ジャーナルセクションを最大限にご活用いただくため、メインの言語をお選びください:
English 日本語 Español Português

ジャーナルセクションに新しい機能を追加しました。コメントなどeditor@DiscoverNikkei.orgまでお送りください。

São Paulo recebe a exposição “Wakabayashi, Mestre da Pintura Nipo-Brasileira"

O conceituado pintor japonês Kazuo Wakabayashi completou em maio passado, noventa anos de idade, e para comemorar os oitenta de sua iniciação artística presenteia São Paulo com a exposição Wakabayashi, Mestre da Pintura Nipo-Brasileira, de 8 a 22 de outubro no Espaço Arte M. Mizrahi, no Jardim Paulista, na zona Sul de São Paulo, com a realização do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa. A mostra traz 27 pinturas do artista, que tem curadoria do crítico de arte Enock Sacramento, coordenação de Ely Iutaka e produção de Hiro Kai.

O artista nasceu em Kobe, na província de Hyogo, no Japão, e recebeu seus primeiros ensinamentos de pintura na escola de primeiro grau, em sua cidade natal, em 1941.

Wakabayashi aportou no Brasil, a bordo do America Maru, em Santos, com uma carta de apresentação do pintor Waichi Tsutaka, que participara anos antes da Bienal de São Paulo, dirigida a Manabu Mabe e Tomie Ohtake. Wakabayashi foi recebido pelos dois. Tornou-se próximo de Mabe que o apresentou a vários amigos da comunidade japonesa e a galeristas, contribuindo para seu processo de integração.

Quando Wakabayashi chegou ao Brasil, fazia uma pintura abstrata que foi de imediato aprovada por juris de salões e por galerias de arte do país. Na época, o abstracionismo informal estava em alta no Brasil. Em 1959, Manabu Mabe, pintor abstracionista, havia conquistado o prêmio de Melhor Pintor Nacional na V Bienal de São Paulo. A estrela de Wakabayashi subiu vertiginosamente. Participou de importantes coletivas e realizou numerosas exposições individuais no Brasil e no exterior. Em 1987, recebeu o Prêmio Itamarati, na 9ª Bienal Internacional de São Paulo.

Quando emigrou para o Brasil, em 1961, com 30 anos de idade, Wakabayashi já era um artista profissional. Depois de participar de salões de arte no Japão e de ser premiado em alguns deles, Wakabayashi participou de várias mostras coletivas em seu país de origem. Realizou, em 1960, uma exposição solo na prestigiosa galeria K.C.C. e, no ano seguinte, outra mostra individual na importante Galeria Daimaru, ambas em Kobe. Na primeira, Wakabayashi conheceu Hikari Sakamoto, com quem se casou meses depois.

Dentro de sua pintura abstrata, nos anos 1960, destaca-se uma série de trabalhos que remetem à configuração de certas formações geológicas constituídas por uma única rocha que se eleva a partir de uma base. Para essa série, o curador da mostra, Enock Sacramento, no ensaio que escreveu para o catálogo da mostra, propõe o nome de Monólitos. Na década seguinte, ele investiu boa parte de seu tempo em pesquisas de textura e relevos. No final dos anos 1970, produziu trabalhos com textura espessa e de uma única cor. Elas constituem a série Monocromática do artista. Na década seguinte, todavia, começaram a aparecer em suas obras elementos da cultura tradicional do Japão.

2005 - Kabuki, técnica mista sobre tela, 50 x 42 cm. Coleção particular 1

A série japonesa subdivide-se em várias subséries: Temari, Kabuki, Kanzashi, Orizuru Carpas, Piões. Nos últimos vinte anos, ele criou ainda trabalhos que podem ser reunidos em duas séries: Bananeiras e Parreiras. Wakabayashi, que parou de pintar há dois anos devido a problemas de saúde, declarou que, se voltasse a pintar, gostaria de retomar a abstração plena.

Enock Sacramento explica que o mestre Kazuo Wakabayashi demorava às vezes meses para ser concluída uma obra, devido ao complexo processo que ele criou, reúne técnica elaborada e poética intensa. “Ele é seguramente, uma das expressões mais altas da pintura nipo-brasileira, um mestre em seu ofício”, conclui o crítico.

A exposição será realizada em decorrência de projeto submetido ao ProAC – Programa de Ação Cultural a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, empreendido pela QSP Projetos Culturais, terá coordenação geral de Ely Iutaka. As visitas à exposição, em obediência a medidas de segurança sanitária serão pré-agendadas pelo Sympla para evitar aglomerações. Os visitantes deverão usar máscaras e na entrada da galeria será disponibilizado álcool gel para todos.

* * * * *

Exposição “Wakabayashi, mestre da pintura nipo-brasileira" 

2014 - Orizuru amarelo, 70 x 80 cm. Coleção particular 1

Onde: Espaço Arte M. Mizhari – Rua Peixoto Gomide, 1757 – Jardim Paulista, São Paulo, SP.

Quando: De 8 a 22 de outubro

Horário: De segunda a sexta, das 10 às 19 horas e sábados, das 10 às 15 horas 

Informações:  WhatsApp 11 94105-8449

Ingresso Gratuito: Visitas mediante agendamento pelo Sympla

Mais Informações >> 

 

© 2021 Luci Júdice Yizima

abstract painting artist Brazil Kazuo Wakabayashi painter