Descubra Nikkei

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2022/12/1/9349/

A maneira de jogar

Grupo Maçom (da esquerda): Genaro Yagui, Juan Uchima, José Akaogui, Miguel Hosaka, Alberto Nakaya, Teruo Okuma, Luis Iguchi, Daniel Kuriyama, Carlos Yamanija, Luis Miyagui, Manuel Tomioka, Carlos Saito e Alex Yamamoto

Os anos são o que prolongam o nosso dia a dia e nos ensinam a continuar lutando no caminho da esperança. E no que vale a pena mencionar por termos no passado aquele vício que esbanja qualquer preocupação da vida que passa e deixa rastros no nosso dia a dia: o esporte.

Estar no caminho dos oitenta anos é uma forma mágica de contemplar a nossa existência. De querer fazer a mesma inquietação da nossa juventude e contemplar que, além da nossa espera, vale a pena continuar a jogar a vida.

Nosso querido estádio AELU nos mostra que a preocupação das pessoas nada tem a ver com a idade. Somos figuras que interagem com os mais pequenos e pensamos que os jovens têm o mesmo dever de aprender que nós, quando interagimos com os nossos antepassados ​​e nos confundimos com a idade em que lutaram pelas suas vidas e pelos seus sonhos.

Mencionar que um velho “seja qual for o nome” distrai sua raquete para acertá-la é o passo dado de uma década para outra. É contemplar a diferença que ao longo dos anos a mesma vontade nos faz sentir no sentimento dos nossos dias que passam. É atenuar o sonho de um esquecimento que nos cobre e voltar à esperança quando uma lembrança nos enche de alegria e nos mergulha na nostalgia.

Eles nos dizem para ter “cuidado”, mas o credo da primeira saraivada nos tenta a finalizar o ponto. E é aí que a vontade se torna um capricho e prolonga a sensação de quase queda. Inventamos o céu e contemplamos a esperança. Alguém tropeçou e caiu de cara no chão. A bola ficou parada perto da rede. E o fluxo das nossas emoções é sentir o que foi dito que o nosso tem no final de uma pausa a letargia de uma memória que gravita num campo avermelhado.

Sem dúvida, nem todos nós vivenciamos a sensação da idade da mesma forma. Talvez o mesmo jogo, a mesma necessidade possa ser diferente. E o tropeço, é aí que a queda nos faz sentir, o quanto o tempo se torna pesado no caminho da vida. E dizemos a nós mesmos “sejamos pacientes, amanhã estaremos de volta”.

No futebol notei que o campo 2, às terças e quintas, fica lotado de jogadores veteranos. “As pessoas da manhã.” Invejados por muitos no sentimento do jogo, sabemos que o lema é chutar a bola como ela vier no capricho do seu caminho. Nove às nove, onze às onze, quinze às quinze ou vinte às vinte. O número de jogadores em quadra não importa. Will é o começo do jogo e do relaxamento. E notei com alegre surpresa que a trajetória da bola é aquela que vai de jogador a jogador e o objetivo é a vitória de uma bola bem viajada.

Quem se sentir mal amanhã, talvez tenha sido por causa da tourada que fez com ela. Estes são os anos em que a gravitação das pernas nos diz que devido à nossa idade devemos desenhá-las bem na caminhada diária e no final de um jogo. No final de cada jogo sentimos que o sabor do jogo nos reaviva com fé e esperança e nos diz que amanhã será sempre o dia que esperávamos.

Hoje a vontade nos acompanha em todas as jornadas da nossa vida. Temos como lema “trabalhar” naquilo que gostamos. Não fazer nada equilibra a nossa vida na cama e isso nos causa o desprazer do tédio. Só pensamos que ao acordarmos todas as manhãs, os amigos estarão à nossa espera e o percurso da nossa querida AELU estará no traçado que os nossos antepassados ​​​​nos deixaram.

O encontro será sempre a pressão do tempo, seja pelo nosso caráter ou porque talvez o esquecimento esteja nos vencendo. E todas as quartas e sextas-feiras “Os pedreiros” no horário determinado vão procurar o motivo para voltar ao seu esporte preferido. Não veremos mais partidas completas nem sentiremos que o placar está chegando ao terceiro set.

