Discover Nikkei Logo

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2024/5/3/reiko-nakano/

Explorando joias Washi com Reiko Nakano

Janeiro de 1993 – Nakano vendendo algumas de suas joias caseiras.

Ouvi falar de washi pela primeira vez quando era criança, em uma loja de artesanato, comprando rolos do que era anunciado como fita adesiva “washi” para decorar meu caderno escolar. Só depois de entrevistar a joalheira e professora de washi Reiko Nakano para o Descubra Nikkei é que aprendi sobre o papel washi real e tradicional e como ele é usado para fazer todos os tipos de lindas criações.

Um dos colares washi exclusivos de Nakano.

Nakano fabrica colares e outras joias com washi, produzindo criações tradicionais e únicas. Recentemente, ela ministrou um workshop no Museu Nacional Japonês Americano (JANM) em Los Angeles, compartilhando o dom de criar joias washi com outras pessoas.

Falei com ela sobre o que a levou à paixão pelas joias washi e sobre sua jornada até o washi. Descobri que através do washi podemos vivenciar a beleza, a tradição e a criatividade, ao mesmo tempo que honramos suas raízes na cultura tradicional japonesa.

Embora existam muitas pessoas que fazem joias washi caseiras, os produtos da Nakano apresentam um nível excepcional de qualidade, usando papel washi autêntico entregue diretamente do Japão. O papel Washi vem em muitas cores e designs, muitos deles inspirados na natureza, como padrões florais detalhados ou o distinto guindaste japonês. O washi é colorido, mas não muito. Em vez disso, eles dão uma sensação um tanto vintage com sua paleta de cores naturais e ligeiramente suaves.

Noções básicas de Washi

Então, o que exatamente é washi? Nakano explica que se trata de um papel especial originado no Japão. Wa significa “japonês” e shi significa “papel”. Embora o próprio papel tenha sido introduzido no Japão há mais de mil anos, a fabricação de papel foi adaptada pelos japoneses para produzir washi, que continuou a ser produzido geração após geração.

Washi é diferente de outros tipos de papel, pois é tradicionalmente feito de materiais como bambu, amoreira, glicínia e cânhamo. Também é extremamente durável, capaz de durar centenas de anos. Sua superfície lisa também é adequada para colocar belos desenhos. Embora o washi venha do Japão e estivesse disponível há muito tempo apenas lá, agora ele se tornou popular em outros lugares do mundo.

Para fazer papel washi, as fibras dos materiais vegetais são coletadas e embebidas na água do rio. O melhor papel é produzido nos meses frios do inverno, quando a água é mais pura devido às temperaturas mais baixas serem menos adequadas para bactérias que podem afetar as fibras. A polpa resultante é então espalhada em uma tela para formar um papel washi forte e durável.

Viagem para Washi

Nakano explicou que sua jornada para fazer joias washi, na verdade, teve suas raízes no trabalho primeiro com argila fimo. Depois de se aposentar de sua carreira como professora de estudos sociais, ela começou a dar aulas de artesanato à tarde em uma casa de repouso nipo-americana, bem como em uma igreja e em algumas escolas primárias.

Ela descobriu que a argila fimo pode ser usada para fazer lindas joias, incluindo colares elegantes. A casa de repouso até pediu a Nakano que desse um colar ao casal real japonês, o Imperador Akihito e a Imperatriz Michiko, que o visitou em junho de 1994. Nakano descreveu a experiência como “uma grande honra” e destacou como cada aluno fez uma conta que compôs o colar querido.

Junho de 1994 – Imperador Akihito e Imperatriz Michiko no lar de idosos japonês onde Nakano ensinou fabricação de joias e apresentou um colar feito à mão de fimo.

O uso do washi por Nakano disparou quando seus parentes começaram a enviar-lhe uma variedade de papéis tradicionais, em cores que variavam do amarelo ao preto. Com todo esse washi acumulado, ela decidiu trocar as joias fimo pelas joias washi, sendo esta última feita com contas de madeira cobertas com papel washi ornamentado. “Só posso dar esta aula por causa do meu suprimento de washi”, observa Nakano, expressando gratidão pelo generoso suprimento de washi de seus parentes.

