Discover Nikkei Logo

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2021/8/4/masahiko-kimura/

A grande batalha entre Masahiko Kimura e Helio Gracie: O Osoto-gari especial e as técnicas relacionadas ao braço explodem

comentários

[Dominando as Armas] No dia 23 de outubro de 1951, Masahiko Kimura enfrentou Hélio Gracie no Estádio do Maracanã e derrotou Hélio usando sua especialidade, as armas. A família Gracie batizou essa técnica de ``Kimura'' em homenagem a Masahiko Kimura (foto fornecida)

Passei 18 anos pesquisando Masahiko Kimura, que é aclamado como o mais forte da história do judô japonês, e publiquei um livro há 10 anos. O clímax dessa história é a partida entre Masahiko Kimura e Hélio Gracie, disputada no Estádio do Maracanã em 1951.

O livro de longo título, “Por que Masahiko Kimura não matou Rikidozan?” (Shinchosha), era tão grosso e caro quanto uma enciclopédia nesta era de coisas frívolas, curtas e pequenas, e tratava de Masahiko Kimura, que havia foi esquecido pela história. Como era um produto, o mundo editorial me disse que não havia como vender.

No entanto, após reimpressão e reimpressão, as vendas atingiram um recorde de 28 capas duras apenas. Provavelmente porque este livro não é apenas uma história sobre judô, mas também permite ao leitor sentir como se estivessem viajando pelo mundo juntos através do personagem principal, Masahiko Kimura, e revivendo a história antes e depois da guerra.

Há um museu memorial chamado Museu Gracie na Califórnia, EUA, e o kimono que Elio usou quando perdeu para Masahiko Kimura está orgulhosamente exposto no local de maior destaque. Essa partida, disputada há 70 anos, não é apenas uma derrota para a família Gracie, mas um motivo de orgulho. Elio não é o único. É uma luta lendária e comentada com admiração até pelos lutadores de MMA (artes marciais mistas), que atualmente prosperam em todo o mundo.

Naquela época, Helio Gracie era um herói no mundo das artes marciais brasileiras, lutando contra boxeadores, lutadores e outros lutadores e vencendo lutas consecutivas.

Todos os judocas japoneses de Colônia tentaram derrotá-lo, mas foram todos derrotados por Elio, pois não conseguiram cumprir as duras regras de luta de Gracie até que ele foi golpeado (frustrado) ou sufocado (desmaiou). Com essa regra, não importa quantos arremessos você faça, você não vencerá por ippon como faria no judô Kodokan, e isso apenas levará a uma luta no chão, então o Gracie Jiu-Jitsu se tornou a força dominante.

A única pessoa que conseguiu competir de forma equilibrada foi Yasuichi Ono, um novato com experiência em jujutsu tradicional e discípulo direto de Yaichibei Konmitsu (ex-Rokuko Shihan). Porém, Ono lutou duas vezes e empatou, sem conseguir romper o reduto de Elio.

Os japoneses, que são os suseranos do judô, não conseguem vencer de jeito nenhum. A frustração dos nipo-americanos em Colônia atingiu o auge. Além disso, nessa altura, os nipo-americanos estavam divididos entre os “vencedores”, que acreditavam que o Japão tinha vencido na Segunda Guerra Mundial, e os “perdedores”, que reconheciam correctamente que o Japão tinha perdido. Os dois continuaram a travar um conflito sangrento, resultando em muitas vítimas. Derrotar Elio tornou-se a ordem suprema dos colonos japoneses, a fim de unificar os corações dos confusos nipo-americanos.

Masahiko Kimura em seu apogeu. Uma foto comemorativa da minha formatura na Universidade Taku quando eu tinha 22 anos. Depois de perder em 1936, Kimura nunca perdeu e se aposentou invicto, e foi elogiado como "Não houve Kimura antes de Kimura, e não houve Kimura depois de Kimura."

Depois veio Masahiko Kimura, que tinha 34 anos e estava no auge da idade adulta na época, tendo se aposentado do serviço ativo por 15 anos invicto antes e depois da guerra em seu país natal, o Japão. Ele visitou o Brasil com dois talentosos, Toshio Yamaguchi e Yukio Kato.

Kimura pesava 85 kg e não era um grande judoca de forma alguma, mas era aclamado como o “demônio Kimura” por causa de sua força e estilo violento de judô. Por mais grande que fosse, ele não era páreo para Kimura, pois quando estava em pé, podia bater na nuca e fazer seu oponente desmaiar, e quando estava deitado, conseguia dominar os braços em qualquer posição. de uma vez só.

Helio Gracie desafia Masahiko Kimura e seus amigos que estão realizando demonstrações de judô por todo o Brasil. Foi uma chance para Elio se destacar.

