Discover Nikkei Logo

https://www.discovernikkei.org/pt/journal/2009/9/16/copani-2009/

Os Nikkei no Peru II: Identidade e cultura

2 comments

Na XV Conferência Pan-Americana Nikkei (Copani), que será realizada na cidade de Montevidéu, Uruguai, na terceira semana deste mês, o Museu Nacional Nipo-Americano, por meio do Projeto Descubra Nikkei, ficará a cargo da mesa (workshop ) que abordará – em sua segunda sessão – o tema “Multirracialidade e multietnicidade nas Comunidades Nikkei”. Este segundo tópico levanta, em princípio, as questões: o que é Nikkei? e quem é Nikkei? Então, partindo da observação de que muitos Nikkei hoje têm uma herança racial mista com raízes apenas parciais no Japão, acrescentam-se as seguintes questões: Isto significa que as comunidades Nikkei estão a expandir-se? Ou os Nikkei desaparecerão no futuro? Como conectamos a identidade, a cultura e a tradição dos Nikkei? O que nos torna nikkeis? Nesta sessão, os palestrantes apresentarão o tema da identidade multirracial e multiétnica a partir da perspectiva Nikkei. 1

Introdução

Para tentar responder a questões tão complexas, perguntemo-nos primeiro outras questões mais primárias relacionadas com os Nikkei no Peru: houve e existe uma comunidade Nikkei no Peru? Como e com que base foi formado? , para então chegar às questões levantadas para esta mesa de trabalho.

1. Como se formou a comunidade Nikkei no Peru?

A organização. Em primeiro lugar, podemos afirmar que houve e existe uma comunidade Nikkei no Peru, pelo menos com uma base institucional que por vezes totalizou cerca de 60 organizações, clubes e associações durante as últimas 3 décadas do século passado. Foi e é, da mesma forma, uma comunidade geograficamente dispersa, principalmente ao longo da costa peruana, e nas montanhas e na selva. A sua concentração, no entanto, aumentou ao longo do tempo – devido à migração interna – nas províncias de Lima e Callao, a tal ponto que mais de 90% 2 da população de origem japonesa reside nestes locais, especialmente nos diferentes distritos da Lima metropolitana. hoje.

Os primeiros indícios da constituição desta comunidade encontram-se nas circunstâncias e locais de emigração do Japão, nos portos de partida e durante as viagens de navio. Durante o período de imigração contratada no Peru (1899-1923), os imigrantes japoneses realizaram viagens e foram distribuídos geográfica e ocupacionalmente no Peru, de acordo com o local de origem (a prefeitura japonesa), o que permitiu a concentração de famílias, parentes e conterrâneos em diferentes partes do país, ao mesmo tempo que a sua reprodução social e cultural.

Tais eventos constituíram as bases para a construção inicial de uma organização social Nikkei maior: os kenjinkai e sonjinkai (clubes representativos de prefeituras, províncias e cidades menores no Japão) e filiais da Sociedade Central Japonesa (atual Associação Japonesa Peruana), criada em 1917 , em províncias e departamentos peruanos que contavam com um número significativo de famílias de origem japonesa. Porém, as primeiras organizações formais japonesas ou nikkeis no Peru foram sindicatos (de profissão), como o dos cabeleireiros, criado em 1907 e que foi a primeira organização representativa dos japoneses no país.


Famílias e imigração de mulheres japonesas. Famílias e mulheres japonesas chegaram ao Peru pela primeira vez como parte do segundo contingente de imigrantes em 1903. Para os proprietários de terras peruanos e empresas de imigração japonesas, a presença de mulheres e a consequente formação de famílias japonesas ou a entrada de famílias completas permitiriam maior disciplina e produtividade no trabalho durante o período de imigração contratada (1899-1923). No entanto, até ao final deste período, apenas foram admitidas 2.145 mulheres e 226 crianças, comparativamente ao valor maioritário de 15.887 homens adultos.

Somente a partir da segunda década do século XX é que as mulheres japonesas começaram a chegar na modalidade de “casamento por fotografias”, além de famílias completas e esposas e filhos de pessoas casadas já estabelecidas no país. Como em outros países do continente americano, foi solicitado aos homens solteiros que procurassem esposas através de agências japonesas ou através de parentes e amigos em suas próprias cidades de origem. Esta prática, no entanto, limitava-se àqueles que tinham conseguido acumular uma pequena fortuna ou, pelo menos, alguma estabilidade económica, devido ao custo envolvido em trazer esposas do Japão. A união com as mulheres peruanas, por outro lado, já havia começado, especialmente nas províncias peruanas onde a população japonesa estava menos concentrada.

