Descubra Nikkei

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2022/10/13/125-anos-inmigracion-japonesa-a-mexico-3/

125 anos após a primeira imigração japonesa para o México: a alma das relações entre o México e o Japão - Parte 3

Leia a parte 2 >>

Comunidades japonesas durante a fase de globalização

As vagas de imigração iniciadas no último terço do século XX e durante as duas primeiras décadas do presente foram incentivadas por um intenso intercâmbio no domínio económico, por um lado, e no domínio educativo, por outro.

Como já tinha salientado, o investimento japonês foi o grande impulsionador do fluxo de migrantes neste período. Dentro deste campo, é importante notar entre parênteses que as indústrias culturais japonesas começaram a inserir-se fortemente no exterior através de programas de televisão e desenhos animados (mais tarde conhecidos como anime , アニメ, durante o boom atual). Menciono isso porque uma determinada série, Señorita Cometa na década de 1970, marcou toda uma geração de telespectadores no México e mostrou uma família japonesa de classe média através das aventuras de uma jovem que chega de outro planeta para cuidar de duas safadas. uns.

No que diz respeito aos investimentos directos japoneses no México, o Acordo de Associação Económica México-Japão, assinado por ambos os governos em 2004, impulsionou o fluxo de cidadãos em ambas as direcções. Em 2021, mais de 11.000 imigrantes japoneses vivem principalmente na região de Bajío, no México, trabalhando para grandes fábricas automotivas japonesas e empresas de fornecimento e serviços.

Por outro lado, a assinatura do Acordo de Intercâmbio Estudantil México-Japão, assinado por ambos os governos em 1971, aumentou o ingresso de estudantes de ambas as nacionalidades em suas universidades. Da mesma forma, cresceram centros de estudo e pesquisa sobre ambas as culturas nos dois países. Neste quadro, o escritor Kenzaburo Oe, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura anos depois, teve uma estadia produtiva como professor visitante no El Colegio de México em 1976.

Entre alguns estudiosos e artistas que vieram ao México cito a arqueóloga Yoko Sugiura, os pintores Kishio Murata e Midori Suzuki e o escultor Kiyoto Ota. Estes migrantes não só vieram para o México para estudar, mas finalmente encontraram neste país espaços que lhes permitiram aprofundar e desenvolver o que aprenderam nas suas áreas de especialização. Sem dúvida, vários são os motivos e circunstâncias que permitiram que a sua permanência no México fosse permanente e, embora não tenham sido naturalizados como cidadãos mexicanos, sentem-se e são parte integrante da cultura do país. Talvez não haja uma razão precisa, mas talvez, como afirma o escultor Ota, “há algo especial no México que nos faz ficar”.

Rie Watanabe, centro, com a banda de música da cidade de Santa María Talhuiltotepec, Oaxaca

Outro imigrante que ficaria para morar no México é o violinista Rie Watanabe. Muito jovem, Watanabe chegou ao México em 1986 para aprofundar seus estudos na academia da famosa violinista Yuriko Kuronuma, que se tornou uma das mais reconhecidas internacionalmente. Kuronuma viveu muitos anos no México e escreveu um livro, Carta do México, que continua a ser vendido no Japão. Além disso, naquela década, foi inaugurada a academia no bairro de Coyoacán, onde muitas crianças e jovens mexicanos foram treinados no manejo desse instrumento musical. Desde então, Watanabe ficou morando no México e atualmente mora em San Cristóbal de las Casas, Chiapas. Colabora ativamente nas diversas escolas de música dos povos indígenas de Chiapas e Oaxaca, onde crianças e jovens são formados como intérpretes em bandas musicais que são parte indissociável da cultura musical e das celebrações de suas cidades.

Edição Shukan Nichiboku do ano de 1997.

Outro imigrante que merece destaque é Shozo Ogino. Formado pela Universidade Waseda, chegou ao México em 1970. Nesses primeiros anos, dedicou-se ao ensino de japonês e posteriormente assumiu o comando do jornal Shukan Nichiboku . Esta publicação semanal relatava as novidades e atividades das comunidades japonesas. Ogino não só se dedicou ao jornalismo, mas também investigou a vida e a situação dos imigrantes em todo o México, o que lhe permitiu adquirir um conhecimento aprofundado do país em que se integraram. Com este grande conhecimento dos imigrantes, publicou Cinco Centurias Across the Sea, um livro de mais de 500 páginas em que detalha estas histórias, ilustrado com centenas de fotografias. Ogino é o cronista oficial da imigração, mas seu conhecimento o credencia como historiador do México, já que os imigrantes são parte integrante deste país.

