Discover Nikkei Logo

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2022/5/20/9083/

Jauja, o espelho de um passado

Quantas vezes meus passos forem direcionados, sempre irão para o Cemitério de Jauja. Rápido como la juventud que pasó y fue primero, o este pasado que hoy vivo en cada actitud de ver las lápidas, en el concierto de los huaynos que cada sábado se escucha en algún lugar, donde un pariente o amigo duerme el sueño profundo de la vida eterna.

Sete anos se passaram desde minha última viagem e hoje, aos oitenta e dois anos, meu sonho mais uma vez se tornou realidade. O ritmo era lento e a visão um pouco indecisa, mas tinha quatro amigos que estavam ao meu lado como companhia. Alejandro Nakao e sua esposa Anita Minami, Paulina Goya e Bertha Matzumoto. Todos eles idosos.

Lápide do Sr. PEDRO ONAKA. Quem se tornou prefeito da cidade de Jauja

O mais prático era carregar e operar o celular e Celinda, com sua gentileza em ajudar, foi quem me acompanhou nos três dias que visitei o cemitério. Foi ela quem carregou a escada, procuramos as lápides dos falecidos da colônia japonesa, ela tirou a foto, colocou a flor nela, uma linda rosa, e continuamos até termos noventa e nove fotos de lápides de anos diferentes.

A generosa ajuda foi encontrar em cada lápide dos falecidos da colônia um lindo cartão azul claro com decoração de fita vermelha. Este cartão dizia: Associação Peruana Japonesa Huancayo, junto com a frase:

“As pessoas com quem você compartilha sua vida marcam você e, embora não estejam mais com você, uma parte delas permanecerá sempre em seu coração.”

Comitê de Senhoras, 2021.

Cartão do Comitê de Senhoras da Associação Peruano - Japonesa da cidade de Huancayo.

A solidão faz parte da nossa vida, ela nos acompanha quando nascemos, vivemos e morremos. Hoje na cidade de Jauja talvez a colônia japonesa não exista mais. Na minha viagem há sete anos, com meus amigos Samuel Matsuda, Víctor Ykeda e Juan Kanashiro, José Kato, que tinha seu bazar na praça principal, e com quem brinquei na infância, me disse que ele e Julio Tayra talvez estivessem os únicos que sobraram. Aí descobri que Júlio e José haviam morrido e que praticamente não sobrou ninguém da colônia japonesa de Jauja.

Ao visitar Jauja com meus amigos e chegar ao seu querido e preservado cemitério, fiquei feliz que minhas amigas do Comitê de Senhoras da Associação Peruano-Japonesa de Huancayo tiveram o gesto tão simpático de visitar e levar a cada uma uma oração e flores que simboliza o eu me lembro e amo nossos ancestrais.

Muito obrigado, amigos Huancaína, a visita ao nosso cemitério me fez viver e relembrar aqueles tempos em que nossos pais jogavam beisebol no Estádio Junín de Jauja e pingue-pongue nas dependências do Clube “Los Andes”, em 1955 e 1956 Ou talvez as festas de carnaval de 1959 e 1960 nas dependências do Clube Nisei Jauja.

Clube Jauja Nisei. Ano 1957.

Ou apenas pensar que foram os Nikkei Huancaínos que nos deram uma “ajudinha” para que hoje Jauja tenha uma Companhia de Bombeiros, e lembrar sempre de Crisanto Shiraishi, Arnado Uchiyama, Víctor Aritomi, Alberto Okugawa, Pedro Aritomi, Hugo, Paco e Víctor Miyadi, Silvio Murakami, Isaac Araki, Carlos Yamaguchi, Alberto Akiyama, Julio Watanabe, Ángel Utsunomiya, Nicolás Miyamoto, Vicente Matsumura e muitos outros Nisei Huancaínos daqueles anos que colaboraram conosco.

Eles deixaram rastros? Sim, eles os deixaram. A pobreza para muitos na colônia japonesa era palpável e com o pouco que vivíamos éramos felizes. Nossos pais trabalhavam de doze a quinze horas em suas lojas e negócios e ainda tinham tempo para ter vida social e comunitária. Eles nos ensinaram valores, o exemplo mais palpável foi a atitude de suas vidas. Hoje venerá-los num simples nicho é oferecer-lhes o nosso respeito, gratidão, orações e lembranças por tudo o que nos deram e nos deixaram.

