Discover Nikkei Logo

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2024/6/14/nanboku-sensou/

Nº 46: Houve algum japonês que serviu na Guerra Civil? Leia "Japoneses que lutaram na Guerra Civil"

comentários

A Guerra Civil Americana (abril de 1861 - maio de 1865) foi uma guerra civil nos Estados Unidos sobre questões como a sobrevivência da escravidão, e geralmente é vista na TV ou no cinema como cenário ou tema de filmes de faroeste. esse é o entendimento japonês? O contato com o Japão é improvável.

No entanto, diz-se que dois soldados japoneses serviram como soldados durante a Guerra Civil. O que diabos isso significa? Quem serviu nas forças armadas e por quê? É uma pergunta simples, mas também muito interessante do ponto de vista da história da imigração americana.

Em relação aos japoneses que serviram nas guerras de outros países, esta coluna falou uma vez sobre Jack Shirai, um japonês que lutou no lado republicano como soldado voluntário durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939). Shirai, que nasceu em Hakodate, foi clandestino e viveu em Nova York, de onde viajou voluntariamente para a Espanha para participar da guerra, onde foi morto em combate.

Se voltarmos um pouco no tempo, existem nipo-americanos que serviram como soldados nas forças armadas dos EUA durante a Primeira Guerra Mundial. Embora tais casos sejam raros, é estranho que o povo japonês tenha estado envolvido na guerra civil de outro país, a Guerra Civil, antes de o Japão abrir as suas portas ao mundo.

“Japoneses que lutaram na guerra civil: uma história da imigração da Orla do Pacífico no final do período Edo” (Chikuma Shobo), publicado no ano passado, é um livro de pesquisa de não-ficção que segue esse fato.


Consultas de nipo-americanos

Os autores são Miya Suga (Shinohe) e Shinzo Kitamura. Nascido em 1969, Suga é professor na Universidade Tokyo Gakugei e é especialista em história americana e história da imigração/migração. Seus livros incluem “The American Census and the Boundaries around Race: A History of the Actual Status of Surveys on Minorities as Seen in Individual Surveys” (Keiso Shobo, vencedor do Prêmio Nobuyuki Nakahara 2021 da Sociedade Americana de Estudos Americanos) .

Nascido em 1940, Kitamura é professor emérito da Universidade de Kobe e possui doutorado em engenharia, com especialização em engenharia de sistemas. Seus livros incluem “Japão Defeated by Encryption: Breaking U.S. Military Codes That Made a Difference in the Pacific War” (em coautoria, publicado pelo PHP Institute).

Um dia, Terry Shima e Jeff Morita, da Associação de Veteranos Nipo-Americanos (JAVA), perguntaram a Kitamura: “Os nomes reais e cidades natais de Simon Dunn e John Williams, dois soldados nascidos no Japão que serviram na Guerra Civil”. Eu gostaria de saber.'' Shima é um nipo-americano de segunda geração nascido no Havaí que serviu no 442º Regimento durante a Segunda Guerra Mundial e trabalhou no GHQ após a guerra. Morita é uma nipo-americana de terceira geração que vive no Havaí. ``Se for verdade que os soldados japoneses serviram na Guerra Civil, eles seriam os primeiros soldados nipo-americanos no Exército dos EUA, e eu realmente gostaria de obter informações sobre eles do lado japonês.''

Kitamura informou Suga sobre isso, e “nasceu um projeto de pesquisa combinando as artes e as ciências sobre os japoneses que lutaram na Guerra Civil” (do posfácio). No entanto, Suga, que passou muitos anos pesquisando sobre os imigrantes japoneses e a sociedade americana, achou difícil acreditar que os japoneses serviram na Guerra Civil Americana.

Por outro lado, se isto fosse verdade, nem é preciso dizer que estimularia a minha curiosidade como investigador (o mesmo se aplica aos escritores de não-ficção). Por que você se juntou ao exército? Em primeiro lugar, como chegaram aos Estados Unidos quando as viagens ao exterior para japoneses eram restritas? Ele foi guardado? Com estas questões em mente, este livro tenta esclarecer a imagem específica dos “japoneses que serviram nas forças armadas”, examinando vários registos e materiais, incluindo o Censo dos EUA.

Primeiro, de acordo com os registros de alistamento mantidos nos Arquivos Nacionais dos EUA, Simon Dunn mora no Brooklyn, Nova York. Alistou-se no Exército em 7 de dezembro de 1863, no Brooklyn. Nascido no Japão, 21 anos. John Williams alistou-se no Exército em 25 de agosto de 1864 no Brooklyn. Nascido no Japão, 22 anos. Além disso, os registros revelam data e horário da alta, ocupação, altura, cor da pele e do cabelo, etc.

Além disso, após o fim da Guerra Civil, houve um artigo num jornal em Alexandria, Virgínia, que afirmava: “Um japonês que veio aqui como soldado do Exército dos Estados Unidos durante a guerra e que viveu aqui desde então morreu e foi enterrado. Com base nesses fatos, o autor tem quase certeza de que houve japoneses que serviram na Guerra Civil.