Os imigrantes também se aventuraram na divulgação da cultura culinária japonesa no México. Foram eles que, a partir da década de 1970, deram a conhecer a comida japonesa em vários restaurantes. Nomes como Daruma, Daikoku, Harumi, Miyako, Taro, Nagaoka ou Samurai na Cidade do México e outras cidades começaram a ser visitados por comensais mexicanos. Naqueles anos, o boom da comida japonesa não havia estourado, então as palavras sushi ou yakimeshi dificilmente eram reconhecidas. A popularidade da comida japonesa nos últimos tempos permitiu que esses pratos fossem reconhecidos em qualquer lugar do México, mas também consumidos de uma forma particular. Sushi com abacate ou frutas, o uso de condimentos picantes da comida mexicana no preparo de pratos japoneses obrigou-os a serem cozinhados de uma forma diferente que os cozinheiros japoneses dificilmente imaginariam.

Outro aspecto a destacar é o facto de as novas gerações de descendentes das primeiras vagas de imigrantes japoneses terem sido introduzidas na vida quotidiana do México em condições muito diferentes das dos seus antepassados. Muitos desses jovens, já formados no Liceo Mexicano Japonés ou em outras instituições, mal conhecem a fundo a história dos pioneiros no México e as grandes dificuldades que tiveram que superar para desfrutar dos estudos e dos diplomas universitários. As especialidades e profissões já são muito variadas e diferentes das dos seus pais, pois não obedecem necessariamente às necessidades das empresas familiares que os seus antepassados ​​construíram. Engenheiros eletrônicos, arquitetos, biólogos, artistas, especialistas em marketing são algumas das diversas profissões em que se formam, inclusive com pós-graduação no México ou no exterior.

Destas novas gerações menciono apenas alguns exemplos que podem esclarecer os interesses e atividades destas gerações. Yukari Hirasawa é formado em universidade, mas também estudou música japonesa por muitos anos e se tornou instrumentista de koto. Akiko Iida foi ao Japão para aperfeiçoar sua arte na prestigiada escola de arte Takarazuka . Ao retornar ao México, como atriz, dançarina, cantora e encenadora, apresentou peças e espetáculos onde combina de forma inovadora e criativa todos os conhecimentos aprendidos em ambas as culturas. A sua atividade como artista abrange uma grande diversidade de atividades, desde a atuação como atriz na produção do clássico filme mexicano La Banda del Automobile Gris , até a montagem de peças teatrais e musicais próprias com temas clássicos japoneses.

Por sua vez, Saburo Iida, formado em engenharia electrónica, é hoje um músico inovador de ritmos, misturas e composições modernas com influências de diversos países. Nestes três casos, a cultura musical e teatral que praticam foi enriquecida e pode-se observar uma clara fusão de caminhos que pareciam encontrados para as suas expressões artísticas. A forma livre e heterodoxa na interpretação do koto, na mistura de sons e danças japonesas, retoma os cânones clássicos japoneses estabelecidos a partir de uma perspectiva própria.

Show de música e dança apresentado por Akiko Iida, Yukari Hirasawa e Saburo Iida

Não só estes artistas, mas milhares de jovens nikkeis mexicanos de outras áreas fazem parte das raízes culturais e profissionais sob as quais cresceram e foram treinados. A dimensão cultural da sua vida social é criada e recriada como o sushi temperado com molho de pimenta chipotle que se enraizou no paladar dos consumidores mexicanos. Esta dimensão cultural é também o resultado da história da imigração japonesa para o México da qual fazem parte, uma história transnacionalizada mas ao mesmo tempo enraizada no país ao longo dos últimos 125 anos.

