Descubra Nikkei

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2023/2/5/setsuko-moriya-1/

Setsuko Moriya – Parte 1

“Quando pensamos no agora, politicamente, ouvimos as notícias do que está acontecendo em Washington. Naquela época, meu pai não era político. Ele estava aqui apenas para ganhar dinheiro e sobreviver.”

- SETSUKO MORIYA

Crescendo no centro de Sacramento antes da guerra, Setsuko (Shimono) Moriya relembra a comunidade unida da antiga Japantown. No coração do que já foi um próspero centro da cidade, os pais de Setsuko administravam um movimentado restaurante que servia comida americana.

Seu pai, Masuichi Shimono, era um homem determinado e engenhoso que migrou para os Estados Unidos quando tinha 17 anos. Chegar à América sem documentos o levou a fazer a façanha incrível e aparentemente impossível de saltar do navio e nadar vários quilômetros para chegar à costa. do estado de Washington para fugir das autoridades portuárias.

Embora Setsuko se lembre de que ele era um pai rígido e intimidador, em contraste, sua mãe nissei, nascida nos Estados Unidos, Kimio Otani, era paciente, calorosa e sem reclamar, e vinha de uma família de agricultores bem-sucedidos do condado de Sonoma. Mas suas diferenças de personalidade aparentemente complementaram a criação de seus seis filhos.

Após o despejo forçado de sua casa e negócio, a família foi enviada para Tule Lake e mais tarde mudou-se para Amache para ficar mais perto do avô doente de Setsuko, que acabaria morrendo no campo. Embora suas memórias sejam escassas, o que Setsuko lembra são as memórias comoventes de uma criança: longas e desconfortáveis ​​viagens de trem sem assentos, comida horrível e o medo de ir ao banheiro.

Setsuko, agora com 88 anos, mora no sul da Califórnia, perto dos filhos e netos.

Esta entrevista foi possibilitada pelo neto de Setsuko, Mas Moriya, que também ajudou a fazer perguntas. Mas é o fundador da Strong Asian Lead .

Setsuko e seu neto, Mas Moriya

* * * * *

Você poderia me contar sobre seus pais? Onde eles foram criados e o que você lembra deles?

Meu pai veio do Japão quando tinha cerca de 17 anos. Minha mãe nasceu em Sacramento, então foi criada aqui. E o pai dela era gerente de uma fazenda. Então eles tinham muita gente trabalhando onde ela morava. Eles tinham muitos amigos. Ele administrava uma grande fazenda.

Que tipo de fazenda era? O que eles cresceram?

Bem, qualquer coisa, suponho. A razão pela qual ele conseguiu o emprego foi que lhe perguntaram se ele era capaz de trazer aquela água do rio para sua terra. Acho que no Havaí ele aprendeu a fazer isso e foi capaz de fazer isso, então conseguiu aquele emprego, um grande trabalho. Ele contratou muitos japoneses. Então ele estava indo bem.

Quais eram os nomes dos seus pais?

Minha mãe era Kimio Otani e meu pai Masuichi Shimono.

Você sabe como eles se conheceram ou foram apresentados?

Ah, por um amigo. Um dos homens que trabalhava na fazenda conhecia meu pai e meu pai já tinha um restaurante, então ele disse: “Ele é um bom partido”. Então ela poderia ter escolhido o homem mais baixo ou o homem mais bonito, e escolheu o homem mais bonito do restaurante.

Sua mãe falava principalmente japonês ou era bilíngue porque era nisei?

Sim, bilíngue. Ela falava japonês em casa com meu pai, mas nós não.

Então eles se conheceram em Sacramento?

Sim.

Onde você cresceu exatamente em Sacramento?

Bem no centro da cidade, na área japonesa. Seria naquela Segunda, Terceira e Quarta, era tudo japonês entre M e L [ruas].

Você se lembra de quando você era criança, era uma comunidade japonesa muito grande?

Essa era toda a área japonesa. No beco tinham coisas japonesas acontecendo, como se tivessem uma casa de sumô e tivesse um teatro naquela área, teatro japonês e loja de jofu, você sabe, mantimentos japoneses. E então estava tudo naquele L e M.

Então a comunidade era muito forte. Quantos irmãos você tinha?

Cinco.

Onde você está na escalação dos irmãos?

No meio.

Como era um dia típico para você crescendo naquela região e antes da guerra?

