Discover Nikkei Logo

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2013/6/3/does-terminology-matter/

A terminologia importa?

comentários

Nos últimos anos, a comunidade Nikkei envolveu-se numa discussão renovada para rejeitar os termos eufemísticos e falsos que o governo utilizou para minimizar a natureza injusta e desumana do encarceramento nipo-americano.

De 2009 a 2011, o Museu Nacional Nipo-Americano, o Comitê Manzanar, o Comitê Tule Lake e a Cátedra George & Sakaye Aratani da UCLA em Encarceramento, Reparação e Comunidade Nipo-Americana organizaram workshops e simpósios comunitários no sul e no norte da Califórnia para estimular discussão e desenvolver consenso sobre a substituição de termos imprecisos e eufemísticos que descrevem a experiência nipo-americana.

Nas sessões plenárias nas Convenções Nacionais da Liga dos Cidadãos Nipo-Americanos de 2010, 2011 e 2012, os membros de base do JACL aprovaram por esmagadora maioria uma resolução para promover o uso de terminologia precisa e não eufemística. Os delegados do capítulo aprovaram por unanimidade um manual de 14 páginas do Poder das Palavras, “Um Guia de Linguagem sobre Nipo-Americanos na Segunda Guerra Mundial: Compreendendo Eufemismos e Terminologia Preferida”. Inclui uma lista de eufemismos e sugere contrapartes mais precisas, incluindo uma recomendação para usar “campo de concentração americano” e não “centro de realocação” quando se referir aos campos da Autoridade de Relocação de Guerra (WRA).

Implícita nestas discussões sobre a terminologia está a importância da comunidade nipo-americana desenvolver uma voz colectiva, uma forma de garantir um maior controlo sobre a forma como a nossa história e experiências serão lembradas pelas gerações futuras. Instituições governamentais como o Serviço Nacional de Parques, encarregadas de interpretar e preservar a vergonhosa história do encarceramento nipo-americano, devem responder às preocupações da comunidade, compreendendo que a linguagem que utilizam é ​​uma parte importante da apresentação de uma representação verdadeira desses eventos.

“Quem controla o vocabulário, controla a narrativa”, observou Tetsuden Kashima no “Cast in Bronze”, o simpósio sobre terminologia do norte da Califórnia, realizado em Japantown, São Francisco, em outubro de 2011. O livro de Kashima, Julgamento Sem Julgamento , examina a rede de prisões que encarcerou pessoas de ascendência japonesa durante a Segunda Guerra Mundial. Ele discutiu “internamento”, um dos termos mais comumente usados ​​de forma errada; usado corretamente, aplica-se a cidadãos não americanos presos pelo Departamento de Justiça. Os internados, ou “estrangeiros inimigos”, foram protegidos de maus-tratos nos campos do DOJ pelas Convenções de Genebra. Os internados desfrutavam de melhores condições de alimentação, tratamento e vida. Em contraste, os campos de concentração da WRA não tinham um Estado de direito e os presos, a maioria dos quais eram cidadãos americanos, não eram protegidos pela Constituição ou pela Declaração de Direitos.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a WRA e o Exército dos EUA usaram deliberadamente termos como “evacuação” e “relocalização” para evocar imagens de resgate e para ocultar violações dos direitos civis e humanos. “Camp” parecia diversão e recreação. A linguagem propagandística deixou um legado duradouro, criando duas classes de nipo-americanos – “leais” ou “desleais” – e aqueles que protestaram contra a injustiça do seu encarceramento em massa foram segregados numa classe desprezada de indesejáveis ​​– “desleais” a quem o governo visava. deportação em massa.

No início da década de 1970, uma geração de sobreviventes do encarceramento nissei procurou desenvolver uma resposta da comunidade nipo-americana ao injusto encarceramento em massa. Estes apaixonados activistas nisseis explicaram o uso pelo governo de palavras mentirosas e de linguagem dissimulada para esconder um chocante abuso de poder.

Eles incluem pessoas como JACLer Edison Uno, o pai da reparação, que escreveu “Concentration Camps American-style” (1974); Sue Kunitomi Embrey, do Comitê Manzanar, “Campos de Concentração, Não Centros de Relocação” (1976); Raymond Y. Okamura, “Os campos de concentração americanos, um encobrimento através da terminologia eufemística” (1982); e James Hirabayashi, “ Campo de concentração ou centro de realocação, o que há em um nome? ”(1994).

Mais recentemente, Aiko Herzig-Yoshinaga deu-nos “ Words Can Lie or Clarify ” (2010); e o ativista do JACL de Seattle, Mako Nakagawa, lançaram o movimento “ O Poder das Palavras ” dentro do JACL. Ambos ajudaram a reavivar a discussão terminológica para uma geração que não passou pela experiência do encarceramento. (Todos os artigos estão publicados em: www.nps.gov/tule/forteachers/suggestedreading.htm )

A mensagem que cada um deles tem reiterado, década após década, é a necessidade de os nipo-americanos pararem de usar a linguagem enganosa do opressor. A segunda mensagem diz respeito ao direito e à responsabilidade que os nipo-americanos têm de definir a nossa própria experiência.

“Não precisamos pedir permissão a outros para chamar a nossa experiência como queremos chamá-la”, afirmou Mako Nakagawa enfaticamente. “Claro, vamos ouvir o que os outros têm a dizer, mas trata-se da nossa experiência, da nossa história, contada do nosso ponto de vista. Nenhum outro grupo ou indivíduo tem o direito de decidir se podemos usar o termo ‘campos de concentração’ ou qualquer outro termo que queiramos usar.”

O Serviço Nacional de Parques em breve assumirá a tarefa de examinar a história complexa e carregada de eufemismos de Tule Lake para descobrir como essa história será escrita e lembrada pelas gerações futuras. Os próximos anos desafiarão os sobreviventes de Tule Lake, os descendentes de ex-presidiários e outros defensores dos nikkeis a trabalharem para garantir que a extraordinária história oculta de Tule Lake seja devidamente contada.

*Este artigo foi publicado originalmente na edição de Ano Novo de 2013 do Nichi Bei Weekly.

© 2013 Barbara Takei

campos de concentração eufemismos aprisionamento encarceramento Museu Nacional Nipo-Americano Museu Nacional Nipo-Americano (organização) terminologia Segunda Guerra Mundial Campos de concentração da Segunda Guerra Mundial
About the Author

Barbara Takei é uma Sansei nascida em Detroit cuja introdução no movimento asiático-americano no final dos anos 60 foi Grace Lee Boggs e a Aliança Política Asiática de Detroit. Ela ficou intrigada com as histórias perdidas de dissidência nipo-americana contra o encarceramento injusto durante décadas, mas foi só na sua primeira peregrinação ao Lago Tule, em 2000, que ela percebeu que o protesto pacífico durante a Segunda Guerra Mundial foi apagado, demonizando-o como “deslealdade pró-Japão”. Nas últimas duas décadas, ela serviu como oficial do Tule Lake Committee, uma organização sem fins lucrativos, e se dedicou a preservar o Lago Tule como local de resistência aos direitos civis nipo-americanos.

Atualizado em janeiro de 2023

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Discover Nikkei brandmark Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVA CONTA DE MÍDIA SOCIAL
Estamos no Instagram!
Siga-nos @descubranikkei para novos conteúdos do site, anúncios de programas e muito mais!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!