A partir daqui começarei a olhar para materiais históricos do mesmo período, incluindo o censo, mas pesquisar não é tão fácil. Uma das principais razões para isso foi que os nomes nos registros não eram japoneses. Nomes de estilo ocidental são tão comuns que é difícil restringi-los. Segundo, na época em que os dois japoneses se alistaram, não havia comunidade japonesa. Acredita-se que os dois homens vieram sozinhos para esta área, portanto suas conexões com outros japoneses não podem ser rastreadas.


Um náufrago, um clandestino...?

Desta forma, era extremamente difícil aproximar-se diretamente do alvo. Portanto, a abordagem do autor foi delimitar que tipo de pessoa ele poderia ter sido, caso existisse, com base em diversas hipóteses e comparando-as com a situação e os fatos históricos da época.

Como investigador, abordarei este ponto fazendo pleno uso dos meus conhecimentos e métodos especializados. Examina as condições de imigração e de viagem do povo japonês do Japão para os Estados Unidos nos primeiros dias antes da abertura do país e tenta desenvolver uma imagem do povo japonês que lutou na Guerra Civil.

Isso foi antes do início da imigração oficial do Japão para os Estados Unidos. Especificamente, eles eram náufragos como John Manjiro e Joseph Hiko, passageiros clandestinos que embarcaram em navios em rotas marítimas estrangeiras como marinheiros, ou acompanharam missionários para a América de alguma forma no final do período Edo. foi para a América. Em particular, ``acreditamos que existe uma grande possibilidade de serem náufragos ou pessoas que desertaram do país (ou abandonaram missões oficiais).''

No final, os nomes reais e locais de nascimento dos dois homens anônimos nascidos no Japão que receberam perguntas dos Estados Unidos não eram conhecidos, e não ficou claro por que eles estavam envolvidos na Guerra Civil. No entanto, há algo no processo de busca dessas duas pessoas e no raciocínio que dele surge que captura a imaginação do leitor.

De onde veio o Japão no final do período Edo, por que e como foi parar na América? Diz-se que durante a Guerra Civil, os recrutas por vezes pagavam dinheiro para que outros servissem como soldados substitutos, por isso questionamo-nos se eles foram para a guerra pelo dinheiro e como foram as suas vidas depois. É possível que ainda existam descendentes por aí, apenas desconhecidos do mundo... Se você deixar a imaginação correr solta, parece que a ficção também será criada.


O significado da história do anônimo

O que permanece como história é principalmente o que foi deixado para trás como registros e, em termos de pessoas, são pessoas que deixaram registros ou têm conquistas ou títulos registrados. Quase não restam registros do anônimo.

Pensando nisso, de repente me lembrei das palavras de Kazumitsu Okiura, um estudioso que compreendeu a história do povo japonês de baixo para cima. No posfácio de seu livro, Sanka, the Phantom Bleached People, ele diz: “Aqueles que estão do lado da história e apenas arranham a superfície dirão que a história destas pessoas branqueadas nada mais é do que uma “anedota” que nunca aparece na história oficial da nação, não creio. que a existência do passado foi uma reflexão tardia da história. Não existe frente sem costas, e não existe Hyuga sem sombra. Não existe teoria da história ou da vida que seja apenas uma frente que não retrate a verdade escondida atrás as cenas. Acho que tem muita gente que nem quer ler."

“Os japoneses que serviram na Guerra Civil” também são anônimos, por isso nunca aparecem na história e quase não há registros. No entanto, é difícil e significativo aproximar-se da imagem real.

(Títulos omitidos)

 

© 2024 Ryusuke Kawai

American Civil War Brooklyn John Williams Nanboku sensou wo tatakatta nihonjin (livro) Nova York (estado) Shinzo Kitamura Estados Unidos da América
Sobre esta série

O que é descendência japonesa? Ryusuke Kawai, um escritor de não-ficção que traduziu "No-No Boy", discute vários tópicos relacionados ao "Nikkei", como pessoas, história, livros, filmes e músicas relacionadas ao Nikkei, concentrando-se em seu próprio relacionamento com o Nikkei. Vou aguenta.

Mais informações
About the Author

Jornalista, escritor de não ficção. Nasceu na província de Kanagawa. Formou-se na Faculdade de Direito da Universidade Keio e trabalhou como repórter do Jornal Mainichi antes de se tornar independente. Seus livros incluem "Colônia Yamato: os homens que deixaram o 'Japão' na Flórida" (Junposha). Traduziu a obra monumental da literatura nipo-americana, ``No-No Boy'' (mesmo). A versão em inglês de "Yamato Colony" ganhou "o prêmio Harry T. e Harriette V. Moore de 2021 para o melhor livro sobre grupos étnicos ou questões sociais da Sociedade Histórica da Flórida".

(Atualizado em novembro de 2021)

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Discover Nikkei brandmark Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVA CONTA DE MÍDIA SOCIAL
Estamos no Instagram!
Siga-nos @descubranikkei para novos conteúdos do site, anúncios de programas e muito mais!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!