Masahiko Kimura anunciou que Yukio Kato, de 22 anos, seria selecionado, dizendo: “Não será até que eu apareça”. Ele é um atleta ativo com uma carreira impressionante, incluindo a vitória no Campeonato Chiba e no Campeonato Kodokan Doyukai.

Kato lança Elio na partida, para surpresa dos nipo-americanos, mas devido a essa regra, por mais que ele lance, ele não consegue vencer e o jogo termina empatado. Então, na segunda partida em um novo dia, Elio o estrangula. Um jornal brasileiro publicou uma foto de Kato desmaiando com o branco dos olhos arrancado com a manchete “O Homem Amarelo Estrangulado”.

O lado de Gracie é o auge de seus pontos fortes. Por outro lado, os colonos japoneses foram devastados. Ele invadiu o hotel onde Kimura e seu grupo estavam hospedados e apelou para ele dia após dia: “Por favor, derrote Elio!” Um dos membros do grupo, Toshio Yamaguchi, foi apelidado de “Tigre da Manchúria” e era um homem forte, pesando mais de 100 quilos, mas recusou a ideia de que estaria em desvantagem sob essas regras.

"Ok. Vou aceitar o desafio."

[Bow-waza] Masahiko Kimura tinha absoluta confiança na arma ground-waza do Gracie Jiu-Jitsu. Ele jogou Elio no chão com um Osoto-gari e continuou atacando com movimentos terrestres. Kimura pressiona as vértebras cervicais de Elio com Kesadatame (foto fornecida)

Masahiko Kimura finalmente se levanta. No dia 23 de outubro de 1951, o vice-presidente e outras importantes autoridades políticas e financeiras chegaram ao Estádio do Maracanã, e as dezenas de milhares de assentos montados dentro do campo foram lotados. Os nipo-americanos confiaram tudo a Masahiko Kimura, mas havia uma atmosfera em que os tumultos podiam eclodir, independentemente de quem ganhasse. Tanto os nipo-americanos quanto os brasileiros ficaram furiosos com a guerra por procuração. Por esse motivo, policiais armados com fuzis estavam estacionados em todo o prédio.

Nesse clima tenso, Masahiko Kimura acerta Elio na nuca com um Osoto-gari. Tentei desmaiar com isso, mas o tapete era muito macio e não consegui. Tornou-se uma partida de chão. No final, Kimura dominou a habilidade com os braços, mas Elio não bateu. Kimura não teve escolha senão quebrar o braço de Elio e vencer.

Kimura amarra os braços de Elio com seu dogi e tenta um estrangulamento triangular lateral (foto fornecida)

Mas a violência que as autoridades temiam não ocorreu. A batalha total dos dois homens cativou a multidão, com jornais brasileiros elogiando a força de Kimura e jornais japoneses elogiando a incrível força mental de seu oponente Hélio.

Masahiko Kimura morreu no Japão em 1993. Seis anos depois, Helio Gracie fez sua tão esperada primeira visita ao Japão, acompanhando seu quinto filho, Wheeler, em uma partida. Quando Elio visitou o Kodokan, viu uma foto de Masahiko Kimura e seus olhos se encheram de lágrimas.

“Só perdi uma partida de jiu-jitsu, contra o grande judoca japonês Masahiko Kimura. Lutar contra ele foi uma humilhação que jamais esquecerei, mas também é motivo de orgulho”.

Em 2010, Masuda (esquerda) conversou com o terceiro filho de Elio, Rickson Gracie, e presenteou-o com cerâmica japonesa (foto fornecida).

*Este artigo foi reimpresso de “ Nikkei Shimbun ” (24 de junho de 2021).

© 2021 Toshinari Masuda / Nikkey Shimbun

Anos 50 Brasil Brasileiros combate gerações Hélio Gracie imigrantes imigração Issei Japão judô Estádio do Maracaña artistas marciais artes marciais Masahiko Kimura migração Rio de Janeiro
About the Author

Nasceu na província de Aichi em 1965. Romancista. Abandonou a Universidade de Hokkaido. Seus livros incluem ``Por que Masahiko Kimura não matou Rikidozan?'' (Shinchosha) e ``Sete Imperadores Judoki'' (Kadokawa Shoten), e seu livro anterior ganhou o Soichi Oya Nonfiction Award e o Shincho Documentation Award.

(Atualizado em agosto de 2021)

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Discover Nikkei brandmark Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVA CONTA DE MÍDIA SOCIAL
Estamos no Instagram!
Siga-nos @descubranikkei para novos conteúdos do site, anúncios de programas e muito mais!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!