Não me lembro muito. Minha mãe e meu pai trabalhavam o dia todo, quase. Tínhamos um velho, amigo deles, sendo nossa babá. E minha irmã já estava na sexta série então ela era mais responsável. E o velho meio que nos observava quando íamos a algum lugar.

Minha mãe e meu pai estavam sempre trabalhando. Mesmo que quando você tem um restaurante você trabalha de manhã cedo e à tarde, um dos pais tira algumas horas de folga, depois volta a trabalhar e o outro volta para casa por algumas horas. Então eles ficavam em casa à tarde, mas na maior parte do tempo estavam trabalhando. Esse é o problema. Eles trabalhavam e trabalhavam e trabalhavam e tinham muito pouco tempo para a família. Camp meio que parou com isso, você sabe, e nos ajudou a ficarmos juntos.

Qual era o nome do restaurante?

Esse restaurante era o Bay Cafe.

E qual era o tipo de comida servida?

Americano.

Você sabe como eles decidiam o tipo de comida que serviriam?

Eu realmente não sei. Meu pai não era cozinheiro no Japão nem nada, mas quando ele veio para a América, ele estava em Washington e sofreu um grande acidente e quebrou a perna e foi hospitalizado. Naquela época você quebra alguma coisa, acho que você fica muito tempo no hospital e acho que foi aí que ele aprendeu a fazer algumas das coisas que aprendeu, [como] cozinhar.

Qual foi o acidente em que ele sofreu?

Bem, era uma madeireira em que ele trabalhava e por acaso ele caiu nelas - sabe como a madeira desliza naquela rampa por onde corre a água? Ele caiu nisso e o homem que escolheu meu pai para o trabalho, eles ficaram amigos. Ele salvou a vida do meu pai. Tirei-o de lá.

Quantos anos tinha seu pai quando isso aconteceu?

Bem, ele era muito jovem. Acredito que ele poderia ter 17 anos.

Você sabe quando ele veio para a Califórnia?

Esses são os anos em que não fazemos isso - ele nunca falou sobre isso. Assim como meu irmão foi para o Japão, [ele] ouviu histórias sobre meu pai escrevendo para eles quando chegou aqui. Mas meu pai não tinha nenhum documento, então não sei. Não parece muito comum porque ele tinha vergonha de não ter documentos. Ele e outro homem em Sacramento não tinham documentos. Eles eram meio amigos porque “não temos documentos”.

Você sabe quantos anos sua mãe e seu pai tinham quando se conheceram?

Bem, meu pai era 13 anos mais velho que minha mãe. Minha mãe tinha 18 anos.

Você diria que teve um relacionamento muito bom com seus irmãos?

Todos nós? Sim. Todos nós nos demos muito bem. E o homem que nos observava tinha uns 75, 80 anos [risos].

Você se lembra de quando aconteceu Pearl Harbor e como foi aquele dia?

Não, eu realmente não quero. A única coisa que eu sabia quando isso aconteceu era que havia um horário de toque de recolher e pensamos que era meio diferente. O vizinho, uma noite estávamos juntos depois do toque de recolher e [eles] baixaram a sombra e foi meio divertido. Mas isso é tudo que me lembro, era uma coisa diferente.

Todas as crianças, meu irmão, minha irmã, e os dois vizinhos, o menino e a menina, vieram. Veja, esta é uma área onde há um hotel e o nosso era um hotel, mas o nosso era um hotel menor que transformamos em nossa casa. E assim, entre as casas, você poderia ir para o próximo hotel, se quisesse, lá de baixo. Não tivemos que sair disso.

Então você estava meio conectado. Qual era o nome do hotel onde você morava?

Bem, na época em que moramos lá, não era um hotel. Tinha cerca de sete quartos.

Quantos anos você tinha na época de Pearl Harbor?

Bem, naquela época eu teria oito anos.

Você se lembra do que aconteceu na escola? Houve alguma coisa que mudou para você?

Não. A única coisa que me lembro da segunda série foi a professora. Ela era uma professora maravilhosa, Sra. Coulter, mas sempre se lavava com álcool. Achamos que era bastante incomum. Talvez tenha sido por causa dos japoneses por aí. Não sei. Mas ela sempre lavava as mãos com álcool. Ela era uma senhora muito magra e doente, mas muito simpática, muito simpática.

Quando a Ordem Executiva 9.066 foi assinada e sua família teve que começar a se preparar para partir, você se lembra de alguma coisa daquela época e do que mudou em sua família?

