Patricia Wakida

Patricia Wakida é a editora de duas publicações sobre a experiência nipo-americana, Only What We Could Carry: The Japanese American Internment Experience e Unfinished Message: the collected works of Toshio Mori. Nos últimos quinze anos, ela tem trabalhado como historiadora literária e comunitária, incluindo Curadora Associada de História no Museu Nacional Nipo-Americano, Editora Colaboradora do site Descubra Nikkei e Editora Associada do projeto Densho Encyclopedia. Ela atua em vários conselhos sem fins lucrativos, incluindo Poets & Writers California, Kaya Press e California Studies Association. Patricia trabalhou como aprendiz de fabricante de papel em Gifu, Japão e como aprendiz de impressão letterpress e encadernadora artesanal na Califórnia; ela mantém seu próprio negócio de blocos de linóleo e letterpress sob a marca Wasabi Press. É Yonsei, cujos pais foram encarcerados quando crianças em Jerome (Arkansas) e Gila River (Arizona), campos de concentração norte-americanos. Mora em Oakland, Califórnia, com seu marido Sam e Takumi, seu filho Hapa (nipo-mexicano), Gosei.

Atualizado em agosto de 2017

community en

How a Japanese-American Owned Real Estate Firm Broke up Racist Covenants in Southern California - Part 2

Read Part 1 >> Since 1910, Los Angeles has boasted the largest population of Japanese Americans in mainland U.S. This first-generation immigrant workforce vastly contributed to the city’s fishing, agricultural and produce marketing, and gardening industries. Early Japanese residents rented rooms in the segregated neighborhood downtown known as “Little Tokyo” until they married and began families. Thus began an expansion into small enclaves that welcomed non-whites, such as Boyle Heights, Sawtelle, Uptown, or near the fishing and cannery operations on Terminal Island. …

continue a ler

community en

How a Japanese-American Owned Real Estate Firm Broke up Racist Covenants in Southern California - Part 1

Back in the mid-1940s, a Mrs. Lopez called up Kashu Realty in L.A.’s Crenshaw district and asked to speak with real estate agent Kazuo K. Inouye. Lopez lived on Rimpau Blvd in Mid-City and told Inouye that she wanted to sell her house, but insisted that she would only sell it to a non-white homebuyer because, when she purchased the house years before, she suffered the wrath of her neighbors, who took her to court in an attempt to prove that a Mexican American was not legally “white.” (She won the case.) Inouye gladly found a Japanese American family to buy her home, put up a…

continue a ler

culture en pt

Erica Kaminishi: Apresentando uma Identidade do Nikkei Brasileiro através da Arte - Parte 2

Ler Parte 1 >> Mais tarde, você retornou ao Japão como estudante de pós-graduação e permaneceu por muitos anos trabalhando, expondo e estudando formas tradicionais (cerâmica) e formas contemporâneas (vídeos e artes visuais). Quais foram algumas das grandes lições que você tirou ao estudar no Japão, artisticamente e pessoalmente? Voltar ao Japão como pós-graduanda, possibilitou-me enxergar o país e a sua cultura com outros olhos. São duas situações em “dois&rd…

continue a ler

culture en pt

Erica Kaminishi: Apresentando uma Identidade do Nikkei Brasileiro através da Arte - Parte 1

A artista Erica Kaminishi, nascida e criada em Mato Grosso, Brasil, é uma das centenas de milhares de dekasegis brasileiros Nikkeis que migraram para o Japão para trabalhar ou estudar, cem anos depois que seus antepassados ​​imigraram. Durante um período de dez anos, ela trabalhou, estudou cerâmica e participou de um programa de Doutorado no Japão. Ela agora mora e trabalha em tempo integral como artista em Paris, França, mas suas raízes como Nikkei brasileira e seu tempo no Japão tiveram claramente um impacto sobre o modo como ela v&ecir…

continue a ler

culture en

Albert Saijo: Karmic Heart

When the phone rang unexpectedly early one morning in 2009, I couldn’t believe it, but it was Albert Saijo on the line, calling me from the rainforests of Hawai‘i. It seemed serendipitious. His book, Outspeaks: A Rhapsody, not only lay on the kitchen table, but I had engaged in conversation that very morning about his poems, which were insistent and dense, full of remembrance yet muscular in its intellectual content and tone. In an attempt to emulate Saijo’s block handwritten style, Outspeaks was typeset in ALL CAPS, which I interpreted as a prophet incanting at a feverish …

continue a ler

Séries às quais este autor contribui