O fotógrafo Seiji Shinohara, que chegou ao México em 1976, tem se dedicado a fotografar, por todo o México, essas três gerações de imigrantes japoneses. As fotos encontram-se em uma série de livros; Num deles chamado “La Arrotilla” (arroz e tortilla), fotografou casamentos entre cidadãos do Japão e do México, como é o seu caso. As belas fotografias de Shinohara revelam os elementos com os quais esses imigrantes e descendentes das civilizações do arroz e do milho tecem o seu cotidiano.

Como outros imigrantes que se interessaram pelo México justamente pela atração exercida pelas civilizações do milho que floresceram antes da conquista espanhola, Shinji Hirai, formado pela Universidade Keio, fez sua primeira viagem ao México em 1994. Nessa viagem visitou vários zonas arqueológicas e com o objetivo de aprofundar os estudos em antropologia ingressou na Universidade Autônoma Metropolitana no mestrado e posteriormente no doutorado. Atualmente é professor-pesquisador do Centro de Pesquisa e Estudos Superiores em Antropologia (CIESAS) de Monterrey. Além das atividades acadêmicas naquela importante instituição, motivadas pelos descendentes de japoneses que viviam naquela região, lançou o programa Raíces . Este projeto comunitário busca investigar e preservar a história da migração japonesa e incentivar os descendentes a se apropriarem dela. Na verdade, Hirai ficou fascinado pelas histórias dos imigrantes japoneses que trabalharam naquela região árida. Atualmente, fazendo parte e enraizado em ambas as culturas, o seu próprio processo identitário assume uma nova perspetiva, sob novas circunstâncias, como a de quem chegou há mais de um século.

“Meu espírito nasceu e cresceu aqui”, disse o pintor Shinzaburo Takeda, que vive no México desde 1963 e se estabeleceu em Oaxaca em 1978. Este país permitiu que ele se descobrisse e se tornasse um nipo-oaxaca, como afirma. Mas Takeda também considera que o seu “coração é de uma cor vermelha ístmica”, referindo-se à identidade que a cultura oaxaca lhe conferiu.

Shinzaburo Takeda “Família Oaxaca”, Quarta exposição de pintura. Governo de Oaxaca

Se nos atermos ao coração de Takeda, depois à identidade e ao espírito Nikkei (por mais genérico e homogeneizador que essa palavra seja entendida), teríamos que procurar a sua própria cor e aroma, dependendo da raiz e das circunstâncias em que o o processo de integração dos imigrantes desenvolveu-se. O espírito Niquei e a identidade com “q” são então nutridos por conteúdos históricos específicos, particulares e vívidos, decorrentes das diversidades culturais mexicanas nas quais a imigração japonesa se enraizou em diferentes regiões do México.

O trabalho, o trabalho, a dedicação e a história de todos esses imigrantes Niquei e seus descendentes constituem o corpo e a alma das relações entre o México e o Japão. Sem os imigrantes, as relações e os investimentos japoneses, tão importantes nas últimas décadas, seriam como uma armadura luxuosa, vazia e desprovida de conteúdo.

© 2022 Sergio Hernández Galindo

aniversários comunidades Japão México migração
About the Author

Sergio Hernández Galindo é formado na Faculdade do México, se especializando em estudos japoneses. Ele publicou numerosos artigos e livros sobre a emigração japonesa para o México e América Latina.

Seu livro mais recente, Os que vieram de Nagano. Uma migração japonesa para o México (2015) aborda as histórias dos emigrantes provenientes desta Prefeitura tanto antes quanto depois da guerra. Em seu elogiado livro A guerra contra os japoneses no México. Kiso Tsuru e Masao Imuro, migrantes vigiados ele explica as consequências das disputas entre os EUA e o Japão, as quais já haviam repercutido na comunidade japonesa décadas antes do ataque a Pearl Harbor em 1941.

Ele ministrou cursos e palestras sobre este assunto em universidades na Itália, Chile, Peru e Argentina, como também no Japão, onde fazia parte do grupo de especialistas estrangeiros em Kanagawa e era bolsista da Fundação Japão, afiliada com a Universidade Nacional de Yokohama. Atualmente, ele trabalha como professor e pesquisador do Departamento de Estudos Históricos do Instituto Nacional de Antropologia e História do México.

Atualizado em abril de 2016

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!