Discover Nikkei Logo

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2021/7/19/inmigracion-japonesa-peru/

Os impactos socioculturais da imigração japonesa no Peru

comentários

Como a imigração japonesa influenciou a sociedade peruana? A hipótese desta pesquisa é que a imigração japonesa para o Peru teve influência sociocultural por meio de contribuições, costumes e hábitos que permanecem em nosso cotidiano até hoje.

1. CONSEQUÊNCIAS SOCIAIS DA IMIGRAÇÃO JAPONESA

Discriminação contra descendentes de japoneses

A discriminação contra os descendentes de japoneses ocorre desde a época da imigração japonesa para o Peru até o presente. À medida que a comunidade japonesa crescia, os peruanos começaram a ver os japoneses como uma ameaça. Começou um sentimento de inquietação que os levou a criar rumores nas cidades sobre os perigos dos japoneses. 1

Os Nissei , imigrantes japoneses de segunda geração, foram os mais discriminados. Isto é visto, por exemplo, quando se discute o casamento fora da comunidade Nikkei . Muitas vezes esta situação significaria o fim das relações familiares. 2

No entanto, a discriminação contra os imigrantes japoneses não ocorreu apenas na sociedade e na família, mas também no local de trabalho.

“Quando nasci, meu pai me registrou na Embaixada do Japão porque íamos todos voltar para Nihon; Mas desde que o presidente Benavides aprovou uma lei determinando que as empresas tenham 80% de trabalhadores peruanos, meu pai se assustou e só então me registrou judicialmente no Registro Civil; Tinha medo que nos discriminassem e que no futuro não encontrássemos trabalho.” 3

Integração na sociedade peruana

Embora os descendentes de japoneses tenham sido discriminados, conseguiram integrar-se à sociedade peruana. Entre 1950 e 1970, os descendentes de japoneses começaram a se destacar individualmente, construindo assim uma identidade própria. Os sobrenomes japoneses começaram a aparecer na imprensa escrita devido à sua participação na produção esportiva, artística e intelectual. 4 Tilsa Tsuchiya nas artes plásticas e José Watanabe na poesia são alguns dos casos mais marcantes.

José Watanabe é um dos maiores nikkeis do Peru.

Após a Segunda Guerra Mundial, os japoneses começaram a aceitar a permanência no Peru e a consolidar-se economicamente com a ajuda dos filhos em empresas familiares e em pequenas empresas de panificação, têxteis e avicultura. Na vertente de organização comunitária, algumas associações foram reabertas e criadas para a realização de atividades desportivas, sociais e culturais. O Centro Cultural Japonês Peruano, que faz parte da Associação Japonesa Peruana, representa todas as instituições Nikkei. 5

Porém, em 1990, após a candidatura de Alberto Fujimori à presidência do Peru, as dúvidas quanto à identidade reapareceram. Os estereótipos foram recriados e houve discriminação e exclusão, até mesmo xenofobia em relação aos japoneses no Peru. 6 Porém, com os resultados das eleições, ficou evidente que o voto popular do seu país o elegeu porque realmente sentiam que os descendentes de japoneses faziam parte do país. Este evento revitalizaria a identidade Nikkei e o orgulho de sua cultura. 7

Embora os descendentes de japoneses tenham começado a se integrar à sociedade peruana, eles continuaram com certas tradições japonesas.

“Na minha casa foi mantida toda a tradição, desde ir ao yutá para adivinhar a sorte até os preconceitos que eles têm sobre certas coisas. Achei que a minha situação era muito boa, ia na casa dos meus amigos e eles tinham costumes totalmente diferentes.” 8

2. CONSEQUÊNCIAS CULTURAIS DA IMIGRAÇÃO JAPONESA

Comunidades japonesas

A comunidade Nikkei no Peru tem aproximadamente 50 mil pessoas e é uma das maiores do mundo. 9 Em Lima se ensina a língua e há festivais de música japonesa. Além disso, muitos descendentes de japoneses batizam seus filhos com nomes típicos para preservar a tradição. Apesar disso, muitos intelectuais de ascendência japonesa preferem adotar uma identidade peruana. 10