Não, não me lembro de nada sobre isso. Quando pensamos no agora, politicamente, ouvimos as notícias do que está acontecendo em Washington. Naquela época, meu pai não era político. Ele estava aqui apenas para ganhar dinheiro e sobreviver. Então não éramos pessoas políticas. Não sabíamos o que estava acontecendo ou eles nunca conversaram sobre isso.

Você já teve noção de como ele se sentia?

Ele nunca conversou conosco, mas como eu disse, o amigo dele morava no hotel ao lado. Então, se algum dia ele quisesse falar sobre qualquer assunto político, ele falaria com o amigo. Então ele não falou muito sobre isso com sua esposa. Mas o amigo dele era vizinho, então ele conversava muito com ele. Ele o visitou muito.

Quando suas memórias começaram a ficar mais claras? Qual é a primeira coisa que você lembra sobre o “centro de montagem” ou sobre sair de casa?

A única coisa que me lembro é de um ônibus que foi até aquele primeiro acampamento. Mas fora isso, não me lembro de nada.

Como os vizinhos, seu amigo? Eles tiveram um filho no Japão que esteve lá por muitos anos, então eles tiveram muito contato com o Japão. Eles tinham muitas coisas do Japão. Tudo o que eles faziam era japonês, a esposa dele era mais japonesa. E as coisas que eles possuíam eram muitas japonesas.

Nossa casa, ainda não tínhamos muitas dessas coisas. Minha mãe ainda não gostava de colecionar, então não tínhamos muitas coisas, ou [tínhamos] mais coisas americanas.

Para sua mãe, o fato de isso estar acontecendo deve ter sido um choque muito maior para ela, já que cresceu nos Estados Unidos. Você já percebeu como sua mãe estava se sentindo?

Bem, ela tinha cinco irmãos e eles moravam em Sacramento, mas moravam em Petaluma. Então ela teve muito apoio. Meu pai não tinha nenhum. Então ela nunca parecia ter se preocupado com nada.

Você cresceu com seus avós?

Não, depois que ela se casou, ela morou em Sacramento e o resto da família ficou em Petaluma. Ela tinha um irmão que não estava bem, então ele veio ficar na nossa casa por uns seis meses. Essa é a única vez que me lembro que a família dela estava lá. Mas não era como se nunca os tivéssemos visto, parecia que eles estavam ali o tempo todo.

Eles tinham uma fazenda? O que eles fizeram em Petaluma?

Bem, eles tinham a fazenda em Sacramento, mas quando a batata chegou a custar cerca de um centavo o saco, meu avô disse: “Isso foi o suficiente”. Então ele vendeu ou fez o que fosse preciso e comprou terras em Petaluma para uma granja de galinhas. Eles tinham cerca de cinco, seis ou sete, ou talvez até mais – todos os filhos construíram esses enormes galinheiros. E eles foram muito bem construídos. Na verdade, depois da guerra, por volta de 1960, meu tio ainda estava lá [e] eles o venderam aos hippies, que o transformaram em apartamentos.

Leia a Parte 2 >>

*Este artigo foi publicado originalmente em Tessaku em 13 de dezembro de 2022.

© 2022 Emiko Tsuchida

Campo de concentração Amache Califórnia Colorado campos de concentração Sacramento Setsuko Moriya campo de concentração Tule Lake Estados Unidos da América Campos de concentração da Segunda Guerra Mundial
Sobre esta série

Tessaku era o nome de uma revista de curta duração publicada no campo de concentração de Tule Lake durante a Segunda Guerra Mundial. Também significa “arame farpado”. Esta série traz à luz histórias do internamento nipo-americano, iluminando aquelas que não foram contadas com conversas íntimas e honestas. Tessaku traz à tona as consequências da histeria racial, à medida que entramos numa era cultural e política onde as lições do passado devem ser lembradas.

Mais informações
About the Author

Emiko Tsuchida é escritora freelance e profissional de marketing digital que mora em São Francisco. Ela escreveu sobre as representações de mulheres mestiças asiático-americanas e conduziu entrevistas com algumas das principais chefs asiático-americanas. Seu trabalho apareceu no Village Voice , no Center for Asian American Media e na próxima série Beiging of America. Ela é a criadora do Tessaku, projeto que reúne histórias de nipo-americanos que vivenciaram os campos de concentração.

Atualizado em dezembro de 2016

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!