Descubra Nikkei

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2016/12/21/xenofobicos-2/

Um pouco de história e tentativas xenófobas contra os japoneses que fizeram do Chile sua segunda pátria - Parte 2

Leia a parte 1 >>

CONSEQUÊNCIAS DERIVADAS DESTAS CAUSAS

  1. No Chile não existe Colônia Japonesa devido à persistente campanha realizada pelos grupos de poder do século passado para evitar o perigo da presença interna de um grupo japonês que, através de trabalho excessivo, poderia se apropriar de suas muitas terras, devido ao seu " multiplicação em progressão geométrica” e pelo seu perigo histórico de grupo.

  2. A dificuldade de encontrar um emprego de acordo com as suas capacidades e méritos devido às políticas de “portas fechadas” que favoreciam descaradamente o imigrante branco (até mesmo sobre os próprios locais), bem como devido ao nível de subdesenvolvimento em que o país se encontrava. Esta situação obrigou os japoneses a ganhar a vida em ocupações independentes e com custos mínimos (cabeleireiro, por exemplo), recorrendo a pequenos negócios e outras ocupações básicas. Portanto, esse japonês localizou sua casa nos bairros populares. (Este japonês tinha um mínimo de ensino secundário ou qualificações profissionais de nível superior, enquanto o analfabetismo chileno ultrapassava os 50%. Da mesma forma, o seu nível cultural excedia em muito o do imigrante branco).

  3. A presença no Chile apenas de japoneses solitários, o seu baixo número, a falta de reconhecimento dado pelos governos chilenos ou japoneses e a precariedade das suas ocupações instáveis... além das suas dificuldades de comunicação; Forçou-os a dispersar-se geograficamente em busca de alguma estabilidade. Esse distanciamento uns dos outros fez com que, ao formarem uma família, se relacionassem apenas com a vizinhança imediata, sem ter pares próximos com quem compartilhar a iniciação dos filhos na cultura japonesa. Reverter esta situação era agora impossível...já que o seu lugar definitivo de permanência só poderia ser estas generosas terras chilenas, apenas impedidas por aquele persistente véu xenófobo que flutuava sobre as suas cabeças.

    Desta dura realidade deve ter surgido aquela frase dos pais japoneses para não obscurecer o destino dos seus filhos: “Se vão viver no Chile, que sejam chilenos”. E centraram a sua existência no papel de provedores para lhes garantir a melhor educação local possível como única herança, enquanto imersos no silêncio tentavam deixar para trás o seu “ser japonês”. Assim, educá-los formalmente, mas “ao estilo chileno”, era a principal preocupação do lar. Isso significava que praticamente nenhuma criança aprendia a língua japonesa ou se relacionava com sua cultura.

A situação resultante coloca a família nikkei chilena no seu isolamento, marcada influência do seu ambiente e silêncio paterno; tem que apresentar algumas características que são apenas do Chile, naturalmente matizadas com a inevitável contribuição de sua gênese ancestral. Talvez pela mesma razão, embora muita água tenha corrido por baixo da ponte, cada família continua a viver separada do resto dos seus pares, com pouca ou nenhuma comunicação. Suas relações limitam-se às contribuições que seus filhos trazem para casa, não falam a língua japonesa, os jovens visam obter prêmios profissionais de nível superior, sua cultura dominante é a cultura ocidental chilena e continuam a visualizar o Japão com quase a mesma distância com que seus ancestrais o viram. Formam lares com mulheres chilenas e continuam a dar preferência ao silêncio e ao anonimato. Claro, eles agora estão localizados no nível de classe média, distinguidos no nível social e de trabalho pela honestidade (“ makoto ”) e honrabilidade (“ meiyo ”), caso contrário, comportamento quase obrigatório para todos aqueles que carregam sangue japonês.