No Peru, além da comunidade Nikkei , existe a de Okinawa. 70% dos descendentes de japoneses no Peru têm raízes de Okinawa. No início da imigração, absolutamente todas as suas tradições, rituais e costumes eram praticados e transmitidos através de gerações. A comunidade de Okinawa é o grupo japonês que mais fielmente preserva as suas raízes culturais. Isto é influenciado pelas culturas japonesa e chinesa, uma vez que compartilha simbolismo e Santeria com a visão de mundo budista e xintoísta, bem como com o confucionismo. onze

Gastronomia

A gastronomia Nikkei surgiu da tentativa dos imigrantes japoneses de reproduzirem suas comidas utilizando elementos peruanos. Atualmente foi criada uma proposta que equilibra os sabores da culinária japonesa e peruana, conseguindo sabores equilibrados e apetitosos tanto para um peruano quanto para um japonês. 12 A partir de la época de la inmigración, los inmigrantes recordaban la comida de su país y pronto en las zonas de puertos comenzaron a crearse pequeños lugares de comida nipona elaborada con ingredientes peruanos, que al fin y al cabo era lo que los japoneses tenían a mão. 13

“Embora antes os pratos nikkeis fossem identificados principalmente com uma oferta baseada em peixes e frutos do mar, hoje oferecem um repertório muito mais amplo. A culinária Nikkei não é só sushi, sashimi ou tiraditos, há muitos pratos que podem ser feitos com base na culinária japonesa e peruana.” 14

A comida japonesa é considerada uma prática social para fortalecer os laços familiares através do respeito à natureza. A gastronomia japonesa recebeu inúmeros reconhecimentos internacionais, e a cidade de Tóquio é conhecida como a capital gastronômica do mundo. quinze

A gastronomia Nikkei surgiu da tentativa dos imigrantes japoneses de reproduzirem suas comidas utilizando elementos peruanos.

Tradições

O Japão chega até nós através da literatura ou de séries de televisão e parece tão misterioso e distante que às vezes é difícil imaginar. Porém, aquele Japão de samurais e gueixas com o tempo começou a parecer menos distante, já que as tradições não desapareceram. 16

Em 1989 foi feito um estudo para compreender a persistência cultural das antigas práticas japonesas levando em consideração religião, comida, música e idioma. Do lado religioso, 92% declararam-se católicos, apesar de os rituais budista-xintoístas ainda serem praticados num terço dos lares. No aspecto gastronômico, 70% preparavam comida japonesa; Embora 40% consumissem apenas uma vez por semana, 57% não sabiam usar os pauzinhos. A música japonesa era ouvida em apenas 14% dos domicílios de origem japonesa. Em 51% dos agregados familiares, algum membro falava a língua, embora a língua comum fosse o espanhol. Concluindo, apesar da persistência da cultura japonesa, a mistura com outras culturas foi inevitável e evidente. 17

Na cultura Nikkei peruana, a música ocidental com influência japonesa e a música popular peruana e latino-americana são muito populares. Contudo, há maior acesso à música japonesa moderna devido à facilidade de comunicação. No karaokê, um dos produtos da revitalização da música japonesa, tenta-se recuperar a linguagem. 18

“Os Nikkei de cada país e de todos os países, em geral, partilham uma história e uma cultura com raízes variadas que não se originam num Japão único e imutável. As origens, as circunstâncias e os momentos de partida foram múltiplos, assim como as variantes culturais, em línguas e dialetos, alimentos, práticas religiosas, etc. dos próprios migrantes japoneses e dos Nikkei em geral. Histórias pessoais, familiares e de grupo – ou memórias delas – permaneceram geralmente congeladas no momento da emigração.” 19

Vida quotidiana

A educação dos descendentes de japoneses sempre foi considerada a principal ferramenta de progresso. A maioria dos filhos de imigrantes nascidos antes da Segunda Guerra Mundial só obteve educação básica, pois muitas escolas japonesas foram fechadas durante a guerra. Na falta de educação, os Nissei aprenderam ofícios relacionados à relojoaria e à fotografia, enquanto as mulheres aprenderam a cortar e costurar. Durante o pós-guerra, os descendentes de japoneses começaram a ser educados em escolas nacionais e surgiram profissionais de origem japonesa. Desde 1980, não há diferenciação entre as preferências ocupacionais japonesas e peruanas. vinte