A entrada do cemitério era uma avenida repleta de eucaliptos. Aquelas árvores fingiam ter voz de comando, mas no fundo era o perfume que emanavam. A solidez dos seus caules e o tamanho acumulado ao longo dos anos fizeram deles um desfile de vegetação pura e saudável. Hoje apenas alguns permanecem espalhados na entrada.

E o que sempre veneramos ao entrar, a flor ergue-se na sua total diversidade, acumula o vislumbre das rosas, o sentimento dos crisântemos, o halo dos pensamentos, o renascimento dos malmequeres, a paz dos gladíolos, a sociedade das margaridas, a diversidade dos gerânios, a luz dos cravos e a vitalidade das vassouras. Estava sempre olhando para a porta principal e, como hoje, no sábado. Missas com orquestra estiveram presentes em muitos nichos e túmulos. A tradição em Jauja é sempre respeitada.

Lápide do Sr. JUAN HIGUCHI que se tornou Prefeito da cidade de Jauja.

As missas e orações aos mortos são acompanhadas por orquestras típicas com os tradicionais huaynos e a multidão familiar. Para mim foi uma surpresa ouvir apenas as notas do huayno “Huarancayo de mis penas”, foi voltar ao meu passado e refugiar-me no chalé da Avenida Ricardo Palma.

No final da minha visita, Celinda encontrou a lápide noventa e nove. Subiu as escadas, tirou a foto, beijou a última flor e colocou-a na lápide. Minha visita terminou no meio de uma grande família visitando um nicho próximo daquele que havíamos visitado. Eles, tão gentis, me convidaram para tomar uma bebida e entre perguntas começamos a cantar. Meu dueto foi com uma senhora mais nova que eu, mas que conhecia os huaynos de antes como eu.

“Querida vestimenta, estradinha de Huancayo, Jauja, beija-flor tarmeño, queridos amigos.”

Lápide mais antiga encontrada. MARIA E NISHIURA. Ano de 1927.

Um costume tão típico da serra que, quando me lembrei dele, depois de 65 anos, me veio à mente estar com os amigos. Edilberto Pizarro, Raúl Huaccho, Félix Rivera e eu. Estávamos nós quatro procurando as festas da nossa juventude e uma delas estava na porta do cemitério. Talvez numa das casas que hoje são muitas.

Lembro sempre que naquela noite a festa terminou às três da manhã e, na escuridão total, ninguém saiu. Saber que o cemitério ficava ao nosso lado significava que teríamos que esperar em casa até o amanhecer nos dava a garantia de que não veríamos nem sentiríamos nada de estranho.

Além disso, tínhamos uma avenida repleta de velhos eucaliptos, onde o vento fazia as copas das árvores fingirem saudades de uma noite escura e com medo de reencontrar nossos vizinhos do cemitério. Hoje tudo mudou, o cenário, os postes de luz, a pista que atravessa e vai até a cidade de Tarma deixam a região movimentada e o trânsito intenso.

Voltar para minha querida Jauja sempre será minha tarefa. Só meu corpo dirá quanto tempo ele representa no quadro da minha vida que continuo me defendendo sozinho. E, se houver amigos, minha viagem será de total alegria ao chegar ao meu destino nas montanhas. Estaremos lá com a mesma gratidão de sempre e esperando que as nossas vidas tenham o final feliz que todos desejamos.

© 2022 Luis Iguchi Iguchi

Jauja Peru
About the Author

Luis Iguchi Iguchi nasceu em Lima em 1940. Foi colaborador nos jornais Perú Shimpo e Prensa Nikkei. Ele também contribuiu para as revistas Nikko, Superación, Puente e El Nisei. Foi presidente fundador do Club Nisei Jauja [lugar mítico de abundância e prosperidade] em 1958 e membro fundador do Corpo de Bombeiros Jauja N° 1 em 1959. Ele faleceu em 7 de novembro de 2023.

Atualizado em dezembro de 2023

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Discover Nikkei brandmark Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!