A disparidade entre as figuras masculinas e femininas japonesas, notável na geração Issei, desapareceu com o nascimento das novas gerações. Os resultados dos censos populacionais Nikkei de 1966 e 1989 mostram uma quase paridade numérica entre os géneros. Apesar desta paridade e da suposta endogamia nesta população, a mistura racial é actualmente cada vez mais evidente entre os Nikkei e, embora este processo tenha começado com a geração imigrante, nas últimas duas décadas em que a geração numericamente predominante é a dos sansei (terceira geração ou netos de imigrantes), as uniões mistas e a consequente mistura racial parecem ter-se multiplicado.

Cultura japonesa ou Nikkei. A presença das famílias, principalmente das mães japonesas e depois dos nikkeis, somada aos clubes das províncias (kenjinkai, sonjinkai) e outras organizações nikkeis, permitiu a recriação e transmissão de costumes, costumes, crenças, religiões, etc. de diferentes regiões do Japão de onde vieram os imigrantes, bem como das línguas japonesas e das ilhas Ryu Kyu e seus dialetos (especialmente em seus usos domésticos). A tudo isso - uma vez culminado o processo migratório massivo do povo japonês - foram acrescentadas novas fontes e elementos da cultura do país de origem, via intercâmbios e também através de modas internacionais que divulgam periodicamente elementos ou expressões culturais japonesas. A cultura japonesa ou nikkei trazida pelos imigrantes não era, portanto, única ou uniforme; a miscigenação ou mistura e a inovação com incorporação de novos elementos sempre estiveram presentes.

2. O que e quem é Nikkei? O que nos torna nikkeis?

Antes de tentar dar respostas a tais questões, apresentando certos casos ou experiências, queremos sugerir que, a nível real, é difícil dar uma resposta única.

O censo Nikkei de 1989. As questões do subtítulo também foram levantadas, e desde o início, num estudo que realizamos há duas décadas, na fase de preparação do segundo censo nacional Nikkei no Peru em 1989 3 . E, de facto, definir quem eram Nikkeis e como seriam incorporados nesse registo foi um aspecto fundamental.

Por se tratar de um estudo formulado, organizado e executado por uma equipe de profissionais e estudantes universitários e de ensino superior, as abordagens também foram realizadas a partir de nível técnico 4 . O ponto de partida foi uma definição da população a ser recenseada que considerasse que todas elas tinham a origem como principal característica comum. Foi por esta razão que passamos a utilizar as expressões: “de origem japonesa” (e às vezes “Nikkei” como sinônimo, após definição explícita) e “população”, para evitar conceitos mais complexos como “comunidade”. A categoria “população de origem japonesa” envolveria os imigrantes japoneses e todos os seus descendentes no Peru.

O “como” localizar esta população foi, ao mesmo tempo, uma tarefa que nos ajudaria a localizar eficazmente as famílias e os indivíduos que seriam recenseados, mas ao mesmo tempo tornou-se uma espécie de experiência que nos permitiu conhecer o limita os dados quantitativos do que seria a comunidade Nikkei e seus vínculos ou a falta deles. A aplicação do conceito de redes sociais – que também foram observados em estudos anteriores e posteriores sobre a população de origem japonesa e outras migrações, especialmente asiáticas na América Latina – ajudou-nos a localizar 28% da população de origem japonesa. Este último, após um primeiro grupo, representando 32% da população censitária, foi localizado através do cadastro cruzado de associados das organizações Nikkei.

Esses 28% eram parentes, amigos e conhecidos do primeiro grupo detectado e que, ao mesmo tempo, forneciam novos dados para a localização de outros Nikkeis e assim sucessivamente até que as redes se esgotassem. Esses 28%, além de não pertencerem a nenhuma organização Nikkei, também não participavam de canais de comunicação interna, como jornais Nikkei e outros meios de comunicação. Os 40% restantes dos cadastrados foram localizados exclusivamente por meio de avisos em jornais e outros registros nacionais, além de dados fornecidos por fontes não Nikkei em distritos e cidades menores de Lima e outras províncias do país.