CARACTERÍSTICAS DOS PRIMEIROS AVENTUREIROS QUE FICARAM NO CHILE

Como já dissemos, nenhum japonês entrou no Chile em grupo. Aqueles que chegaram desde o início do século XX eram alheios a qualquer relação familiar, geográfica ou temporal. Eles chegaram um por um em calendários diferentes e de diferentes prefeituras. Boa parte veio daquela pequena burguesia que ainda mantinha a tradição de premiar os filhos que concluíssem com êxito os estudos (médio ou superior) com uma viagem ao exterior onde atingiriam definitivamente a maioridade e ao retornar escolheriam uma esposa e levariam suas famílias ... respectivos papéis de adulto dentro da Família…. Com apenas esses dados temos o essencial para tentar um esboço desses japoneses que de uma forma ou de outra ficaram presos no Chile:

  1. Eles não vieram para ficar e nem vieram para o Chile. Eles eram apenas pessoas de passagem. A essa altura, os japoneses sabiam que a América do Sul abrigava o Brasil e a Argentina e alguns portos, mas quase nada mais. Tudo o que faltasse seria recolhido através da aventura e do desejo de apreender.

    É claro que eles viajaram com o dinheiro dos pais porque o custo da passagem era oneroso por si só, além de alguma mesada. Desembarcaram em um porto do lado oeste ou leste, dependendo da rota, e de lá seguiram para o sul! A ideia mais ousada era chegar à ponta continental e isso significava a Argentina ou o quase anônimo Chile. Mas não lhes faltou o que sabiam sobre um Chile parecido com o Japão e até com um vulcão quase igual ao Fuji (o que já dizia muito)... e ficaram encantados com as suas belezas e a gentileza do seu povo.

Vulcão Osorno (FONTE: Arquivo do autor)

  1. Agora a volta era necessária, mas a passagem de volta não estava incluída na viagem. Quem não economizou o necessário teve que trabalhar! para conseguir o que lhes faltava... E assim fizeram, assumindo qualquer ocupação no processo porque todo trabalho é digno. O problema era que os empregos eram escassos e mal remunerados (as razões já foram dadas) e a passagem do tempo além do esperado, tornava a espera penosa.

    Agora, a pergunta que se coloca para nós, ocidentais, é: Por que, vindos de famílias ricas, não mandaram pedir o que era necessário para voltar?

    Simples. Porque a dignidade japonesa não permite pedir ajuda para algo que deve ser resolvido pessoalmente. (Se a solução não for alcançada, você morre tentando)... E isso aconteceu com aqueles que ficaram para trás no Chile por não terem superado uma barreira cada vez mais alta (também não poderiam voltar como fracassados).

    Após esforços infrutíferos de até dez anos, eles mudaram o rumo de suas vidas. O seu novo e fundamental objetivo era dar continuidade à sua linhagem, ao seu sobrenome. (Esta plantação atesta a origem daqueles que se casaram com uma chilena. Portanto, dentro dos nossos Nikkei há - em percentagem do seu número - um bom número de sobrenomes antigos).


ESCLARECIMENTOS FINAIS

Basicamente dois. A primeira é que esta história é escrita tendo em conta os antecedentes globais, apenas abordando maiorias significativas que deixam de fora aquelas minorias obrigatórias que ocorrem em cada conglomerado, por menor que seja o seu universo.

Por exemplo, houve crianças que aprenderam a língua japonesa, especialmente aquelas que faziam parte de um casamento onde a mãe era japonesa (muito poucas de outra forma) e outras que eram mais velhas e saíram para procurá-la. Nem significa que todos se casaram com uma chilena, nem todos vieram dessa classe burguesa esclarecida. Na verdade, alguns eram colonos que deixaram o Peru, outros eram tripulantes que desembarcaram de seus navios de carga, e houve também aqueles que levantaram o dinheiro necessário de ienes em ienes para comprar uma passagem para o Chile. Da mesma forma, havia vários no partido que ocupavam cargos em suas especialidades como paisagistas, agrônomos, contadores, floricultores, etc.