Quando os imigrantes japoneses começaram a prolongar a sua permanência no Peru, houve maior preocupação com a educação. As crianças foram educadas na língua japonesa e com programas oficiais de seu país. A primeira escola foi fundada em 1908, na Fazenda de Santa Bárbara del Valle de Cañete. Então, em 1920, a Lima Nikko começou a funcionar, matriculando 1.800 alunos. 21 Atualmente, o CEP Peruano-Japonês “La Victoria” dá continuidade à interculturalização Peruano-Japonesa para que os alunos se identifiquem com sua realidade Nikkei . 22

A maioria dos descendentes de japoneses é educada em escolas onde é ensinada a religião oficial do Peru. No entanto, durante o seu crescimento, eles tiveram a influência da religião japonesa e peruana. À medida que ocorre a miscigenação, os rituais japoneses se perdem. Há também um pequeno grupo de protestantes nikkeis em Lima que se reúnem na Igreja Evangélica Japonesa Peruana de Magdalena del Mar. As Novas Religiões, de influência budista ou xintoísta, realizam uma prática religiosa bastante intensa, mas os seguidores só são encontrados nos setores baixos. e níveis médios do Peru. 23

Notas:

1. Shona Aoyama, (2011) “ Capítulo III: Introdução aos Nikkei no Peru .” Obtido em 25 de agosto de 2012.

2. Shona Aoyama, (2011): Rede.

3. Doris Moromisato Misato. Op. cit. pág. 252.

4. Amélia Morimoto. (1999). Os japoneses e seus descendentes no Peru . Lima: Fundo Editorial do Congresso do Peru. Págs.175-181.

5. José Watanabe et al. (1999). A memória do olho: cem anos de presença japonesa no Peru . Lima: Congresso da República do Peru. pp. 115-116.

6. Ibidem.

7. Maria Fukumoto, (1997). Rumo a um novo sol. Japoneses e seus descendentes no Peru . Lima: Associação Japonesa Peruana do Peru. pág. 564.

8. Moromisato Misato, (1999): p. 266.

9. Associação Peruano-Japonesa (1998-2008). Comunidade Nikkei no Peru . Obtido em 3 de junho de 2012.

10. Fukumoto (1997): pp. 558-560.

11. Doris Moromisato (2007). “ A nação de Okinawa no Peru ” em Ser Nikkei no Peru: Uma marca de identidade. Obtido em 10 de julho de 2012.

12. Sabores Kaikan (2010). "Mitsuharu Tsumura: tradição japonesa com coração peruano", Revista Kaikan . Lima. Outubro de 2010, Ano XV, nº 67. pág. 25.

13. “ Nikkei, do índice de ações à tendência gastronômica peruana ”, El Comercio (2011) . Obtido em 10 de julho de 2012.

14. Jhohana Pujay Huete, (2010). "Sedução Nikkei", Revista Kaikan . Lima. Outubro de 2010, Ano XV, nº 67. pág. 14.

15. “ A gastronomia japonesa pretende tornar-se Patrimônio Cultural da Humanidade ”, El Comercio (2012). Obtido em 10 de julho de 2012.

16. “Festival de Cultura Japonesa”, Revista Kaikan . Lima. Novembro de 2011, Ano XVI, N°61. pp. 4-5.

17. Morimoto, (1999): pp. 168-173.

18. Fukumoto, (1997): pp. 470-474.

19. Moromisato, (2009): Web.

20. Morimoto, (1999): pp. 163-164.

21. Watanabe, (1999): pp. 165-166.

22. Peru Kumamoto Kenjinkai, (2003): pp. 205-206.

23. Fukumoto, (1997): pp. 504-505.

BIBLIOGRAFIA

Nikkei, do índice da bolsa à tendência gastronômica peruana .” Troca . 2011. Obtido em 10 de julho de 2012.

A gastronomia japonesa busca se tornar Patrimônio Cultural da Humanidade .” Troca . 2012. Obtido em 10 de julho de 2012.

Aoyama, Shana. (2011). “ Capítulo III: Introdução aos Nikkei no Peru .” Obtido em 25 de agosto de 2012.