O fenômeno Dekasegi. Paralelamente ao censo de 1989, começou no Peru o fenômeno Dekasegi, ou a emigração de descendentes de japoneses para trabalhar temporariamente em fábricas e outros empregos no Japão. Esta oportunidade de emprego aberta para os Nikkei foi a forma mais eficaz de aproximar aqueles que se consideravam Nikkei e aqueles que lhes estavam ligados através do casamento.

Nas mais de duas décadas que durou este processo, diversas fontes divulgaram números para os emigrantes: entre 50 e 70 mil, quando no referido censo e na sua projeção estatística para os anos seguintes, os resultados para a população total nikkei foram: 45.644 (1989) e 61.000 (2009). Ou seja, comparando os dois números: se os emigrantes nikkeis fossem reais, os nikkeis teriam quase desaparecido do Peru em determinados momentos.

A explicação para esta multiplicação dos dekasegi nikkeis estaria antes no fato de que milhares de peruanos não nikkeis (e sem parentesco real com os nikkeis) emigraram para o Japão – como foi evidenciado por diversas fontes (depoimentos e jornalistas, entre outros) – com documentos falsificados que os credenciavam como tal, como os adultos adoptados fraudulentamente por alguns nikkeis locais. A isto acrescentar-se-iam os emigrantes sob a prática relativamente recente de casamentos falsos com homens e mulheres nikkeis, e através de uma espécie de “venda de identidade” como nas adopções.

Cultura japonesa em números. No censo de 1989 – com base em estudos anteriores e devido à oportunidade de realizar uma pesquisa massiva – também introduzimos questões relacionadas com aspectos da cultura japonesa que poderiam ser mensuráveis. Assim, questionamos sobre aspectos religiosos e da vida cotidiana, como língua, alimentação e outras práticas. Como resultado, constatamos que mais de 92% se declararam católicos, enquanto em 30% dos lares persistiam práticas e rituais funerários de raiz budista, num claro exemplo – ao mesmo tempo – de assimilação religiosa em relação ao ambiente nacional e também de uma mistura parcial de práticas nesse sentido.

Por outro lado, o consumo de comida japonesa (70% dos domicílios) e o uso da língua japonesa (51%) também indicariam persistência, embora outras variáveis ​​indicassem que tais usos também eram parciais, devido à sua baixa frequência e intensidade : uma vez por semana, em relação à alimentação, e apenas algumas palavras e expressões de uso doméstico, em relação à linguagem. Portanto, houve um consumo mais frequente de alimentos locais, por um lado, e o uso da língua espanhola como língua principal, por outro.

A pergunta que nos fizemos antes e depois destes resultados foi e é: quão japonesa é esta população? Ou que japonês persiste nesta população? . E ficamos nos perguntando: o que é Nikkei? E o que nos torna nikkeis?

3. Como conectamos a identidade, a cultura e a tradição dos Nikkei?

Antes deste subtítulo, outras duas questões foram levantadas na proposta deste grupo de trabalho: as comunidades Nikkei estão se expandindo? , em comparação com outra que implicaria uma perspectiva contrária: os Nikkei desaparecerão? Tais questões sugeririam a consideração tácita da coexistência de níveis ou instâncias: o interno e o externo ou o ambiente. Se não, para quê e para onde o Nikkei estaria se expandindo? E por que os Nikkei desapareceriam? Seria por absorção ou assimilação de uma instância externa ou do meio ambiente? Tentaremos responder a estas questões – tal como na secção anterior – com algumas abordagens que poderão sugerir algumas respostas.

Jantar com amigos 1949

Existe uma identidade, cultura e tradição comuns entre os Nikkei?

Os Nikkei de cada país e de todos os países, em geral, partilham uma história e uma cultura com raízes variadas que não se originam num Japão único e imutável. As origens, as circunstâncias e os momentos de partida foram múltiplos, assim como as variantes culturais, em línguas e dialetos, alimentos, práticas religiosas, etc. dos próprios migrantes japoneses e dos Nikkei em geral. Histórias pessoais, familiares e de grupo – ou memórias delas – permaneceram geralmente congeladas no momento da emigração e assim transmitidas; Nos aspectos culturais, teria acontecido o mesmo?

No caso específico do Peru, e fundamentalmente através da entidade oficial do Nikkei (Sociedade Central Japonesa e depois Associação Japonesa Peruana), tem-se observado ao longo dos anos uma espécie de “nacionalização” ou centralização do que é japonês ou Nikkei, feita visíveis através de suas abordagens (formais e informais), atividades e ações em geral, ainda que oficialmente as diferentes origens e culturas estivessem representadas em todas elas.