Depois do ano 30, chegaram até algumas famílias que traziam como objetivo o Chile, somadas às que respondiam a “chamados” (nunca a parentes). Além disso, no início dos anos 40 tínhamos famílias com total estabilidade e um certo bem-estar. …E assim as exceções continuam.

Dados do censo do Chile (FONTE: Gráfico de Naomi Hirose – arquivo do autor)

Nem significa que quando chegarmos ao século XXI tudo estará alcançado. Na realidade, ainda há muito a alcançar. Na verdade, ainda temos nikkeis que não conseguem ingressar ou passar nos estudos superiores, embora quase pudéssemos afirmar que culturalmente falando, os nikkeis chilenos tiveram sucesso. Daí a razão da sua ascensão na escala social e laboral no Chile. Além disso, a partir da década de 1980, quando o reconhecimento global colocou o Japão entre as principais potências, a percepção dos Nikkei chilenos através dos olhos do povo tornou-se visivelmente positiva, assim como tudo relacionado à cultura japonesa.

O segundo esclarecimento deseja enfatizar o que já foi dito. As tentativas xenófobas contra a raça japonesa no Chile não alcançaram a repercussão desejada porque, simplesmente, a maioria da população acabou ignorando a história de “o lobo está chegando”. Eles fracassaram no norte porque os pampinos conviveram diariamente com os poucos japoneses estabelecidos que desempenhavam ocupações de serviço, necessárias às suas vidas como mineiros, mas não relacionadas à extração em si. Portanto, seus trabalhos se complementavam, mas sem possibilidade de personificação.

Japonês rebaixado para Peumo. Ele teve que cumprir pena com sua família – 1943-1945. (FONTE: Fotografia de propriedade da família Shinya)

Algo semelhante aconteceu durante a Guerra do Pacífico. Nem a maioria do povo participou nas perseguições e abusos contra os japoneses. O que aconteceu foi planejado por organizações norte-americanas e grupos de poder chilenos, os mesmos conhecidos desde o início do século. Ambos os coniventes conspiraram com uma imprensa corrupta, com uma infinidade de servidores comprados com dinheiro ou com desinformação e com um departamento de polícia chileno que se encarregou entusiasticamente da aplicação das sanções, mas, não por obediência, patriotismo ou xenofobia, mas apenas por causa do oportunidade de espoliar e abusar de pessoas privadas de todos os direitos. (Assim, ao escolherem as vítimas, escolheram aquelas que poderiam extorquir ou tomar os seus bens).

Por outro lado, as nossas autoridades governamentais mantiveram teimosamente um nível de neutralidade, contendo a declaração de guerra contra o Japão até quase o seu fim (11 de abril de 1945). Por outro lado, aquela massa popular que deveria receber expulsos e relegados em suas cidades, certamente, uma parte os ignorou, mas a maioria lhes deu ajuda e, dificilmente, alguém tentou agredir uma pessoa vitimada.

© 2016 Ariel Takeda

Chile discriminação emoções medo relações interpessoais neuroses fobias racismo xenofobia
About the Author

Ariel Takeda é professor formado em Letras. Um nisei, Takeda nasceu e cresceu no sul do Chile. Há seis anos, ele trabalha como diretor e escritor do boletim “Informativo Nikkei” da Sociedade Beneficente Japonesa. Em 2002, ele foi o autor principal do capítulo sobre a emigração japonesa na Enciclopédia dos Descendentes Japoneses nas Américas: Uma História Ilustrada dos Nikkeis (AltaMira Press). Em 2006, Takeda publicou o livro Anedotário Histórico: Nipo-Chilenos (primeira metade do século XX). Ele continua a pesquisar e escrever sobre a cultura japonesa. Atualmente, ele está trabalhando no projeto “Nipo-Chilenos – Segunda Metade do Século XX)” e no romance “O Nikkei – À Sombra do Samurai”.

Atualizado em novembro de 2012

 

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!