ASSOCIAÇÃO JAPONESA PERUANA (1998-2008). Comunidade Nikkei no Peru. Obtido em 3 de junho de 2012 em http://www.apj.org.pe/comunidad-nikkei-peru/resena

FUKUMOTO, Maria. (1997). Rumo a um novo sol. Japoneses e seus descendentes no Peru . Lima: Associação Japonesa Peruana do Peru.

SABORES KAIKAN. (2010). “Mitsuharu Tsumura: tradição japonesa com coração peruano.” Revista Kaikan . Lima. Outubro de 2010, Ano XV, nº 67. pág. 25.

KAIKAN. (2011). “Festival de Cultura Japonesa.” Revista Kaikan . Lima. Novembro de 2011, Ano XVI, N°61. pp. 4-5.

MORIMOTO, Amélia. (1999). Os japoneses e seus descendentes no Peru. Lima: Fundo Editorial do Congresso do Peru.

MOROMISATO, Doris (2007). Ser Nikkei no Peru: uma marca de identidade.Mulheres Nikkei: Guardiãs da Comunidade Peruano-Japonesa .” Obtido em 10 de julho de 2012.

MOROMISATO, Doris (2007). Ser Nikkei no Peru: uma marca de identidade.A nação de Okinawa no Peru. ” Obtido em 10 de julho de 2012.

MOROMISATO MIASATO, Doris. (1999). Okinawa Shi Kyoyukai do Peru: testemunhos de vida e homenagem ao vigésimo aniversário da vida institucional (1979-1999) . Lima: Okinawa Shi Kyoyukai do Peru.

PERU KUMAMOTO KENJINKAI (2003): pp. 205-206.

PUJAY HUETE, Jhohana. (2010). “Sedução Nikkei.” Revista Kaikan . Lima. Outubro de 2010, Ano XV, nº 67. pág. 14.

WATANABE, José et al. (1999). A memória do olho: cem anos de presença japonesa no Peru. Lima: Congresso da República do Peru

*Este texto é uma adaptação de uma monografia que a autora produziu quando cursava o ensino médio, intitulada “Os impactos socioculturais da imigração japonesa no Peru”.

© 2021 Ana Claudia Higashi Suárez

Os Favoritos da Comunidade Nima-kai

Todos os artigos enviados para esta série especial das Crônicas Nikkeis concorreram para o título de favorito da nossa comunidade. Agradecemos a todos que votaram!

22 Estrelas
cultura discriminação relações interpessoais migração Peru
Sobre esta série

O tema da 10ª edição das Crônicas NikkeisGerações Nikkeis: Conectando Famílias e Comunidades—abrange as relações intergeracionais nas comunidades nikkeis em todo o mundo, tendo como foco especial as emergentes gerações mais jovens de nikkeis e o tipo de conexão que eles têm (ou não têm) com as suas raízes e as gerações mais velhas. 

O Descubra Nikkei aceitou histórias relacionadas ao Gerações Nikkeis de maio a setembro de 2021; a votação foi encerrada em 8 de novembro. Recebemos 31 histórias (21 em inglês, 2 em japonês, 3 em espanhol e 7 em português) da Austrália, Brasil, Canadá, Estados Unidos, Japão, Nova Zelândia e Peru. Algumas foram enviadas em múltiplos idiomas.

Solicitamos ao nosso Comitê Editorial para escolher as suas histórias favoritas. Nossa comunidade Nima-kai também votou nas que gostaram. Aqui estão as favoritas selecionadas pelo comitê editorial e pela Nima-kai! (*Estamos em processo de tradução das histórias selecionadas.)

A Favorita do Comitê Editorial

Escolha do Nima-kai:

Para maiores informações sobre este projeto literário >> 

* Patrocinador de la comunidad:

        ASEBEX

   

 

Confira estas outras séries de Crônicas Nikkeis >>

Mais informações
About the Author

Ana Claudia Higashi Suárez tem 24 anos e é formada em Comunicação para o Desenvolvimento, interessada em questões de gênero e diversidade, educação e interculturalidade. Ela é descendente de japoneses e afro-peruanos.

Última atualização em julho de 2021

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Discover Nikkei brandmark Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVA CONTA DE MÍDIA SOCIAL
Estamos no Instagram!
Siga-nos @descubranikkei para novos conteúdos do site, anúncios de programas e muito mais!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!