Descubra Nikkei

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2022/12/30/9391/

Esperança na AELU

Bela vista da Avenida La Mar até Lincoln. Jardins e estacionamento.

Pensar no ano de 1953 é estar no início dos 69 anos que o Estádio La Unión ou AELU como é conhecido celebra este ano. Eu tinha treze anos e morava na cidade de Jauja. Lembro-me que de vez em quando chegavam dois oyisanes de Lima com recibo, para arrecadar dinheiro para o pagamento que deveria ser feito para a futura AELU. A maioria dos adultos daquela época eram japoneses, imigrantes que sem conhecer a língua chegavam e trabalhavam para os filhos nikkeis. Muitos deles morreram precocemente devido à saúde, à situação económica ou à Segunda Guerra Mundial que o país vivia naqueles anos. Na cidade de Jauja viviam naqueles anos cerca de vinte e cinco famílias e oito jovens que, sem dúvida, sofriam de tuberculose. Os dois oyisans partiram felizes com a colaboração da colônia japonesa de Jauja.

Hoje, talvez você não encontre mais oyisanes imigrantes, apenas seus descendentes daquelas famílias que nos deixaram uma bela lembrança. A AELU. E muitos desses descendentes pensam que podemos fazer o mesmo trabalho que os nossos pais fizeram. Compre um terreno mais próximo da AELU e construa uma moderna Casa de Repouso administrada pelos membros da nossa colônia japonesa.

A vantagem de ter a AELU próxima é a grande atividade que se realiza no seu Campo Desportivo e na Escola La Unión, que proporciona atividade escolar durante os dias da semana letiva. De segunda a sexta-feira, as instalações desportivas são normalmente utilizadas por atletas idosos ou reformados e, tanto nos seus corredores, recintos desportivos, centros recreativos e restaurantes, como nos quiosques e cafés que exibem durante a semana, são os local de união e encontro dos idosos. “O encontro de todas as gerações.”

Ao entrar em atividade e ter os netos na escola La Unión, os avós podem muito bem encontrar os netos no Estádio ou os netos podem visitá-los na Casa de Repouso. Y los sábados, domingos y feriados bien pueden los hijos que trabajan en sus negocios o en sus citas profesionales, visitarlos o encontrarse con sus padres en el AELU, después de sus horas deportivas en las diferentes instituciones que nos llenan de orgullo por tantos años de atividades desportivas.

Nos últimos anos, quando a idade avançada é o símbolo de chegar tranquilamente aos cem anos, as casas de repouso que existem por toda a cidade estão presentes nas nossas mentes. Dentro da colônia não é mais costume que o filho mais velho cuide dos pais idosos. Poucas famílias ainda fazem isso. Mas muitos pais pensam que quando os filhos se casam já têm outros compromissos e devem cuidar do seu futuro. A solidão é chocante na nossa velhice e muitos, com as enfermidades dos anos, refugiam-se onde vivemos nos últimos anos, perto dos nossos locais de trabalho.

E em muitos casos a sorte está conosco. Aqueles que moram perto das instalações da Associação Peruana Japonesa ou APJ, no distrito de Jesús María, ou perto das instalações institucionais da Associação Okinawana do Peru, no distrito de Ate. Ou as instalações institucionais de Emmanuel, no bairro Ventanilla. Todos eles, como a nossa querida AELU, representam o lugar certo para passar a velhice na companhia de familiares e amigos.

No caminho trilhado pelo qual hoje muitos idosos vivem longe ou escondidos por diversos motivos, só há uma esperança: terminar a vida com a tranquilidade que vivemos e preencher com amigos os momentos que ainda nos restam. em nossa curta vida. Se os nossos avós e pais nos deixaram instituições ao longo do caminho, somos nós que devemos continuar nesse caminho de colaboração e deixar todo o bem comum como vestígios em benefício de quem mais precisa.

Noites espetaculares da AELU.

Hoje, chegar aos oitenta anos é um salto recompensado com a esperança de voltar a viver. Tempo feliz com pergaminhos que nos sacodem o corpo e memórias vãs que nos obrigam a perguntar aos amigos o apelido de quem se aproxima de nós para nos cumprimentar. Ver-nos continuamente é uma grande alegria que, aos poucos, nos revela como funciona bem o nosso cérebro. E a tranquilidade que a AELU representa para nós neste momento é saudavelmente a esperança que não encontramos nos parques e locais públicos.

Sempre pensamos em nossa infância feliz sempre que a Escola La Unión está em funcionamento. Corremos como se disséssemos – você não pode me alcançar – ou simplesmente olhamos para a chegada dos nossos netos e dizemos para nós mesmos. “Bem-aventurada a escola que nos obriga a estar juntos hoje.”

O futebol sempre foi o esporte que nos embriagou desde cedo. Os campos desportivos surgiam todas as tardes que a bola de trapo voltava aos nossos sonhos, e ali a esperança era vencer. Os lugares desolados eram os nossos campos de futebol e algumas pedras simbolizavam o tênue arco que não podíamos tocar. A chuva, no meu caso, representou a agitação de um público que nunca se decepcionou com o nosso jogo.

Hoje as crianças da AELU mostram toda a sua vitalidade. Seu lindo uniforme, seus sapatos de grife, o teor de um baile e um campo com suas placas pintadas e a agitação de uma arquibancada cheia de gritos e sorrisos. A tarde, aquela que sempre marcou a rolagem de um gol, muitas vezes retorna às minhas lembranças agradáveis.

O próximo ano marca 70 anos de AELU, uma vida inteira. O meu completará 83 anos e ao discutir com os meus amigos a esperança que a AELU nos dá, damos respostas positivas. Nossos pais, com o pouco que tinham, nos deram um grande exemplo de solidariedade. Hoje o Nikkei é um empresário, profissional e com melhor situação de vida. Esperamos deixar às gerações futuras toda a razão para chegar a uma terceira idade que vale a pena desfrutar em companhia e perto do nosso campo desportivo.

A esperança sempre será escrita em tom esportivo. Nem todos chegamos ao fim do caminho com sorte. Mas entendemos que o frágil da vida é a amizade que sempre prevalecerá na AELU.

Lugar de descanso para TENNIS AELU. Almoço dos veteranos do TÊNIS.

© 2022 Luis Iguchi Iguchi

Peru
About the Author

Luis Iguchi Iguchi nasceu em Lima em 1940. Foi colaborador nos jornais Perú Shimpo e Prensa Nikkei. Ele também contribuiu para as revistas Nikko, Superación, Puente e El Nisei. Foi presidente fundador do Club Nisei Jauja [lugar mítico de abundância e prosperidade] em 1958 e membro fundador do Corpo de Bombeiros Jauja N° 1 em 1959. Ele faleceu em 7 de novembro de 2023.

Atualizado em dezembro de 2023

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!