Elija un idioma principal para aprovechar al máximo nuestras páginas de la sección Artículos:
English 日本語 Español Português

Hemos realizado muchas mejoras en las páginas de la sección Artículos. ¡Por favor, envíe sus comentarios a editor@DiscoverNikkei.org!

Crónicas Nikkei #6—¡Itadakimasu 2! Otros sabores de la cultura nikkei

Gohan com arroz

Por ter nascido e crescido no Brasil e por ter pais que sempre cultivaram a cultura de seus antepassados, só fui perceber que a culinária brasileira e a culinária japonesa eram distintas quando eu tinha mais ou menos sete anos de idade.

Nessa época um amigo meu, que não é nikkei, disse o seguinte sobre o nosso colega que, como eu, era um dos únicos nikkeis da cidade de Matão, interior de São Paulo:

“Cara, você não vai acreditar: ontem eu almocei na casa do Takeda e a mãe dele serviu arroz sem sal! Você acredita nisso?”.

Após perceber minha hesitação, ele ainda me disse: “Você não acha isso normal, acha?”.

Foi assim que, de queixo caído, descobri que a culinária brasileira e a culinária japonesa não faziam parte de uma mesma cultura, e que, principalmente, elas eram bem diferentes entre si.

E também foi assim que, bem mais tarde, pensando sobre esse assunto, percebi algo ainda mais curioso: que o modo tradicional de preparo do arroz – a base alimentar desses dois países – era a grande diferença entre essas duas culturas. Pois, enquanto uma prega o arroz soltinho e bem temperado, a outra diz que tem que ser grudadinho e sem tempero.

Diferenças essas, vale ressaltar, que apesar de sutis são gritantes a um paladar desavisado – que o diga esse meu amigo.

O sabor do gohan – que é o arroz japonês – é mais acentuado do que o do arroz brasileiro. Os seus grãos também são mais atarracados. Sua característica mais marcante é o fato de que, após preparado, eles ficam bem grudadinhos uns aos outros.

E o seu preparo é extremamente fácil. Basta ter uma panela elétrica ou de pressão, um pouco d’água, um punhado de arroz, vinte minutos de espera e está pronto.

Já o arroz brasileiro, para deixá-lo do jeito certo – soltinho e rachadinho no meio – é algo extremamente difícil.

Inclusive eu já acompanhei testes em que duas pessoas fizeram arroz brasileiro seguindo a mesma receita – quantidade de arroz, de sal, de água e de cebola –, o mesmo método – a altura do fogo, o tipo de panela e a sequência em que se colocam os ingredientes na panela – e a mesma cronometragem – momento de colocar a receita na panela, momento de colocar e de tirar a tampa da panela e momento de apagar o fogo –, e verifiquei que o resultado ficou totalmente diferente um do outro.

Enquanto um ficou soltinho e partidinho, o outro ficou estufado e empapado. Conclusão: fazer arroz brasileiro não é para qualquer um.

Enfim, não tem como comparar a exuberância do arroz brasileiro com a elegância do arroz japonês. Ainda mais se incluirmos as outras formas de preparo.

Por exemplo: no preparo do arroz brasileiro há quem inclua ovo, cenoura, salsinha ou cebolinha – sem contar os ingredientes do Arroz Carreteiro, do Arroz Farofado, do Baião de Dois etc. E no preparo do arroz japonês há quem inclua missô, gergelim e furikake – sem contar os vários ingredientes dos vários tipos de sushis.

Em relação a esses dois tipos de preparo mais tradicionais, eu nunca tive preferência. Pois para mim, eles são tão diferentes um do outro que os considero como pratos distintos. E sou até capaz de servi-los na mesma refeição: gohan com arroz.

Voltando ao começo da crônica:

Tempos depois, aquele meu amigo – o que não é nikkei – jantou em minha casa. E eu, por já conhecer o seu gosto, pedi para que minha mãe preparasse arroz brasileiro. Ela o fez. O meu amigo comeu e ainda o elogiou muito.

Mas não teve jeito. Mais tarde, soube por terceiros, que ele achou estranhíssimo o tempero que nós de casa usamos para a salada: o shoyu.

 

© 2017 Hudson Okada

32 Estrellas

La Favorita de Nima-kai

Each article submitted to this series was eligible for selection as favorites of our readers and the Editorial Committees. Thank you to everyone who voted!

Brazil culture food Itadakimasu 2 Nikkei Chronicles rice

Sobre esta serie

¿Cómo expresa tu identidad la comida que consumes? ¿Cómo la comida te ayuda a conectar a tu comunidad y a reunir a la gente? ¿Qué tipos de recetas han ido pasando de generación en generación en tu familia? ¡Itadakimasu 2!: Otros Sabores de la Cultura Nikkei replanteó el papel de la comida en la cultura nikkei.

En esta serie, le pedimos a nuestros Nima-kai votar por sus historias favoritas y a nuestro Comité Editorial elegir sus favoritas. En total, cuatro historias favoritas fueron elegidas.

Aquí estás las historias favoritas elegidas.

  Editorial Committee’s Selections:

  La elegida por Nima-Kai:

Para saber más sobre este proyecto de escritura >>


Mira también estas series de Crónicas Nikkei >>