País das Maravilhas Washi

A partir de então, diz Nakano, olhando para trás, ela decidiu naquele momento que “vou estabelecer meus próprios padrões, minhas próprias regras”. Para criar as joias, o artista pode aplicar pedaços retangulares de washi em contas de madeira de diferentes formatos e tamanhos. Nakano diz que os alunos podem escolher seus próprios washi e miçangas. Depois de cobertas as contas, elas são lacadas com algumas camadas para dar um acabamento liso, revelando uma joia autêntica e de qualidade.

O principal projeto que Nakano ensina a seus alunos é um colar washi. Cada um que um aluno faz é único e varia em tamanho e cor. Embora um colar seja o projeto principal, os alunos também podem fazer outras peças de joalheria, como pulseiras. Com infinitas cores e designs para escolher, as aulas de Nakano são como um país das maravilhas do washi. “Com muito pouco esforço, cada projeto que meus alunos fazem, seja um colar ou uma pulseira, [...] vai ser original porque eles têm uma seleção de papéis washi variados”, explica Nakano.

Otimismo e Apreciação

As criações washi de Nakano e de seus alunos me lembram o valor de compartilhar tradições artísticas entre gerações. O distinto estilo japonês do washi é uma conexão reconfortante com uma bela cultura com uma história única e abundante. Compartilhar práticas de washi com jovens e idosos é, portanto, uma maneira maravilhosa de dar continuidade às tradições e cultura japonesas.

Nakano quando criança com sua família no campo de internamento da Segunda Guerra Mundial em Heart Mountain, Wyoming.

Além das joias washi, também aprendi muito sobre Nakano e histórias de sua vida. Para Nakano, uma experiência particularmente formativa foi ser enviada para o campo de encarceramento de Heart Mountain, no Wyoming, durante a Segunda Guerra Mundial, junto com o resto de sua família, por volta dos quatro ou cinco anos de idade. Ela mencionou como seu pai foi levado para uma instalação diferente.

Em meio às circunstâncias, a família de Nakano permaneceu estóica e aceitou a forma como as coisas aconteceram para eles, resultantes da desconfiança dos nipo-americanos durante a guerra. “Como a maioria dos pais, eles não falavam sobre a guerra”, diz ela. “Eles não reclamaram do que estava acontecendo com eles no acampamento. Eles eram resilientes.” Esta resiliência foi generalizada em todos os campos, reflectindo uma força tão forte como as fibras duráveis ​​do washi com 100 anos de idade.

De sua própria perspectiva quando criança, ela se lembra de não ter consciência do que realmente estava acontecendo, concentrando-se, em vez disso, na beleza da paisagem de Heart Mountain, onde mais tarde a visitou quando adulta. “Para uma criança, como eu era, olhando para Heart Mountain… era tão lindo”, diz Nakano.

Esta perspectiva positiva destacou-se para mim, pois sempre imaginei a experiência do encarceramento durante a guerra como nada mais que uma provação dura e desagradável. Depois de conversar mais com Nakano, ficou claro que ela carregou essa natureza otimista e apreciativa ao longo de sua vida. Essa sensação de alegria e admiração se traduz profundamente em suas joias washi, refletindo seu lema positivo: “Aproveite ao máximo quem você é e apenas aproveite a vida”.

* * * * *

Workshop de dois dias: Maravilhoso Mundo de Washi com Reiko Nakano

Sábado, 22 e 29 de junho de 2024
Museu Nacional Nipo-Americano

Explore o maravilhoso mundo do washi neste workshop em duas partes. Aprenda a cobrir uma variedade de contas de madeira com delicado washi (papel tradicional japonês) e a criar joias originais, organizando-as em arame ao lado de contas comerciais. Traga vontade de aprender e saia com um colar deslumbrante e original para usar ou presentear.

Para mais informações >>

 

 

©2024 Emily Hood

Heart Mountain Campo de concentração Heart Mountain papel japonês joias Reiko Nakano Estados Unidos da América washi Campos de concentração da Segunda Guerra Mundial Wyoming
About the Author

Emily Hood, nascida e criada em San Diego, está atualmente cursando seu bacharelado em ciências políticas pela UC Berkeley. Ela é ex-aluna do programa de empreendedorismo da universidade, Fung Fellowship, na área Conservation + Tech. Ela também trabalhou como estagiária na organização sem fins lucrativos Citizens Take Action, onde contribuiu para a criação de um Boletim do governo local analisando as leis de financiamento de campanhas das cidades. Emily é meio japonesa e gosta de fazer boba caseiro, abraçar seu cachorro e assistir comédia stand-up.

Atualizado em janeiro de 2024

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Discover Nikkei brandmark Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!