Porém, vista de fora, nem sempre é fácil distinguir entre o que seria uma cultura japonesa e uma cultura nikkei (como alguns autores afirmam que existe). Em algumas ocasiões, as atividades do Centro Cultural Japonês Peruano (sede oficial da associação) parecem representar a cultura oficial do Japão atual, enquanto em outras parecem expressar as culturas provinciais do Japão e algumas outras poderiam ser devidamente identificadas como Nikkei ou mesmo apenas peruano. Tal dificuldade em estabelecer os limites entre uma instância e outra (interno - externo, interior - ambiente) se deve, talvez, ao fato de que no mundo real esses limites são menos definidos e porque em muito do que está relacionado à identificação e à identidade há um forte componente emocional e mais especificamente sentimental.

As comunidades Nikkei estão se expandindo? Os Nikkei desaparecerão?
Tal componente emocional em relação ao tema da identidade, mencionado no parágrafo anterior, reflectir-se-ia, por exemplo, no facto de algumas das questões colocadas para este grupo de trabalho representarem duas perspectivas opostas que, aliás, são ouvidas com alguma frequência entre indivíduos e representantes de organizações Nikkei no Peru, bem como em outros países (embora também entre estudiosos e analistas dessas comunidades e de sua história). A primeira pergunta deste subtítulo representaria a perspectiva mais ampla e até otimista (as comunidades Nikkei estão se expandindo?) versus a outra, contrária em perspectiva e componente emocional (será que os Nikkei desaparecerão?).

Por outro lado, e como referimos acima, tais questões implicam a consideração tácita da coexistência de níveis ou instâncias: o interno e o externo ou o ambiente, então, se não, para onde e para onde estaria o Nikkei a expandir-se? E por que os Nikkei desapareceriam? Seria por absorção ou assimilação de uma instância externa ou do meio ambiente?

Talvez qualquer um dos processos envolvidos nas questões – ou ambos – possa estar a desenvolver-se de uma forma discreta. Mas o que está evidente no Peru há várias décadas é outro processo que em alguns casos produziu um impacto real ao nível da cultura do país e também se refletiu a nível internacional. Estas situam-se fundamentalmente no campo das artes e, em geral, representam fusão cultural.

Culinária Nikkei. Expressão quase coletiva dos Nikkei, a chamada culinária Nikkei e a influência dessa culinária na culinária peruana são hoje amplamente reconhecidas nacionalmente e também em outros países. Vários chefs nikkeis – a maioria deles jovens – tendem a ser representantes da gastronomia peruana em eventos internacionais especializados, bem como naqueles promovidos oficialmente pelo atual governo peruano. A sua presença nos meios de comunicação social (jornais e televisão) também é frequente, tal como existem relativamente numerosos livros dedicados a esta cozinha e chefs Nikkei.

A origem inicialmente atribuída a esta culinária foi a culinária regional japonesa à base de peixes e frutos do mar. No entanto, e aliado ao boom do sushi e da comida japonesa a nível internacional, a mistura de ambos exprime-se na criação de chefs especialmente jovens. Os veteranos Humberto Sato (Restaurante Costanera 700) e Toshiro Konishi (Toshiro’s) e o jovem chef Jaime Kasuga (Hanzo) são os representantes mais reconhecidos desta cozinha.

José Watanabe, Lima 2007 Fotógrafo Paul Vallejos.

Arte Nikkei. Além das figuras consagradas José Watanabe (poeta, 1945 – 2007) e Tilsa Tsuchiya (pintora, 1929 – 1984) e Augusto Higa (narrador), são numerosos os artistas plásticos de diferentes gerações cuja presença quase permanente se verifica nos meios de comunicação social e na atividade artística local e internacional. Alguns dos mais reconhecidos são: Venancio Shinki, Eduardo Tokeshi, Carlos Runcie Tanaka, Jaime Higa, Aldo Shiroma, Haroldo Higa, entre outros.

Os casos mencionados (cozinha e arte Nikkei) são alguns dos exemplos e produtos de um percurso diferente das ideias de expansão ou desaparecimento da identidade, cultura e tradição Nikkei no Peru. É a fusão, mistura, miscigenação, nova expressão ou qualquer outro nome que implique também pertencer a algo muito específico, que seria a identidade, cultura e tradição peruana.

