Programa de Estudos Asiático-Pacífico-Americanos e Professor Assistente na Loyola Marymount University, cuja pesquisa aborda comunidades e identidades étnicas e multirraciais. Ele também atua no Conselho de Diretores do Conselho dos EUA-Japão, no Conselho de Diretores da US Japan Bridging Foundation, na Sociedade Japonesa do Sul da Califórnia, no Conselho de Governadores e é membro da Igreja Metodista Unida Nipo-Americana de West Los Angeles e do Templo Budista Adulto Senshin. Associação (SABA).

Atualizado em abril de 2024


Traci Kato-Kiriyama é uma artista, atriz, escritora, autora, educadora e organizadora de arte + comunidade, que divide o tempo e o espaço em seu corpo com base em gratidão, inspirada pela audácia e completamente insana - muitas vezes de uma só vez. Ela investiu apaixonadamente em vários projetos que incluem o Pull Project (PULL: Tales of Obsession); Generations Of War [Gerações de Guerra]; The Nikkei Network for Gender and Sexual Positivity [Rede Nikkei para Gênero e Positividade Sexual] (título em constante evolução); Kizuna; Budokan of LA; e é a diretora/co-fundadora do Projeto Tuesday Night e co-curadora de seu emblemático “Tuesday Night Cafe”. Ela está trabalhando em um segundo livro de escrita/poesia em sintonia com a sobrevivência, previsto para publicação no próximo ano pela Writ Large Press.

Atualizado em agosto de 2013

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Discover Nikkei brandmark Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!