Simplesmente pegamos na raquete, encaçapamos as bolas, formamos os nossos pares, sacamos, gravitamos em torno do jogo, tentamos devolver a bola e, entre a distância e o jogo, percebemos que por um bocadinho o ponto estava nosso lado.

Numa quarta-feira de junho, as quadras 1 e 2 estavam lotadas de jogadores veteranos. Oito casais representaram a sensação de retorno ao passado. Miguel Hosaka e Teruo Okuma, Alberto Nakaya e Daniel Kuriyama, José Akaogui e Genaro Yagui, Carlitos Yamanija e Luis Iguchi. Tentados por um passado cheio de emoções, cada um gravitou em torno da forma do seu jogo e do teor do seu físico. A contagem chegou a dez e foi o fim da partida. A mudança foi repentina e o intervalo gravitava a cada dez minutos no banco principal. Um por um, a esperança de voltar ao nosso jogo nos fez ver que a tentação dos anos era reviver o nosso físico atual.

Nas primeiras horas da manhã, a quadra nº 3 tem seus inquilinos preferidos. A tentação de caminhar cedo e jogar em velocidade partilhada mostra-nos que a sua condição física é melhor que a do grupo anterior. Alejandro Chinen, Luis Miyagui, Enrique “Koe” Oyakawa e Juan Siu levam o bolo em todas as partidas programadas. A neblina muitas vezes os acolhe em sua caminhada matinal. E a razão de chegarem cedo é a recompensa de muitas vezes terem duas simpáticas garotinhas. Tomi Nakahodo de Robles e Jeannette Shimidzu.

E então veio o “almoço mensal”. Quem foi tentado pelo santo foi Carlitos Hayashida, o jogador mais velho em atividade, com 87 anos e presente no Campeonato de Tênis da AELU. Carlitos sente que seu físico é respeitável e, por isso, faz disso uma partida de campeonato. É olhar vinte anos para trás e dizer com a franqueza dos anos “que o tempo passou mas a virtude de jogar não acaba comigo”.

O bolo e o dono do santo: Carlitos Hayashida, Luis Miyagui, Daiel Kuriyama e Carlos Yamanija.

A mesa acomodava 18 pessoas entre tenistas ativos e passivos. O encanto dos vinhos fez refletir uma vida sempre “a amizade que cobre o sentimento das nossas vidas”. Juan Uchima, Alberto Nakaya, Miguel Hosaka, Daniel Kuriyama, Carlos Saito, Luis Miyagui, Carlos Hayashida, José Akaogui, Alejandro Chinen, Carlos Yamanija, Hugo Miyadi, Manuel Tomioka, Genaro Yagui, Paco Miyadi, Enrique Oyakawa, Teruo Okuma, Alejandro Kamiyama e Luis Iguchi.

Conversaram sobre nossos passos na vida e o simples fato de compartilhar a mesa nos fez ver que a amizade e a preocupação eram os presentes mais preciosos dos nossos dias. Vinte anos ou talvez muito mais, com o “Grupo de los Albañiles”.

Sinto, com orgulho, que os anos nunca passarão em vão. Se alguns de nossos amigos partirem, eles serão lembrados em todos os pensamentos e conversas. Por alguma razão, o ser humano sente que cada momento compartilhado é o processo divino de uma amizade que é valorizada ao longo do tempo e da distância. E tudo o que nos une na memória de um set disputado ou no ímpeto de um ponto bem conquistado. O tênis sempre estará lá para jogar.

© 2022 Luis Iguchi Iguchi

Lima Peru socialização
About the Author

Luis Iguchi Iguchi nasceu em Lima em 1940. Foi colaborador nos jornais Perú Shimpo e Prensa Nikkei. Ele também contribuiu para as revistas Nikko, Superación, Puente e El Nisei. Foi presidente fundador do Club Nisei Jauja [lugar mítico de abundância e prosperidade] em 1958 e membro fundador do Corpo de Bombeiros Jauja N° 1 em 1959. Ele faleceu em 7 de novembro de 2023.

Atualizado em dezembro de 2023

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!