Os Nikkei do Peru e de outros países também poderiam encontrar-se nesse caminho. A chamada herança racial mista, que geralmente se refere apenas a uma parte das populações Nikkei de diferentes países, parece ter ocorrido em paralelo – em alguns países mais do que em outros – com a mistura cultural e identitária; esta última talvez em maior proporção do que a miscigenação racial. Por outro lado, o reforço, o reconhecimento, a divulgação e o desenvolvimento da identidade, cultura e tradição dos Nikkei coletivamente, bem como dos seus valores tangíveis e intangíveis - por outro lado - estão entre as possibilidades de seus líderes e instituições representantes.

NOTAS

1. Este trabalho foi preparado para o workshop do Museu Nacional Nipo-Americano - Projeto Descubra Nikkei na Conferência Pan-Americana Nikkei (Copani), que será realizado na cidade de Montevidéu, Uruguai, na terceira semana de setembro de 2009. Infelizmente , o presente autor não poderá comparecer ao evento, mas espera ter alguma participação no debate através desta publicação no site Descubra Nikkei.

2. Segundo o último censo Nikkei de 1989. In: Morimoto, Amelia. 1991. População de origem japonesa no Peru: Perfil atual . Lima: Comissão Comemorativa do 90º Aniversário da Imigração Japonesa no Peru.

3. A formulação, direção e execução do censo Nikkei de 1989 foram confiadas ao autor deste artigo pela Comissão comemorativa do 90º aniversário da imigração japonesa ao Peru e o projeto foi realizado (desde seu planejamento, execução, até a redação do o relatório final do estudo e a sua publicação) com o apoio de uma equipa de mais de 200 estudantes e jovens profissionais, entre 1988 e 1991. O relatório final foi publicado em forma de livro, mencionado na citação anterior.

4. Esta ênfase deve-se ao facto de, tanto em torno do censo como também noutras actividades colectivas, não terem faltado opiniões discordantes sobre quem seria ou não nikkei, excluindo em alguns casos os de ascendência japonesa.

© 2009 Amelia Morimoto

cultura identidade Peru
Sobre esta série

O Discover Nikkei organizou duas sessões na conferência COPANI em Montevidéu, Uruguai, realizada de 17 a 19 de setembro de 2009. As sessões foram apresentadas em conjunto com várias de nossas organizações participantes da América Latina.

Esta série apresenta os temas discutidos pelos painelistas de ambas as sessões, bem como algumas das demais sessões da conferência.

Mais informações
About the Author

Amelia Morimoto é coordenadora e editora da Fundação San Marcos – Acordo do Museu Nacional Nipo-Americano, Projeto Descubra Nikkei (2007 até o presente). É autora dos livros: “ Imigrantes japoneses no Peru (Lima, 1979), “ População de origem japonesa no Peru: perfil atual” (Lima, 1991); “ Peru no Nihonjin Imin” (Tóquio, 1992) e “ Os japoneses e seus descendentes no Peru” (Lima, 1999). É coautora, entre outros, dos livros: “ A Memória do Olho. 100 anos de presença japonesa no Peru ” (Lima, 1999/com José Watanabe e Óscar Chambi) e “ Quando o Oriente veio para a América. Contribuições de imigrantes chineses, japoneses e coreanos na América Latina e no Caribe ”, Diretor do estudo e editor (Washington DC, BID, 2004).

Última atualização em setembro de 2009

Explore more stories! Learn more about Nikkei around the world by searching our vast archive. Explore the Journal
Estamos procurando histórias como a sua! Envie o seu artigo, ensaio, narrativa, ou poema para que sejam adicionados ao nosso arquivo contendo histórias nikkeis de todo o mundo. Mais informações
Discover Nikkei brandmark Novo Design do Site Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve! Mais informações

Discover Nikkei Updates

CRÔNICAS NIKKEIS #13
Nomes Nikkeis 2: Grace, Graça, Graciela, Megumi?
O que há, pois, em um nome? Compartilhe a história do seu nome com nossa comunidade. Inscrições já abertas!
NOVIDADES SOBRE O PROJETO
NOVO DESIGN DO SITE
Venha dar uma olhada nas novas e empolgantes mudanças no Descubra Nikkei. Veja o que há de novo e o que estará disponível em breve!